Moulin Rouge | Temuco

Consejos | Trucos | Comentarios

O Que Tireoide?

O Que Tireoide

O que é que a tireoide provoca?

A produção excessiva de hormônios tireoidianos pode causar no indivíduo sintomas como insônia, nódulos no pescoço, nervosismo, intestino irregular, perda ou ganho de peso, sensação de calor excessiva, fraqueza muscular.

O que a tireoide faz com a pessoa?

Entenda o que é a tireoide e a importância de ficar atento com seu funcionamento adequado O que é? A Tireoide é uma glândula em forma de borboleta que fica localizada na parte anterior do pescoço, abraçando a traqueia. Os hormônios produzidos por ela (T3 e T4, triiodotironina e tiroxina, respectivamente) agem em nosso corpo e metabolismo desde a nossa formação fetal até a senilidade.

Ou seja, é uma glândula pequena em tamanho e poderosa em função. Conscientização Diante desta importância, e considerando que seu funcionamento inadequado altera a função de vários órgãos vitais, em 2008, a Federação Internacional de Tireoide lançou e estabeleceu, o dia 25 de maio, como sua data comemorativa internacionalmente, com o objetivo de conscientizar a população sobre os problemas da tireoide e seus desafios.

Quando se produz menos. Então, quando a tireoide não está funcionando normalmente, ela pode produzir mais ou menos hormônio. Diante disto, pode-se afirmar que quando a produção é insuficiente, temos o hipotireoidismo, e todo o organismo começa a funcionar lentamente: coração mais devagar, metabolismo mais lento, aumento de peso, constipação intestinal, pele seca, sonolência, falta de concentração e memória, cansaço e às vezes depressão, a fora outras alterações.

Quando a produção de hormônio se encontra aumentada, se instala o hipertireoidismo, e todo o organismo se torna mais acelerado, como o coração que aumenta o número de batimentos podendo apresentar arritmias graves, aumento do número de defecações, pele úmida, muito calor e suor, irritabilidade, mau humor, insônia, tremores, sente-se muito forte ao mesmo tempo cansado, perde peso e dependendo do fator causal pode demonstrar um aumento dos olhos (exoftalmia), a fora, outras alterações.Todavia, tanto o hipotireoidismo como o hipertireoidismo podem causar aumento do volume da tireoide, o que se denomina de bócio, Fase que pode ocorrer

Essas alterações podem ocorrer em qualquer período da vida, desde o nascimento até no idoso, afetando tanto mulheres como homens. Existe tratamento para ambas as alterações. Portanto, este dia e por não dizer a semana do mesmo, sempre é designada pelas Sociedades de Endocrinologia, de todo o mundo, através dos seus departamentos de tireoide como de conscientização populacional e orientação para a busca de ajuda com o profissional específico para seu tratamento, que é o endocrinologista.

O que é tireoide é grave?

A tireoide é grave quando o hipertireoidismo não tratado evolui para uma tempestade tireoidiana, levando a sintomas perigosos e potencialmente fatais. – Quando a tireoide é grave, há sérias implicações que requerem atenção médica imediata. Entender a gravidade da tireoide pode significar a diferença entre a vida e a morte em algumas situações críticas.

Um exemplo clássico de quando a tireoide é perigosa é o diagnóstico tardio ou o tratamento inadequado do hipertireoidismo. Quando a situação é negligenciada, o hipertireoidismo pode evoluir para uma crise tireotóxica ou tempestade tireoidiana, um estado crítico de emergência médica. A tempestade tireoidiana reflete o ápice do perigo da tireoide, e demanda uma resposta médica urgente.

Os sintomas dessa condição, que serve como um alarme para a gravidade da tireoide, incluem febre alta, delírio e até insuficiência cardíaca. O não tratamento imediato desses sintomas pode resultar em consequências fatais, amplificando a urgência em lidar com uma tireoide perigosa.

Apesar disso, é essencial frisar que esses casos extremos são excepcionais, principalmente em pacientes que mantêm um acompanhamento médico regular. Isso reforça a necessidade de exames periódicos para prevenir o desenvolvimento de uma situação em que a tireoide é grave. Todo e qualquer distúrbio na tireoide, mesmo aqueles que não se manifestam de forma grave, podem impactar significativamente a qualidade de vida do indivíduo.

Logo, é crucial prestar atenção aos sintomas e buscar orientação médica sempre que algo parecer fora do comum. Resumidamente, quando a tireoide é grave, é mandatório buscar auxílio médico imediatamente. A proatividade e o cuidado com a saúde são as melhores ferramentas para se proteger dos riscos da tireoide.

