Moulin Rouge | Temuco

Consejos | Trucos | Comentarios

Montelair Para Que Serve?

Para que Montelair é indicado?

Rinite alérgica, incluindo sintomas diurnos e noturnos como congestão nasal, coriza, coceira nasal e espirros; congestão nasal ao despertar, dificuldade de dormir e despertares noturnos; lacrimejamento, coceira, vermelhidão e inchaço dos olhos.

Como age o remédio Montelair?

O medicamento atua bloqueando a substância chamada leucotrieno, que é responsável pelo estreitamento e inchaço das vias aéreas. Montelair também trabalha reduzindo sintomas alérgicos.

Tem corticoide no Montelair?

PARA QUE SERVE – O medicamento é indicado para o tratamento da asma, alergias e rinite. Sua fórmula contém 10mg de montelactona, um corticosteróide que age reduzindo a inflamação das vias aéreas, aliviando os sintomas de asma, alergias e rinite, como espirros, coriza, coceira, inchaço e dificuldade para respirar.

Quais são os efeitos colaterais do Montelair?

Alterações de comportamento e humor (agitação, inclusive comportamento agressivo ou hostilidade, depressão, desorientação, distúrbio de atenção, anormalidades no sonho, ansiedade, alucinações, insônia, irritabilidade, perda de memória, sintomas obsessivo-compulsivos, inquietação, sonambulismo, gagueira, pensamentos e

Quantos dias para Montelair fazer efeito?

Pacientes com asma e/ou rinite alérgica devem administrar apenas um comprimido diariamente à noite. e/ou rinite alérgica: a posologia para pacientes a partir de 15 anos de idade é de 1 comprimido de 10 mg diariamente. O efeito terapêutico do MONTELAIR sobre os parâmetros de con – tro le da asma ocorre em 1 dia.

Quando o Montelair começa fazer efeito?

‘ Antes de 60 dias é muito provável que o organismo ainda não tenha se adaptado ao montelucaste’, diz o Dr. Eduardo Motti, diretor do núcleo médico do Aché.

Porque dar Montelair à noite?

Em uma análise combinada de três estudos pivotais, a administração à noite de montelucaste de sódio em comprimidos de 10 mg uma vez ao dia a 1.189 pacientes resultou em melhora estatisticamente significativa do desfecho primário, escore de sintomas nasais diurnos e componentes individuais (congestão nasal, rinorreia,

Pode tomar Montelair todos os dias?

Estudos clínicos – rinite alérgica: – A eficácia de montelucaste de sódio para o tratamento da rinite alérgica sazonal foi avaliada em estudos com desenho semelhante, randômicos, duplos-cegos, controlados com placebo e com duração de 2 semanas que incluíram 4.924 pacientes (1.751 pacientes tratados com montelucaste de sódio).

Os pacientes tinham idade ≥15 anos e histórico de rinite alérgica sazonal, teste cutâneo positivo a pelo menos um alérgeno sazonal relevante e sintomas ativos de rinite alérgica sazonal no início do estudo. Em uma análise combinada de três estudos pivotais, a administração à noite de montelucaste de sódio de 10mg uma vez ao dia a 1.189 pacientes resultou em melhora estatisticamente significativa do desfecho primário, escore de sintomas nasais diurnos e componentes individuais (congestão nasal, rinorreia, prurido nasal e espirros); escore de sintomas noturnos e componentes individuais (congestão nasal ao despertar, dificuldade para dormir e despertares noturnos); escore de sintomas oculares diurnos e componentes individuais (lacrimejamento, prurido, vermelhidão e edema ocular); avaliação global da rinite alérgica por pacientes e médicos; e escore de sintomas composto (composto dos escores de sintomas nasais diurnos e sintomas noturnos), em comparação com o placebo.

Em um estudo separado de 4 semanas, no qual montelucaste de sódio foi administrado uma vez ao dia pela manhã, a eficácia durante as duas semanas iniciais foi significativamente diferente do placebo e consistente com os efeitos observados em estudos que utilizaram doses noturnas.

Além disso, o efeito ao longo do período de 4 semanas foi consistente com o resultado das duas semanas. Em pacientes com rinite alérgica sazonal e idade ≥15 anos que receberam montelucaste de sódio, notou-se diminuição mediana de 13% na contagem de eosinófilos na circulação periférica, em comparação com o placebo, durante os períodos de tratamento duplo-cego.

A eficácia de montelucaste de sódio para o tratamento da rinite alérgica perene foi avaliada ainda em dois estudos semelhantes, randômicos, duplos cegos, controlados com placebo, com duração de 6 semanas e que incluíram 3.235 pacientes (1.632 pacientes tratados com montelucaste de sódio).

  • Os pacientes com 15 a 82 anos de idade apresentavam histórico de rinite alérgica perene, teste cutâneo positivo para alérgenos presentes independentemente da estação do ano (incluindo ácaros, pelos de animais e esporos de fungos) e sintomas ativos de rinite alérgica perene no início do estudo.
  • Em um estudo, montelucaste de sódio em comprimidos a 10mg foi administrado uma vez ao dia a 1.000 pacientes, o que resultou em melhora estatisticamente significativa do desfecho primário, escore de sintomas nasais diurnos e seus componentes individuais (congestão nasal, rinorreia e espirros), em comparação com o placebo.

O montelucaste de sódio também demonstrou melhora da rinite alérgica perceptível ao paciente, conforme avaliado pelos desfechos secundários: avaliação global da rinite alérgica pelo paciente e escore geral da qualidade de vida em pacientes com rinoconjuntivite (média de pontos para os sete critérios: atividade, sono, sintomas não relacionados aos olhos e nariz, problemas de aspecto prático, sintomas nasais, sintomas oculares e emocionais), em comparação com o placebo.

Pode tomar Montelair à noite?

Montelair Para Que Serve Desconto laboratório PBM Este produto tem desconto exclusivo para clientes cadastrados no Programa cuidados pela vida, Economize com o programa do laboratório, informe seus dados e compre com preço exclusivo. Montelair Para Que Serve Montelair Cód: 22853 0 avaliações Montelair 10mg 30 Comprimidos Revestidos é um medicamento. Consulte um médico ou farmacêutico pois seu uso pode trazer riscos. Leia a bula. Evite a automedicação. Montelair é indicado para o tratamento de: asma, incluindo a prevenção dos sintomas de asma durante o dia e noite.

Montelair também previne o estreitamento das vias aéreas causado pelo exercício; rinite alérgica, incluindo sintomas diurnos e noturnos como congestão nasal, coriza, coceira nasal e espirros; congestão nasal ao despertar, dificuldade de dormir e despertares noturnos; lacrimejamento, coceira, vermelhidão e inchaço dos olhos.