Hipertireoidismo não tratado ou diagnosticado tardio: Pode evoluir para uma crise tireotóxica ou tempestade tireoidiana. Crise tireotóxica ou tempestade tireoidiana: Causa febre alta, delírio e pode levar à insuficiência cardíaca. Efeitos na qualidade de vida: Mesmo as alterações não graves na tireoide podem levar a mudanças significativas na qualidade de vida. Negligência de sintomas: Ignorar sintomas pode levar ao agravamento de condições da tireoide, tornando-as perigosas. Ausência de check-ups regulares: A falta de acompanhamento médico regular pode levar ao desenvolvimento de condições graves da tireoide.

Quando a tireoide é preocupante?

Nódulos sólidos maiores que 1 cm, hipoecóicos (mais escuros), com margens irregulares, mais altos que largos e com microcalcificações internas foram considerados suspeitos. O exame Doppler, se mostrar que o fluxo sanguíneo no centro do nódulo é maior do que na periferia, aumenta a suspeita de malignidade.

Quem tem tireoide deve evitar o quê?

Alimentos recomendados para o hipertireoidismo Hipertireoidismo é uma doença endócrina caracterizada pelo excesso de produção de hormônio pela glândula tireoide. Possui sintomas como tremor, palpitações, nervosismo, perda de peso involuntária e variações de humor.

Uma dieta adequada pode fornecer os nutrientes necessários e reduzir os sintomas incômodos do hipertireoidismo. Que alimentos ingerir? Essa dieta deve incluir grãos integrais, proteínas magras e gorduras saldáveis. Frutas, verduras e legumes devem ser os ricos em antioxidantes, tais como morango, kiwi, ameixa vermelha, tomate, espinafre, couve e abóbora.

Também é recomendada uma dieta que contenha ômega 3, presente em alguns peixes, sementes e frutos secos, que pode melhorar a função imunológica e minimizar a inflamação, e alimentos ricos em proteínas tanto animais quanto vegetais. Que alimentos evitar? Deve-se evitar alimentos ricos em sal, gorduras saturadas e carboidratos simples e limitar o consumo de soja e seus derivados, uma vez que estes interferem na atividade hormonal da tireoide.

Qual o tratamento para a tireoide?

Hipotireoidismo | Biblioteca Virtual em Saúde MS O hipotireoidismo é um problema na tireoide (glândula que regula a função de órgãos importantes como o coração, o cérebro, o fígado e os rins), que se caracteriza pela queda na produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina). É mais comum em mulheres, mas pode acometer qualquer pessoa, independente de gênero ou idade, até mesmo recém-nascidos – o chamado hipotireoidismo congênito.

Em recém-nascidos, o hipotireoidismo pode ser diagnosticado através da triagem neonatal, pelo «Teste do Pezinho» que deve ser feito, preferencialmente, entre o terceiro e o sétimo dias de vida do bebê. Em caso de resposta positiva ao hipotireoidismo congênito, o tratamento precisa ser iniciado imediatamente, sob rigoroso controle médico, para evitar suas consequências, entre elas o retardo mental.

Assim, o bebê poderá ficar curado e ter uma vida normal.

Em adultos, na maioria das vezes, o hipotireoidismo é causado por uma inflamação denominada Tireoidite de Hashimoto, podendo, também, ser provocada pela falta ou pelo excesso de iodo na dieta. Sintomas: Depressão, desaceleração dos batimentos cardíacos, intestino preso, menstruação irregular, falhas de memória, cansaço excessivo, dores musculares, pele seca, queda de cabelo, ganho de peso e aumento de colesterol no sangue estão entre os sintomas do hipotieroidismo. Complicações: Se o hipotireoidismo não for corretamente tratado, pode acarretar redução da performance física e mental do adulto, além de elevar os níveis de colesterol, que aumentam as chances de problemas cardíacos. Tratamento:

O tratamento do hipotireoidismo é feito com o uso diário de levotiroxina, na quantidade prescrita pelo médico. Para reproduzir o funcionamento normal da tireoide, a levotiroxina deve ser tomada todos os dias, em jejum (no mínimo meia hora antes do café da manhã), para que a ingestão de alimentos não diminua a sua absorção pelo intestino.

  • Outros medicamentos devem ser ingeriodos pelo menos uma hora após a levotiroxina para não atrapalhar a absorção da mesma.
  • Se estiver usando a medicação regularmente, e dessa forma mantendo os níveis do hormônio dentro dos valores normais, quem tem hipotireoidismo pode levar uma vida saudável, feliz e completamente normal.
See also:  Quanto Tempo O Vulo Fecundado Chega Ao úTero?

IMPORTANTE: Somente médicos e cirurgiões-dentistas devidamente habilitados podem diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo. Dica elaborada em outubro de 2.006 e revisada em janeiro de 2.016.

Quais os riscos que a tireoide pode causar?

De janeiro a outubro, quase 10 mil pacientes passaram a ser acompanhados por médico especialista nas Policlínicas do Município – Após consulta e exames iniciais, o encaminhamento é realizado para a rede especializada, para que seja possível diagnosticar o quadro e definir o tratamento mais adequado (Foto: Alex Costa) Profissionais da Rede Municipal de Saúde de Fortaleza chamam atenção da população para os riscos relacionados aos distúrbios da tireoide, uma glândula presente na região frontal do pescoço e que é responsável pelo equilíbrio do metabolismo no organismo e por diversas funções de órgãos e tecidos do corpo, como temperatura, respiração, dentre outras.

A disfunção da tireoide é um problema endócrino relacionado à alteração dos hormônios no organismo, chamados de T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), podendo comprometer a saúde cardíaca, ciclo menstrual, peso, capacidade de concentração, musculatura, intestino, humor e intensificar sintomas psicológicos, como depressão, ansiedade e insônia.

«A disfunção da tireoide não é uma doença silenciosa, ela expõe diversos sintomas físicos e emocionais que podem facilmente ser confundido com outros fatores, como cansaço e ansiedade, e por isso que é tão importante procurar o posto de saúde mais próximo ao sentir qualquer sinal que esteja interferindo no seu bem-estar pessoal», reforça a endocrinologista da Policlínica Dr.

José Eloy da Costa Filho, Mirella Vasconcelos. A Prefeitura de Fortaleza conta com médicos especialistas em endocrinologia, que realizam o acompanhamento de cada paciente nas Policlínicas do Município. O primeiro passo, em caso de suspeita de alguma disfunção da tireoide, é procurar atendimento na Atenção Primária, em um dos Postos de Saúde do Município.

Após consulta e exames iniciais, o encaminhamento é realizado para a rede especializada, para que seja possível diagnosticar o quadro e definir o tratamento mais adequado. Em Fortaleza, de janeiro a outubro deste ano, 9.863 pacientes foram atendidos e passaram a ser acompanhados periodicamente por médico especialista em endocrinologia em uma das quatro Policlínicas do município: Dr.

  1. José Eloy da Costa Filho, no bairro Bonsucesso, Policlínica Dr.
  2. Lusmar Veras Rodrigues, no bairro Jóquei Clube, Policlínica Dr.
  3. João Pompeu Lopes Randal e Policlínica Dr.
  4. Luiz Carlos Fontenele, ambas no bairro Passaré.
  5. Hipertireoidismo x Hipotireoidismo Existem dois tipos de problemas relacionados à tireoide: o hipertireoidismo, quando há um excesso de produção do hormônio no organismo; e o hipotireoidismo, quando a produção do hormônio é insuficiente.

Na maioria dos casos, a condição se dá a uma resposta inflamatória chamada de Tireoide de Hashimoto, uma doença autoimune, em que o organismo produz anticorpos contra a glândula e diminui a sua capacidade de produção. Para detectar a alteração na glândula, é necessário realizar consulta com um médico endocrinologista, que solicitará exames de sangue, físicos e ultrassonografia da região do pescoço para um diagnóstico mais preciso.

  1. No hipertireoidismo, os principais sintomas são alterações no ritmo cardíaco (arritmia, taquicardia ou palpitações), insônia, sensação de cansaço, ansiedade, perda de peso, dentre outros.
  2. Já nos casos de hipotireoidismo, o paciente apresenta alguns sintomas como sonolência, dores nas articulações, lapsos de memória, depressão, palidez, baixa libido e aumento de peso sem motivo aparente.

As causas são relacionadas a uso de medicamentos, transtornos autoimunes ou de ordem congênita, porém alguns maus hábitos podem prejudicar o equilíbrio da glândula, como sedentarismo, baixa ingestão de iodo, estilo de vida estressante, consumo exagerado de cafeína, tabagismo e baixa ingestão de gorduras saudáveis.