Este medicamento é contraindicado em caso de alergia a qualquer um de seus componentes (veja o item «COMPOSIÇÃO»). Tome Montelair uma vez ao dia com ou sem alimentos, como prescrito por seu médico. A dose para adultos e adolescentes com idade a partir de 15 anos para tratamento de asma e/ou rinite alérgica é de um comprimido de 10 mg diariamente.

Os pacientes com asma devem tomar Montelair diariamente, ao anoitecer. Os pacientes com rinite alérgica devem tomar Montelair uma vez ao dia, conforme a prescrição médica. Sempre tenha com você medicamentos inalatórios de resgate para o caso de crises de asma. Não tome doses adicionais de Montelair com intervalo de menos de 24 horas desde a dose anterior.

É importante continuar tomando Montelair durante o tempo indicado por seu médico, a fim de manter o controle da asma. Montelair pode tratar a asma apenas se você ou sua criança continuar a tomá-lo. Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico. Qualquer medicamento pode apresentar efeitos inesperados ou indesejáveis, denominados efeitos adversos. Montelucaste de sódio em geral é bem tolerado. Nos estudos, os efeitos adversos mais comuns (entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento) relatados foram dor abdominal, dor de cabeça, sede, diarreia, hiperatividade, asma, descamação, coceira e erupções da pele usualmente leves e que ocorreram com a mesma frequência em pacientes que tomaram montelucaste de sódio ou placebo (comprimido que não contém medicamento).

Além disso, foram relatados: Infecção nas vias aéreas superiores; Aumento de tendência a sangramento e número baixo de plaquetas; Reações alérgicas (incluindo inchaço da face, lábios, língua e/ou garganta, urticária, coceira e erupção da pele); Alterações de comportamento e humor (agitação, inclusive comportamento agressivo ou hostilidade, depressão, desorientação, distúrbio de atenção, anormalidades no sonho, ansiedade, alucinações, insônia, irritabilidade, perda de memória, sintomas obsessivo-compulsivos, inquietação, sonambulismo, gagueira, pensamentos e atos suicidas, tremor e movimentos musculares involuntários); Tontura, sonolência, formigamento/dormência e, muito raramente, convulsão; Palpitações; Sangramento nasal e inflamação dos pulmões; Diarreia, dispepsia, náuseas e vômitos; Hepatite; Hematoma e reações cutâneas graves (eritema multiforme) que podem ocorrer inesperadamente; Dor articular, dor muscular e cãibras musculares; Incontinência urinária em crianças; Fraqueza e cansaço; Inchaço; Febre.

O que acontece se tomar muito Montelair?

Aumento de tendência a sangramento e número baixo de plaquetas; Reações alérgicas (incluindo inchaço da face, lábios, língua e/ou garganta, urticária, coceira e erupção da pele);

Qual é o melhor horário para tomar Montelair?

Montelair Sachê Para o tratamento de asma, a dose para crianças com idade de 6 meses a 5 anos é de um sachê de 4mg diariamente. Para o tratamento de rinite alérgica, a dose para crianças de 2 a 5 anos de idade é de um sachê de 4mg diariamente. Os pacientes com asma devem tomar Montelair diariamente, ao anoitecer.

O que substitui Montelair?

Bronsecur 10mg, caixa com 10 comprimidos revestidos.

Quem não pode tomar Montelair?

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação mé- dica ou do cirurgião-dentista. Não se sabe se Montelair é excretado no leite materno. Caso você esteja amamentando ou pretenda amamentar, você deve consultar seu médico antes de tomar Montelair.

Como devo dar Montelair para meu filho?

Tome Montelair uma vez ao dia com ou sem alimentos, como prescrito por seu médico. Para o tratamento de asma, a dose para crianças com idade de 6 meses a 5 anos é de um sachê de 4 mg, diariamente.

Porque tomar montelucaste à noite?

Comprimidos mastigáveis 4 e 5 mg Embalagens com 30 comprimidos. Uso oral. Uso pediátrico acima de 2 anos. Comprimidos revestidos de 10 mg Embalagens com 10 e 30 comprimidos. Uso oral. Uso adulto e pediatrico acima de 15 anos. Superdosagem do Montelucaste de Sódio Comprimido – Biosintética Procure um médico imediatamente.

Na maioria dos casos de superdose, não foram relatados efeitos adversos. Os sintomas mais frequentemente relatados nos casos de superdose em adultos e crianças incluíram dor abdominal, sonolência, sede, dor de cabeça, vômitos e hiperatividade. Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível.

Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações. Interação Medicamentosa do Montelucaste de Sódio Comprimido – Biosintética Em geral, montelucaste de sódio não interfere com outros medicamentos que você ou sua criança estejam tomando. Entretanto, alguns medicamentos podem afetar a ação de montelucaste de sódio, ou montelucaste de sódio pode afetar a ação de outros medicamentos.

É importante que você informe ao seu médico sobre todos os medicamentos que você ou sua criança estejam tomando ou planejam tomar, inclusive medicamentos obtidos sem receita médica. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico.

Pode ser perigoso para a sua saúde. Ação da Substância Montelucaste de Sódio Comprimido – Biosintética Estudos clínicos – Asma Adultos (idade a partir de 15 anos) A eficácia de Montelucaste de Sódio (substância ativa) no tratamento crônico da asma em adultos, com idade superior a 15 anos, foi demonstrada em dois estudos duplos-cegos, controlados com placebo, com desenhos semelhantes, duração de 12 semanas e que incluíram 1.325 pacientes (795 foram tratados com Montelucaste de Sódio (substância ativa) e 530 receberam placebo) 1,2,

  1. Os pacientes eram sintomáticos e utilizavam aproximadamente 5 puffs de β-agonistas por dia, conforme necessário.
  2. No período basal, a média preestabelecida para o volume expiratório forçado em 1 segundo (VEF1) foi de 66% (variação aproximada, 40 a 90%).
  3. Nesses estudos, os sintomas relacionados à asma, a função respiratória e o uso de β-agonistas conforme necessário foram mensurados.
See also:  MorfolGico 2 Trimestre Quando Fazer?

Os desfechos foram avaliados em cada estudo e em uma análise combinada de acordo com um plano pré-especificado de análise dos dados. A seguir serão mostrados os resultados clínicos observados: Sintomas de asma e parâmetros relativos à asma A dose diária de 10 mg de Montelucaste de Sódio (substância ativa) administrada uma vez à noite melhorou significativamente a avaliação de sintomas diurnos e despertares noturnos relatados pelo paciente em cada estudo, em uma análise combinada, quando comparada ao placebo.

  • Em pacientes com despertares noturnos em pelo menos duas noites por semana, Montelucaste de Sódio (substância ativa) reduziu os despertares noturnos em 34% a partir do período basal, significativamente mais que a redução de 14% ocorrida no grupo do placebo (análise combinada).
  • Montelucaste de Sódio (substância ativa), comparado com placebo, melhorou significativamente os parâmetros avaliados relativos à asma.

Em uma análise combinada, Montelucaste de Sódio (substância ativa), comparado com placebo, diminuiu as crises de asma em 37%, o uso de corticosteroides de resgate em 39%, a descontinuação causada por agravamento da asma em 65%, as exacerbações da asma em 38% e aumentou a quantidade de dias sem asma em 42%.

A avaliação global da asma e a avaliação da asma especificamente relacionada à qualidade de vida, feitas por médicos e pacientes (em todos os critérios, incluindo atividades diárias e sintomas de asma), foi significativamente melhor com Montelucaste de Sódio (substância ativa) em comparação ao placebo em cada estudo e na análise combinada.

Função respiratória Comparado ao placebo, Montelucaste de Sódio (substância ativa) demonstrou significativa melhora nos parâmetros da função respiratória (VEF1 e TPFE, taxa do pico do fluxo expiratório) em cada estudo e na análise combinada. Efeito de Montelucaste de Sódio (substância ativa), 10 mg ao dia, parâmetros da função respiratória em adultos a partir de 15 anos de idade (análise combinada)

Montelucaste de Sódio (substância ativa) n= 795 Placebo n= 530
VEF1 matinal (% alteração a partir do período basal) 10,4* 2,7
TPFE no período da manhã (L/min – alteração a partir do período basal) 24,5* 3,3
TPFE no período da tarde (L/min – alteração a partir do período basal) 17,9* 2,0

Significativamente melhor que o placebo (p≤ 0,001). Uso de β-agonista Comparado com o placebo, Montelucaste de Sódio (substância ativa) diminuiu significativamente a necessidade do uso de β-agonista em 26,1% a partir do período basal em comparação com 4,6% no grupo do placebo, na análise combinada.

  • A diminuição também foi significativa em cada um dos estudos (p ≤ 0,001).
  • Início de ação e manutenção de benefícios Em cada estudo e na análise combinada, o efeito do tratamento com Montelucaste de Sódio (substância ativa), avaliado por meio de parâmetros estabelecidos em um cartão-diário que incluía o escore de sintomas, o uso de β-agonistas conforme necessário e a medição da TPFE, foi atingido após a primeira dose e mantido durante o intervalo entre as doses (24 horas).

O efeito do tratamento também se manteve durante a administração contínua uma vez ao dia em estudos de extensão de até um ano 3, A descontinuação de Montelucaste de Sódio (substância ativa) em pacientes com asma após 12 semanas de uso contínuo não causou efeito rebote em relação ao agravamento da asma 1,2,

Efeitos relativos aos corticosteroides inalatórios Em um dos dois estudos duplos-cegos com 12 semanas de duração que incluíram adultos (multinacional), Montelucaste de Sódio (substância ativa) foi comparado com beclometasona inalatória (200 µg duas vezes ao dia, com uso de espaçador). Montelucaste de Sódio (substância ativa) demonstrou resposta inicial mais rápida, embora na duração total do estudo a beclometasona tenha proporcionado efeito de tratamento em média melhor.

Entretanto, uma alta porcentagem de pacientes tratados com Montelucaste de Sódio (substância ativa) atingiu respostas clínicas similares em comparação à beclometasona inalatória 2, Pacientes pediátricos de 6 a 14 anos de idade A eficácia de Montelucaste de Sódio (substância ativa) em pacientes pediátricos com idade entre 6 e 14 anos foi demonstrada em um estudo duplo-cego, controlado com placebo, com 8 semanas de duração e que incluiu 336 pacientes (201 foram tratados com Montelucaste de Sódio (substância ativa) e 135 receberam placebo) que usavam β-agonistas conforme necessário.

  1. A porcentagem média prevista para VEF1 foi 72% no período basal (variação aproximada, 45 a 90%) e aproximadamente 36% dos pacientes usavam corticosteroides inalatórios 4,
  2. Em comparação ao placebo, a dose diária de Montelucaste de Sódio (substância ativa) em comprimidos mastigáveis de 5 mg administrada à noite diminuiu significativamente a porcentagem de dias com exacerbação de asma.

A avaliação global da asma feita pelos pais e a avaliação da qualidade de vida feita pelos pacientes pediátricos relacionada especificamente à asma (em todos os critérios, incluindo atividades normais diárias e sintomas de asma) foram significativamente melhores com Montelucaste de Sódio (substância ativa) em comparação ao placebo.

Em comparação ao placebo, houve melhora significativa do VEF1 matutino (alteração de 8,7% versus 4,2% a partir do período basal no grupo que recebeu placebo, plt; 0,001) e diminuição significativa da necessidade do uso de β-agonista (diminuição de 11,7% a partir do período basal versus aumento de 8,2% a partir do período basal no grupo do placebo, p≤ 0,050).

Da mesma forma que ocorreu em estudos que incluíram adultos, o efeito do tratamento foi obtido após a primeira dose e permaneceu constante durante a administração contínua diária em estudos clínicos com duração de até 6 meses 5, Taxa de crescimento de pacientes pediátricos Dois estudos clínicos controlados mostraram que o Montelucaste de Sódio (substância ativa) não afeta a taxa de crescimento em pacientes pediátricos pré-puberdade com asma.

No estudo que incluiu crianças com idade entre 6 e 11 anos, a taxa de crescimento, avaliada pelo aumento do comprimento da parte inferior da perna, foi similar em pacientes tratados com Montelucaste de Sódio (substância ativa) 5 mg uma vez ao dia por 3 semanas quando comparada ao placebo e significativamente menor em pacientes tratados com budesonida inalatória (200 mcg duas vezes ao dia) por 3 semanas quando comparada ao placebo 6,

Em um estudo de 56 semanas que incluiu crianças com idade entre 6 e 8 anos, a taxa de crescimento linear foi similar em pacientes que receberam diariamente Montelucaste de Sódio (substância ativa) 5 mg e placebo (média de quadrados mínimos para o Montelucaste de Sódio (substância ativa) e o placebo 5,67 e 5,64 cm/ano, respectivamente) e significativamente menor (média de QM, 4,86 cm/ano) em pacientes tratados com beclometasona inalatória (200 mcg duas vezes ao dia), em comparação ao placebo (diferença na média de QM : -0,78 cm/ano).