Câncer na tireoide A primeira suspeita para o câncer de tireoide é através do aparecimento de um bócio na região do pescoço, formando um caroço visível na região e que pode vir acompanhado de nódulos, causando desconforto, tosse e rouquidão em alguns casos. O diagnóstico do bócio é feito primeiramente com a avaliação de histórico familiar, seguido de exame de toque e de sangue.

Para detalhes mais específicos, recomenda-se a cintilografia, a ultrassonografia e a biópsia do nódulo. Tratamento No caso do hipotireoidismo, o tratamento envolve a reposição do hormônio T4 (tiroxina) de forma sintética. Já no hipertireoidismo, costuma-se usar medicamentos para interromper os efeitos ou a produção dos hormônios tireoidianos ou a remoção cirúrgica da glândula (total ou parcial).

Em ambos os casos é necessário o acompanhamento a longo prazo. Quando se trata de um câncer da tireoide, o tratamento varia conforme o tipo e estágio do tumor. Pode ainda ser necessária a extração total da glândula, em caso positivo para câncer, e o acompanhamento semestral ou anual, de acordo com a gravidade, durante toda a vida do paciente, com exames regulares e medicação.

«Atualmente, cerca de 30% dos pacientes encaminhados ao endocrinologista têm algum distúrbio da tireoide. Quando o paciente é encaminhado para o especialista, ele é avaliado de acordo com os exames realizados anteriormente e histórico familiar, pois são fatores importantes para o diagnóstico.

Caso haja necessidade, realizamos também exames laboratoriais complementares e de imagem, como a ultrassonografia, na própria Policlínica, sendo assim mais preciso o tratamento indicado para cada um. O paciente também já sai da sua consulta com o retorno agendado e a receita médica. Tudo para que ele se sinta mais seguro e amparado durante o tratamento», reforça Mirella Vasconcelos.

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) estima que 60% da população brasileira venha a desenvolver algum nódulo na tireoide durante a vida, seja criança, adulto ou idoso e sem os cuidados e acompanhamento adequados, as disfunções da tireoide podem agravar o quadro de saúde do paciente, desde o aparecimento de doenças como osteoporose, insuficiência cardíaca, até o acidente vascular cerebral (AVC), no caso do hipertireoidismo, e aumento do colesterol, anemia, dificuldade para engravidar e depressão, para pacientes com hipotireoidismo.

Qual o primeiro sinal de tireoide?

O cansaço contínuo e exagerado, sem motivo que o justifique e acompanhado de desânimo, indisposição e sonolência, são sintomas importantes do hipotireoidismo. Essa condição decorre da redução na produção de hormônios T3 e T4, geralmente, por conta da Tireoidite de Hashimoto (uma disfunção autoimune).

Qual é o primeiro sintoma da tireoide?

Bócio, nódulos e câncer na tireoide – O Bócio consiste no crescimento anormal dá tireoide ou da glândula localizada abaixo dela, o que forma um caroço na região. Muito visível, o bócio vir acompanhado por nódulos. O principal sintoma é o surgimento de irregularidades no pescoço.

    Onde é a dor da tireoide?

    Mito ou verdade: tireoide dói? Verdade! A tireoide pode doer, sim, em algumas situações específicas.

      Mas a grande maioria das doenças da tireoide não provocam dor, como o Hipotireoidismo, Hipertireoidismo e Tireoidite de Hashimoto.A dor ocorre nos seguintes casos:1️⃣ Na Tireoidite aguda:

    É uma rara infecção bacteriana da tireoide, que pode ocorrer em pacientes imunodeprimidos, ou seja, com redução da imunidade, como por exemplo, aqueles em tratamento para câncer. Além da dor, calor e aumento de volume do pescoço, ocorre febre alta.2️⃣ Tireoidite subaguda: Geralmente ocorre durante ou após uma infecção viral.

    Os pacientes se queixam de dor na parte anterior e inferior do pescoço, que fica muito sensível ao toque. Sintomas de hipertireoidismo podem ocorrer, como palpitação, tremores, insônia, agitação e sudorese excessiva. Isso porque com a inflamação da tireoide, ocorre «derramamento» dos hormônios tireoidianos no sangue.

    Inclusive, temos visto vários relatos de tireoidite subaguda durante ou pós Covid no último ano. A tireoidite subaguda, não é a causa mais frequente de dor no pescoço, mas sempre deve ser lembrada diante dessa queixa e adequadamente tratada. Esse post te ajudou? Me conta aí nos comentários.