Tanto o Montelucaste de Sódio (substância ativa) quanto a beclometasona versus placebo demonstraram benefício significativo em relação ao uso de medicamentos de resgate para pacientes com asma leve 7, Pacientes pediátricos de 6 meses a 5 anos de idade A eficácia de Montelucaste de Sódio (substância ativa) em comprimidos mastigáveis de 4 mg uma vez ao dia, administrados à noite, em pacientes pediátricos com 2 a 5 anos de idade foi demonstrada em um estudo duplo-cego, controlado com placebo, com 12 semanas e que incluiu 689 pacientes (461 foram tratados com Montelucaste de Sódio (substância ativa) e 228 receberam placebo).

Montelucaste de Sódio (substância ativa) melhorou significativamente vários desfechos de eficácia e melhorou os parâmetros de controle da asma 8, Montelucaste de Sódio (substância ativa) foi significativamente melhor em comparação ao placebo nos seguintes desfechos de eficácia para os responsáveis por cuidar do paciente com asma diariamente: dias com sintomas diurnos de asma, escore de sintomas diurnos de asma (incluindo tosse, chiado, dificuldade para respirar e atividade das crianças), uso de beta-agonista, resgate com corticosteroides, dias sem asma e sintomas de asma durante a noite (p lt;0,05).

Além disso, houve tendência favorável do efeito do tratamento para o desfecho de eficácia crises de asma (p= 0,107). A avaliação global feita pelos médicos e a média da avaliação global da asma feita por médicos e pelos responsáveis por cuidar das crianças com asma foram significativamente melhores com Montelucaste de Sódio (substância ativa) em comparação ao placebo (p= 0,007 e 0,015, respectivamente).

O efeito do tratamento foi obtido após a primeira dose. Além disso, a contagem total de eosinófilos no sangue diminuiu significativamente (p= 0,034). A eficácia de Montelucaste de Sódio (substância ativa) em pacientes com 6 meses a 2 anos de idade é embasada pela extrapolação da eficácia demonstrada em pacientes com idade ≥2 anos com asma e baseada em dados farmacocinéticos semelhantes, bem como na suposição de que o curso da doença, a fisiopatologia e o efeito da medicação são substancialmente semelhantes nessas populações 9,

Efeitos em pacientes que utilizam concomitantemente corticosteroides inalatórios Diferentes estudos com adultos demonstraram a propriedade aditiva de Montelucaste de Sódio (substância ativa) no efeito clínico de corticosteroides inalatórios, permitindo a diminuição gradual dos esteroides quando usados concomitantemente.

Três grandes estudos com Montelucaste de Sódio (substância ativa) demonstraram benefícios adicionais a pacientes que tomavam corticosteroides. Um estudo randômico, controlado com placebo, de grupos paralelos (n= 226), em pacientes com asma controlada que recebiam dose inicial de corticosteroides inalatórios de aproximadamente 1.600 mcg por dia reduziu o uso desses corticosteroides em aproximadamente 37% durante o período de run in com placebo.

Montelucaste de Sódio (substância ativa) propiciou também redução adicional de 47% na dose de corticosteroides inalatórios em comparação com 30% para o placebo ao longo do período de 12 semanas com tratamento ativo (p≤ 0,050) 10, Em outro estudo randômico, controlado com placebo e de grupos paralelos (n= 642) que incluiu uma população similar de pacientes que recebiam corticosteroides inalatórios (400 mcg/dia de beclometasona) – mas cuja asma não estava controlada, Montelucaste de Sódio (substância ativa) proporcionou benefícios clínicos adicionais, quando comparado com placebo.

A interrupção abrupta e completa da beclometasona em pacientes que receberam ambos os tratamentos causou deterioração clínica em alguns pacientes, indicando que a retirada gradual de corticosteroides inalatórios é mais bem tolerada do que a interrupção abrupta destes, sendo, portanto, preferida 11,

Em pacientes com asma sensíveis ao ácido acetilsalicílico, sendo que quase todos recebiam corticosteroides inalatórios e/ou orais concomitantemente, incluídos em um estudo randômico, de grupos paralelos e com duração de 4 semanas (n= 80), foi demonstrado que Montelucaste de Sódio (substância ativa), comparado com placebo, melhorou significativamente os parâmetros de controle da asma 12,

Efeitos na broncoconstrição induzida por exercícios físicos Em um estudo de grupos paralelos e com 12 semanas de duração que incluiu 110 pacientes adultos com ≥15 anos de idade, Montelucaste de Sódio (substância ativa) 10 mg evitou a broncoconstrição induzida por exercício físico (BIE) como demonstrado pela redução significativa dos seguintes parâmetros, em comparação com o placebo:

A extensão e duração da queda no VEF1 ao longo de 60 minutos após o exercício físico (conforme avaliado pela área sob a curva da queda percentual no VEF1 versus tempo após o exercício físico, AUC);Aporcentagem de queda máxima no VEF1 após o exercício físico;O tempo até recuperação de 5% do VEF1 pré-exercício.

Esse efeito persistiu durante todo o período de tratamento de 12 semanas, indicando que não ocorreu tolerância 13, Em um estudo cruzado separado, a proteção foi observada após duas doses administradas uma vez ao dia 14, Em pacientes pediátricos de 6 a 14 anos de idade, que receberam comprimido mastigável de 5 mg, um estudo cruzado com o mesmo desenho demonstrou proteção semelhante que foi mantida durante o intervalo entre as doses (24 horas) 15,

  • Efeitos na inflamação causada pela asma Vários estudos têm mostrado que Montelucaste de Sódio (substância ativa) inibe os parâmetros da inflamação causada pela asma.
  • Em um estudo cruzado controlado com placebo (n= 12), Montelucaste de Sódio (substância ativa) inibiu a broncoconstrição de fase imediata e tardia estimulada por antígeno em 75 e 57%, respectivamente 16,
See also:  Qual A Cidade Mais Populosa Do Mundo?

Considerando que a infiltração de células inflamatórias (eosinófilos) é uma importante característica da asma, o efeito de Montelucaste de Sódio (substância ativa) nos eosinófilos da circulação periférica e vias áreas foi estudado. Na fase IIb/III dos estudos clínicos em adultos, Montelucaste de Sódio (substância ativa) diminuiu significativamente os eosinófilos na circulação periférica em aproximadamente 15% desde o período basal, em comparação com o placebo 1, 2, 13, 17, 18, 19,

  • Em pacientes pediátricos de 6 a 14 anos de idade, Montelucaste de Sódio (substância ativa) também diminuiu significativamente os eosinófilos na circulação periférica em 13% ao longo de 8 semanas de tratamento, em comparação com o placebo 4,
  • Em um estudo clínico randômico, de grupos paralelos, com 4 semanas de duração e que incluiu adultos (n= 40), Montelucaste de Sódio (substância ativa) diminuiu significativamente os eosinófilos nas vias aéreas (como avaliado na expectoração) em 48% a partir do período basal, em comparação com aumento de 23% a partir do período basal para o placebo.

Nesse estudo, os eosinófilos da circulação periférica diminuíram significativamente e os desfechos clínicos da asma melhoraram com o tratamento com Montelucaste de Sódio (substância ativa) 19, Estudos clínicos – rinite alérgica A eficácia de Montelucaste de Sódio (substância ativa) para o tratamento da rinite alérgica sazonal foi avaliada em estudos com desenho semelhante, randômicos, duplos-cegos, controlados com placebo e com duração de 2 semanas que incluíram 4.924 pacientes (1.751 pacientes tratados com Montelucaste de Sódio (substância ativa)).

  • Os pacientes tinham idade ≥15 anos e histórico de rinite alérgica sazonal, teste cutâneo positivo a pelo menos um alérgeno sazonal relevante e sintomas ativos de rinite alérgica sazonal no início do estudo 20, 21, 22, 23, 24, 25,
  • Em uma análise combinada de três estudos pivotais, a administração à noite de Montelucaste de Sódio (substância ativa) em comprimidos de 10 mg uma vez ao dia a 1.189 pacientes resultou em melhora estatisticamente significativa do desfecho primário, escore de sintomas nasais diurnos e componentes individuais (congestão nasal, rinorreia, prurido nasal e espirros); escore de sintomas noturnos e componentes individuais (congestão nasal ao despertar, dificuldade para dormir e despertares noturnos); escore de sintomas oculares diurnos e componentes individuais (lacrimejamento, prurido, vermelhidão e edema ocular); avaliação global da rinite alérgica por pacientes e médicos; e escore de sintomas composto (composto dos escores de sintomas nasais diurnos e sintomas noturnos), em comparação com o placebo 23, 24, 25,

Em um estudo separado de 4 semanas, no qual Montelucaste de Sódio (substância ativa) foi administrado uma vez ao dia pela manhã, a eficácia durante as duas semanas iniciais foi significativamente diferente do placebo e consistente com os efeitos observados em estudos que utilizaram doses noturnas.

  1. Além disso, o efeito ao longo do período de 4 semanas foi consistente com o resultado das duas semanas 26,
  2. Em pacientes com rinite alérgica sazonal e idade ≥15 anos que receberam Montelucaste de Sódio (substância ativa), notou-se diminuição mediana de 13% na contagem de eosinófilos na circulação periférica, em comparação com o placebo, durante os períodos de tratamento duplo-cego.

A eficácia de Montelucaste de Sódio (substância ativa) para o tratamento da rinite alérgica perene foi avaliada ainda em dois estudos semelhantes, randômicos, duploscegos, controlados com placebo, com duração de 6 semanas e que incluíram 3.235 pacientes (1.632 pacientes tratados com Montelucaste de Sódio (substância ativa)).

Os pacientes com 15 a 82 anos de idade apresentavam histórico de rinite alérgica perene, teste cutâneo positivo para alérgenos presentes independentemente da estação do ano (incluindo ácaros, pelos de animais e esporos de fungos) e sintomas ativos de rinite alérgica perene no início do estudo 27, 28,

Em um estudo, Montelucaste de Sódio (substância ativa) em comprimidos de 10 mg foi administrado uma vez ao dia a 1.000 pacientes, o que resultou em melhora estatisticamente significativa do desfecho primário, escore de sintomas nasais diurnos e seus componentes individuais (congestão nasal, rinorreia e espirros), em comparação com o placebo.

Montelucaste de Sódio (substância ativa) também demonstrou melhora da rinite alérgica perceptível ao paciente, conforme avaliado pelos desfechos secundários: avaliação global da rinite alérgica pelo paciente e escore geral da qualidade de vida em pacientes com rinoconjuntivite (média de pontos para os sete critérios: atividade, sono, sintomas não relacionados aos olhos e nariz, problemas de aspecto prático, sintomas nasais, sintomas oculares e emocionais), em comparação com o placebo 28,

A eficácia de Montelucaste de Sódio (substância ativa) para o tratamento de rinite alérgica em pacientes pediátricos de 2 a 14 anos de idade é embasada pela extrapolação da eficácia demonstrada em pacientes com rinite alérgica e idade a partir de 15 anos, assim como na suposição de que o curso da doença, sua fisiopatologia e o efeito da medicação são substancialmente semelhantes nessas populações.

Referências bibliográficas: 1 Reiss TF, Chervinsky P, Dockhorn RJ, Shingo S, Seidenberg B, Edwards TB. Montelukast, a once-daily leukotriene receptor antagonist, in the treatment of chronic asthma: A multicenter, randomized, double-blind trial. Arch Intern Med 1998;158:1213-1220.2 Malmstrom K, Rodriguez-Gomez G, Guerra J, Villaran C, Pineiro A, Wei LX, Seidenberg BC, Reiss TF.

Oral montelukast, inhaled beclomethasone, and placebo for chronic asthma. A randomized, controlled trial. Montelukast/Beclomethasone Study Group. Ann Intern Med 1999 Mar 16;130(6):487-495.3 Williams B, Noonan G, Reiss TF, Knorr B, Guerra J, White R, et al.

Long-term asthma control with oral montelukast and inhaled beclomethasone for adults and children 6 years and older. Clinical amp; Experimental Allergy 2001;31:845-54.4 Knorr B, Matz J, Bernstein JA, Nguyen H, Seidenberg BC, Reiss TF, Becker A. Montelukast for chronic asthma in 6- to 14-year-old children.

JAMA 1998;279:1181-1186.5 Williams B, Noonan G, Reiss TF, Knorr B, Guerra J, White R, et al. Long-term asthma control with oral montelukast and inhaled beclomethasone for adults and children 6 years and older. Clinical amp; Experimental Allergy 2001;31:845-54.6 Pedersen S, Agertoft L, Williams-Herman D, Kuznetsova O, Reiss TF, Knorr B, Dass S B and Wolthers OD.