    Quem tem tireoide vive normal?

    ‘ Fazendo tudo corretamente, o paciente com hipotireoidismo volta a ter uma vida normal ‘, diz a especialista.

    Quais são os alimentos que prejudicam a tireoide?

    Alimentos recomendados para o hipertireoidismo Hipertireoidismo é uma doença endócrina caracterizada pelo excesso de produção de hormônio pela glândula tireoide. Possui sintomas como tremor, palpitações, nervosismo, perda de peso involuntária e variações de humor.

    1. Uma dieta adequada pode fornecer os nutrientes necessários e reduzir os sintomas incômodos do hipertireoidismo.
    2. Que alimentos ingerir? Essa dieta deve incluir grãos integrais, proteínas magras e gorduras saldáveis.
    3. Frutas, verduras e legumes devem ser os ricos em antioxidantes, tais como morango, kiwi, ameixa vermelha, tomate, espinafre, couve e abóbora.

    Também é recomendada uma dieta que contenha ômega 3, presente em alguns peixes, sementes e frutos secos, que pode melhorar a função imunológica e minimizar a inflamação, e alimentos ricos em proteínas tanto animais quanto vegetais. Que alimentos evitar? Deve-se evitar alimentos ricos em sal, gorduras saturadas e carboidratos simples e limitar o consumo de soja e seus derivados, uma vez que estes interferem na atividade hormonal da tireoide.

    Quem tem tireoide leva uma vida normal?

    Hipotireoidismo | Biblioteca Virtual em Saúde MS O hipotireoidismo é um problema na tireoide (glândula que regula a função de órgãos importantes como o coração, o cérebro, o fígado e os rins), que se caracteriza pela queda na produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina). É mais comum em mulheres, mas pode acometer qualquer pessoa, independente de gênero ou idade, até mesmo recém-nascidos – o chamado hipotireoidismo congênito.

    1. Em recém-nascidos, o hipotireoidismo pode ser diagnosticado através da triagem neonatal, pelo «Teste do Pezinho» que deve ser feito, preferencialmente, entre o terceiro e o sétimo dias de vida do bebê.
    2. Em caso de resposta positiva ao hipotireoidismo congênito, o tratamento precisa ser iniciado imediatamente, sob rigoroso controle médico, para evitar suas consequências, entre elas o retardo mental.

    Assim, o bebê poderá ficar curado e ter uma vida normal.

    Em adultos, na maioria das vezes, o hipotireoidismo é causado por uma inflamação denominada Tireoidite de Hashimoto, podendo, também, ser provocada pela falta ou pelo excesso de iodo na dieta. Sintomas: Depressão, desaceleração dos batimentos cardíacos, intestino preso, menstruação irregular, falhas de memória, cansaço excessivo, dores musculares, pele seca, queda de cabelo, ganho de peso e aumento de colesterol no sangue estão entre os sintomas do hipotieroidismo. Complicações: Se o hipotireoidismo não for corretamente tratado, pode acarretar redução da performance física e mental do adulto, além de elevar os níveis de colesterol, que aumentam as chances de problemas cardíacos. Tratamento:

    O tratamento do hipotireoidismo é feito com o uso diário de levotiroxina, na quantidade prescrita pelo médico. Para reproduzir o funcionamento normal da tireoide, a levotiroxina deve ser tomada todos os dias, em jejum (no mínimo meia hora antes do café da manhã), para que a ingestão de alimentos não diminua a sua absorção pelo intestino.

    • Outros medicamentos devem ser ingeriodos pelo menos uma hora após a levotiroxina para não atrapalhar a absorção da mesma.
    • Se estiver usando a medicação regularmente, e dessa forma mantendo os níveis do hormônio dentro dos valores normais, quem tem hipotireoidismo pode levar uma vida saudável, feliz e completamente normal.

    IMPORTANTE: Somente médicos e cirurgiões-dentistas devidamente habilitados podem diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo. Dica elaborada em outubro de 2.006 e revisada em janeiro de 2.016.

    Quando a tireoide pode virar câncer?

    De acordo com o INCA (Instituto Nacional de Câncer) entre as causas mais recorrentes do câncer de tireoide estão: Ter sido submetido à radioterapia do pescoço, mesmo em baixas doses; Histórico de câncer da tireoide na família; Gênero e idade (mais prevalente em mulheres entre os 40 a 50 anos);

    Qual exame fazer para saber se tem tireoide?