  • Placebo-controlled study of montelukast and budesonide on short-term growth in prepubertal asthmatic children.
  • Pediatr Pulmonol 2007;42(9):838-43.7 Becker AB, Kuznetsova O, Vermeulen J, Soto-Quiros ME, Young B, Reiss TF, Dass SB and Knorr BA for the Pediatric Montelukast Linear Growth Study Group.
  • Linear growth in prepubertal asthmatic children treated with montelukast, beclomethasone, or placebo: a 56- week randomized double-blind study.

Ann Allergy Asthma Immunol 2006;96(6): 800-807.8 Knorr B, Franchi LM, Bisgaard H, Vermeulen JH, LeSouef P, Santanello N, Michele TM, Reiss TF, Nguyen HH, Bratton DL. Montelukast, a leukotriene receptor antagonist, for the treatment of persistent asthma in children aged 2 to 5 years.

  • Pediatrics 2001;108:e48 (1-10).9 Migoya E, Kearns GL, Hartford A, Zhao J, van Adelsberg J, Tozzi CA, Knorr B and Deutsch P.
  • Pharmacokinetics of montelukast in asthmatic patients 6 to 24 months old.
  • J Clin Pharmacol 2004;44(5): 487-494.10 Löfdahl CG, Reiss TF, Leff JA, Israel E, Noonan MJ, Finn AF, Seidenberg BC, Capizzi T, Kundu S, Godard P.

Randomised, placebo controlled trial of effect of a leukotriene receptor antagonist, montelukast, on tapering inhaled corticosteroids in asthmatic patients. BMJ 1999;19:87-90.11 Laviolette M, Malmstrom K, Lu S, Chervinsky P, Pujet JC, Peszek I, Zhang J, Reiss TF.

Montelukast added to inhaled beclomethasone in treatment of asthma. Am J Respir Crit Care Med 1999;160(6):1862-1868.12 Dahlen SE, Malmstrom K, Nizankowska E, Dahlen B, Kuna P, Kowalski M, Lumry WR, Picado C, Stevenson DD, Bousquet J, Pauwels R, Holgate ST, Shahane A, Zhang J, Reiss TF, Szczeklik A. Improvement of aspirin-intolerant asthma by montelukast, a leukotriene antagonist: a randomized, double-blind, placebo-controlled trial.

Am J Respir Crit Care Med 2002 Jan 1;165(1):9-14.13 Leff JA, Busse WW, Pearlman D, Bronsky EA, Kemp J, Hendeles L, Dockhorn R, Kundu S, Zhang J, Seidenberg BC, Reiss TF. Montelukast, a leukotriene-receptor antagonist, for the treatment of mild asthma and exercise-induced bronchoconstriction.

N Engl J Med 1998;339:147-152.14 Bronsky EA, Kemp JP, Zhang J, Guerreiro D, reiss TF. Dose-related protection of exercise broncoconstriction by montelukast, a cysteinyl leukotriene-receptor antagonist, at the end of a once-daily dosing interval. Clin Pharmacol Ther 1997;62:556-561.15 Kemp JP, Dockhorn RJ, Shapiro GG, Nguyen HH, Reiss TF, Seidenberg BC, Knorr B.

Montelukast once daily inhibits exercise-induced bronchoconstriction in 6- to 14-year-old children with asthma. J Pediatr 1998;133:424-428.16 Diamant Z, Grootendorst DC, Veselic-Charvat M, et al. The effect of montelukast (MK-0476), a cysteinyl leukotriene receptor antagonist, on allergen-induced airway responses and sputum cell counts in asthma.

Clin Exp Allergy 1999;29:42-51.17 Altman LC, Munk Z, Seltzer J, Noonan N, Shingo S, Zhang J, Reiss TF. A placebo-controlled, dose-ranging study of montelukast, a cysteinyl leukotriene-receptor antagonist. J Allergy Clin Immunol 1998;102:50-56.18 Noonan MJ, Chervinsky P, Brandon M, Zhang J, Kundu S, McBurney J, Reiss TF.

Montelukast, a potent leukotriene receptor antagonist, causes dose-related improvements in chronic asthma. Eur Respir J 1998;11:1232-1239.19 Pizzichini E, Leff JA, Reiss TF, Hendele L, Wei LX, Efthimiadis AE, et al. Montelukast reduces airway eosinophilic inflammation in asthma: a randomized, controlled trial.

  • Eur Respir J 1999;14:12-8.20 Meltzer EO, Malmstrom K, Lu S, Prenner BM, Wei LX, Weinstein SF, Wolfe JD, Reiss TF.
  • Concomitant montelukast and loratadine as treatment for seasonal allergic rhinitis: A randomized, placebo-controlled clinical trial.
  • J Allergy Clin Immunol 2000;105(5):917-922.21 Lu S, Malice MP, Dass SB, Reiss TF.

Clinical studies of combination montelukast and loratadine in patients with seasonal allergic rhinitis. J Asthma 2009;46:878-883.22 Nayak A S, Philip G, Lu S, Malice M P, Reiss T F and Montelukast Fall Rhinitis Investigator Group. Efficacy and tolerability of montelukast alone or in combination with loratadine in seasonal allergic rhinitis: a multicenter, randomized, double-blind, placebocontrolled trial performed in the fall.

  • Ann Allergy Asthma Immunol 2002;88(6): 592-600.23 Philip G, Malmstrom K, Hampel F C Jr, Weinstein S F, LaForce C F, Ratner P H, Malice M P and Reiss T F for the Montelukast Spring Rhinitis Study Group.
  • Montelukast for treating seasonal allergic rhinitis: a randomized, double-blind, placebo-controlled trial performed in the spring.

Clin Exp Allergy 2002;32(7): 1020-1028.24 Chervinsky P, Philip G, Malice M-P, Bardelas J, Nayak A, Marchal J-L, et al. Montelukast for treating fall allergic rhinitis: effect of pollen exposure in 3 studies. Ann Allergy Asthma Immunol 2004;92:367-73.25 van Adelsberg J, Philip G, LaForce CF, Weinstein SF, Menten J, Malice MP, Reiss TF; Montelukast Spring Rhinitis Investigator Group.

Randomized controlled trial evaluating the clinical benefit of montelukast for treating spring seasonal allergic rhinitis. Ann Allergy Asthma Immunol 2003;90:214-222.26 van Adelsberg J, Philip G, Pedinoff A J, Meltzer E O, Ratner P H, Menten J and Reiss T F for the Montelukast Fall Rhinitis Study Group.

See also:  Quem O Anjo Da Semana?

Montelukast improves symptoms of seasonal allergic rhinitis over a 4-week treatment period. Allergy 2003;58(12):1268-1276.27 Philip G, Williams-Herman D, Patel P, Weinstein SF, Alon A, Gilles L, Tozzi CA, Dass SB, Reiss TF. Efficacy of montelukast for treating perennial allergic rhinitis.

Allergy Asthma Proc.2007 May-Jun;28(3):296-304.28 Patel P, Philip G, Yang W, Call R, Horak F, LaForce C, Gilles L, Garrett G C, Dass S B, Knorr B A and Reiss T F. Randomized, doubleblind, placebo-controlled study of montelukast for treating perennial allergic rhinitis. Ann Allergy Asthma Immunol 2005;95(6): 551-557.

Fonte: Bula do Profissional do Medicamento Singulair ®, Características Farmacológicas

Qual o princípio ativo do Montelair?

O montelucaste de sódio, princípio ativo do MONTELAIR, é um antagonista do receptor de leucotrienos seletivo e ativo por via oral que inibe o receptor de leucotrienos cisteínicos CysLT1.

Quais os efeitos colaterais do montelucaste de sódio?

Política de Cookies Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais Compreendi

Breves Questões Terapêuticas

26 Abril 2022

O montelucaste pode causar reações neuropsiquiátricas. As agências reguladoras consideraram não existir suficiente consciencialização e informação sobre estes riscos. É importante que os profissionais de saúde conheçam estas reações e informem utentes e cuidadores.

O montelucaste é um antagonista dos recetores dos leucotrienos 1,2 indicado como terapêutica adjuvante no tratamento da asma persistente ligeira a moderada, ou na profilaxia da asma cuja componente predominante seja a broncoconstrição induzida pelo exercício.1,3 O tratamento com montelucaste tem sido associado, desde há alguns anos, ao desenvolvimento de reações adversas neuropsiquiátricas.1 O Grupo de Coordenação para o Reconhecimento Mútuo e Descentralizado (CMDh) da Agência Europeia do Medicamento (EMA) e a agência reguladora norte-americana (FDA) confirmaram, recentemente, a existência destes riscos e consideraram não existir suficiente consciencialização sobre os mesmos por parte dos profissionais de saúde, nem adequada transmissão de informação aos utentes e cuidadores.

Em consequência, ambas as agências determinaram a inclusão de advertências adicionais na informação dos medicamentos contendo montelucaste.2,4 Uma revisão efetuada pelo Comité para Avaliação de Riscos em Farmacovigilância (PRAC) deu conta da possível associação de perturbações da fala à terapêutica com montelucaste.

Foram reportados casos de disfemia – gaguez, a maioria dos quais envolvendo crianças com idade inferior a 5 anos. O tempo médio para aparecimento foi relativamente curto – 8 dias, 1,3,4 por vezes em associação a outros eventos neuropsiquiátricos.1 Em mais de metade dos casos os sintomas desapareceram após descontinuação da medicação; 1,3,4 nalguns casos ocorreu o reaparecimento dos sintomas após reexposição ao fármaco, todos em crianças.3,4 Esta revisão endossou também a inclusão na informação dos medicamentos contendo montelucaste de relatos muito raros de sintomas obsessivos-compulsivos, que geralmente ocorreram após um período de tratamento mais prolongado – tempo médio para aparecimento de 61 dias, por vezes em conjunto com outros eventos neuropsiquiátricos.

  1. A maioria dos casos resolveram-se com a interrupção do tratamento.1 A FDA, após revisão da informação disponível, reavaliou os benefícios e riscos do uso do montelucaste e decidiu reforçar as advertências existentes sobre as alterações comportamentais e do humor 2,3 e os reportes de suicídios.
  2. Em alguns casos, os indivíduos tinham comorbilidades ou tomavam outros medicamentos associados a risco aumentado de alterações comportamentais ou autoagressão.5 Em resumo, a reações adversas neuropsiquiátricas do montelucaste incluem: – Pouco frequentes: perturbações do sono, incluindo pesadelos, insónias, sonambulismo; ansiedade, agitação, incluindo comportamento agressivo ou hostilidade; depressão; hiperatividade psicomotora, incluindo irritabilidade, inquietação e tremores.3,6 – Raras: perturbações da atenção, disfunção da memória e tiques.

– Muito raras: alucinações, desorientação, disfemia, ideação e comportamento suicidas, 3 e sintomas obsessivo-compulsivos.1 Caso ocorram reações neuropsiquiátricas, os prescritores deverão ponderar cuidadosamente os riscos e os benefícios de continuar o tratamento, 1,2,6 sendo importante que os profissionais de saúde sigam algumas recomendações: – Estar alerta para a possibilidade de reações adversas neuropsiquiátricas em utentes a tomar montelucaste; 1,2,6 os eventos têm sido reportados em adultos, adolescentes e crianças.1 – Comunicar este risco aos doentes e cuidadores 6 e recomendar a leitura do folheto informativo do medicamento.1,2 – Aconselhar os utentes e os seus cuidadores a procurar aconselhamento médico imediatamente caso ocorra alguma das reações neuropsiquiátricas nele referidas.1,2,6 – Notificar as suspeitas de reações adversas ao sistema de Farmacovigilância.1,2 Referências bibliográficas 1.

Montelukast (Singulair): reminder of the risk of neuropsychiatric reactions. Drug Safety Update.2019 ; 13(2): 4. Disponível em: https://assets.publishing.service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/832681/Sept-2019-PDF.pdf 2. Food and Drug Administration. FDA requires Boxed Warning about serious mental health side effects for asthma and allergy drug montelukast (Singulair); advises restricting use for allergic rhinitis.

Risks may include suicidal thoughts or actions. FDA Drug Safety Communication, 3-4-2020, Disponível em: https://www.fda.gov/media/135840/download 3. Miranda Hidalgo MªR. Montelukast y problemas de seguridad: trastornos neuropsiquiátricos. Portal del Medicamento, 4/05/2020,

Disponível em: https://www.saludcastillayleon.es/portalmedicamento/es/noticias-destacados/destacados/montelukast-problemas-seguridad-trastornos-neuropsiquiatric 4. Co-ordination Group for Mutual Recognition and Decentralised procedures – Human (CMDh). Scientific conclusions and grounds for the variation to the terms of the Marketing Authorisation(s) – Montelukast, March 2019,

Disponível em: https://www.ema.europa.eu/en/documents/psusa/montelukast-cmdh-scientific-conclusions-grounds-variation-amendments-product-information-timetable/00002087/201807_en.pdf 5. In brief: Neuropsychiatric events with montelukast. Med Lett Drugs Ther.2020 May 4 ; 62(1597): 65.

Disponível em: https://secure.medicalletter.org/w1597a 6. Montelukast – Reminder of risk of neuropsychiatric reactions and product information update. HPRA Drug Safety Newsletter. August 2019 : 1. Disponível em: https://www.hpra.ie/docs/default-source/publications-forms/newsletters/hpra-drug-safety-newsletter-edition-94.pdf?sfvrsn=5 A Ordem dos Farmacêuticos disponibiliza informação cientificamente validada sobre medicamentos, dispositivos médicos e outros produtos de saúde, bem como ligações para outras informações de saúde publicadas por fontes idóneas e credíveis.

Este conteúdo foi produzido para profissionais de saúde. Em caso de dúvida, fale sempre com o seu farmacêutico ou médico assistente.

Pode colocar o Montelair no suco?

O medicamento não pode ser diluído em água, sucos ou outros líquidos. Nunca armazene o granulado misturado com comida, fórmula para bebês ou leite materno para uso posterior. Siga a orientação médica e não interrompa o tratamento sem o seu conhecimento.

Onde dissolver o Montelair?

Montelair é indicado para o tratamento de: asma, incluindo a prevenção dos sintomas de asma durante o dia e à noite. Montelair também previne o estreitamento das vias aéreas causado pelo exercício; rinite alérgica, incluindo sintomas diurnos e noturnos como congestão nasal, coriza, coceira nasal e espirros; congestão nasal ao despertar, dificuldade de dormir e despertares noturnos; lacrimejamento, coceira, vermelhidão e inchaço dos olhos.

Este medicamento é contraindicado em caso de alergia a qualquer um de seus componentes (veja o item «Composição»). Tome Montelair uma vez ao dia com ou sem alimentos, como prescrito por seu médico. Para o tratamento de asma, a dose para crianças com idade de 6 meses a 5 anos é de um sachê de 4 mg, diariamente.

Para o tratamento de rinite alérgica, a dose para crianças de 2 a 5 anos de idade é de um sachê de 4 mg, diariamente. Os pacientes com asma devem tomar Montelair diariamente, ao anoitecer. Os pacientes com rinite alérgica devem tomar Montelair uma vez ao dia, conforme a prescrição médica.

Sempre tenha com você medicamentos inalatórios de resgate para o caso de crises de asma. Não tome doses adicionais de Montelair com intervalo menor do que 24 horas desde a dose anterior. É importante continuar tomando Montelair durante o tempo indicado por seu médico, a fim de manter o controle da asma.

Montelair pode tratar a asma apenas se você continuar a tomá-lo. Como devo administrar Montelair para minha criança? Não abra o sachê antes de ler as instruções abaixo. Montelair granulado pode ser administrado: diretamente na boca; dissolvido em uma colher de chá (5 mL) de fórmula para bebês ou leite materno frios ou em temperatura ambiente; misturado com uma colher de alimentação leve (por exemplo, papinha de maçã) fria ou em temperatura ambiente.

  • Misture todo o conteúdo de Montelair granulado em uma colher de alimentação leve e fria ou em temperatura ambiente, ou em uma colher de chá (5 mL) de fórmula para bebês ou leite materno frios ou em temperatura ambiente.
  • Tome cuidado para que a dose inteira esteja misturada com a alimentação, fórmula para bebês ou leite materno.

Tenha certeza de que a criança recebeu todo o conteúdo da colher com o granulado misturado à comida, à fórmula para bebês ou ao leite materno imediatamente após o preparo (até 15 minutos). IMPORTANTE: nunca armazene o granulado misturado com comida, fórmula para bebês ou leite materno para uso posterior.

  1. O granulado de Montelair não foi desenvolvido para ser dissolvido em líquidos que não sejam fórmulas para bebês ou leite materno.
  2. Entretanto, outros líquidos podem ser ingeridos após a administração.
  3. Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
  4. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Qualquer medicamento pode apresentar efeitos inesperados ou indesejáveis, denominados efeitos adversos. Montelucaste de sódio em geral é bem tolerado. Nos estudos, os efeitos adversos mais comumente relatados (entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento) foram dor abdominal, dor de cabeça, sede, diarreia, hiperatividade, asma, descamação, coceira e erupções da pele, usualmente leves e que ocorreram com a mesma frequência em pacientes que tomaram montelucaste de sódio ou placebo (comprimido que não contém medicamento).

Além disso, foram relatados: infecção nas vias aéreas superiores; aumento de tendência a sangramento e número baixo de plaquetas; reações alérgicas (incluindo inchaço da face, lábios, língua e/ou garganta, urticária, coceira e erupção da pele); alterações de comportamento e humor (agitação, inclusive comportamento agressivo ou hostilidade, depressão, desorientação, distúrbio de atenção, anormalidades no sonho, ansiedade, alucinações, insônia, irritabilidade, perda de memória, inquietação, sonambulismo, pensamentos e atos suicidas, tremor e movimentos musculares involuntários); tontura, sonolência, formigamento/dormência e, muito raramente, convulsão; palpitações; sangramento nasal e inflamação dos pulmões; diarreia, dispepsia, náuseas e vômitos; hepatite; hematoma, reações cutâneas graves (eritema multiforme) que podem ocorrer inesperadamente; dor articular, dor muscular e cãibras musculares; incontinência urinária em crianças; fraqueza e cansaço; inchaço; febre.

Informe ao médico se você ou sua criança apresentar qualquer sintoma incomum, ou se algum sintoma conhecido durar muito ou piorar. Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.

Pode usar montelucaste por quanto tempo?

180 dias. Não tomar doses adicionais de do montelucaste com intervalo de menos de 24 horas desde a dose anterior. induzida pelo exercício; ❖ Não deve substituir abruptamente os corticosteroides inalatórios ou orais; ❖ Não existem informações específicas disponíveis sobre o tratamento da superdose.

O que é Montelair 10mg?

O Montelair 10 Mg é indicado para o tratamento da rinite alérgica e asma. O medicamento melhora os sintomas alérgicos, como congestão nasal, coriza, coceira nasal e auxilia na prevenção de crises de asma. Deve ser comprado com apresentação de receita médica.

Quem não pode tomar Montelair?

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação mé- dica ou do cirurgião-dentista. Não se sabe se Montelair é excretado no leite materno. Caso você esteja amamentando ou pretenda amamentar, você deve consultar seu médico antes de tomar Montelair.

Qual remédio substitui Montelair?

Bronsecur 10mg, caixa com 10 comprimidos revestidos.

Precisa de receita para comprar Montelair?

Venda sob prescrição médica.

Qual é o genérico do remédio Montelair?

Montelucaste de Sódio Germed Pharma 5mg, caixa com 10 comprimidos mastigáveis.