    Qual a diferença entre TSH e T4 livre? – Exame de TSH : serve para avaliar a tireoide no sangue e analisar o hormônio que possa estar em excesso causando o hipertireoidismo ou hipotireoidismo. É o exame inicial para investigação de doenças que acometem a tireoide.

    Qual a melhor fruta para a tireoide?

    Alimentos recomendados para o hipertireoidismo Hipertireoidismo é uma doença endócrina caracterizada pelo excesso de produção de hormônio pela glândula tireoide. Possui sintomas como tremor, palpitações, nervosismo, perda de peso involuntária e variações de humor.

    1. Uma dieta adequada pode fornecer os nutrientes necessários e reduzir os sintomas incômodos do hipertireoidismo.
    2. Que alimentos ingerir? Essa dieta deve incluir grãos integrais, proteínas magras e gorduras saldáveis.
    3. Frutas, verduras e legumes devem ser os ricos em antioxidantes, tais como morango, kiwi, ameixa vermelha, tomate, espinafre, couve e abóbora.

    Também é recomendada uma dieta que contenha ômega 3, presente em alguns peixes, sementes e frutos secos, que pode melhorar a função imunológica e minimizar a inflamação, e alimentos ricos em proteínas tanto animais quanto vegetais. Que alimentos evitar? Deve-se evitar alimentos ricos em sal, gorduras saturadas e carboidratos simples e limitar o consumo de soja e seus derivados, uma vez que estes interferem na atividade hormonal da tireoide.

    Quem tem problema de tireoide pode tomar café?

    Alimentos recomendados para o hipertireoidismo Hipertireoidismo é uma doença endócrina caracterizada pelo excesso de produção de hormônio pela glândula tireoide. Possui sintomas como tremor, palpitações, nervosismo, perda de peso involuntária e variações de humor.

    1. Uma dieta adequada pode fornecer os nutrientes necessários e reduzir os sintomas incômodos do hipertireoidismo.
    2. Que alimentos ingerir? Essa dieta deve incluir grãos integrais, proteínas magras e gorduras saldáveis.
    3. Frutas, verduras e legumes devem ser os ricos em antioxidantes, tais como morango, kiwi, ameixa vermelha, tomate, espinafre, couve e abóbora.

    Também é recomendada uma dieta que contenha ômega 3, presente em alguns peixes, sementes e frutos secos, que pode melhorar a função imunológica e minimizar a inflamação, e alimentos ricos em proteínas tanto animais quanto vegetais. Que alimentos evitar? Deve-se evitar alimentos ricos em sal, gorduras saturadas e carboidratos simples e limitar o consumo de soja e seus derivados, uma vez que estes interferem na atividade hormonal da tireoide.

    Quais os riscos que a tireoide pode causar?

    De janeiro a outubro, quase 10 mil pacientes passaram a ser acompanhados por médico especialista nas Policlínicas do Município – Após consulta e exames iniciais, o encaminhamento é realizado para a rede especializada, para que seja possível diagnosticar o quadro e definir o tratamento mais adequado (Foto: Alex Costa) Profissionais da Rede Municipal de Saúde de Fortaleza chamam atenção da população para os riscos relacionados aos distúrbios da tireoide, uma glândula presente na região frontal do pescoço e que é responsável pelo equilíbrio do metabolismo no organismo e por diversas funções de órgãos e tecidos do corpo, como temperatura, respiração, dentre outras.

    A disfunção da tireoide é um problema endócrino relacionado à alteração dos hormônios no organismo, chamados de T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), podendo comprometer a saúde cardíaca, ciclo menstrual, peso, capacidade de concentração, musculatura, intestino, humor e intensificar sintomas psicológicos, como depressão, ansiedade e insônia.

    «A disfunção da tireoide não é uma doença silenciosa, ela expõe diversos sintomas físicos e emocionais que podem facilmente ser confundido com outros fatores, como cansaço e ansiedade, e por isso que é tão importante procurar o posto de saúde mais próximo ao sentir qualquer sinal que esteja interferindo no seu bem-estar pessoal», reforça a endocrinologista da Policlínica Dr.

    1. José Eloy da Costa Filho, Mirella Vasconcelos.
    2. A Prefeitura de Fortaleza conta com médicos especialistas em endocrinologia, que realizam o acompanhamento de cada paciente nas Policlínicas do Município.
    3. O primeiro passo, em caso de suspeita de alguma disfunção da tireoide, é procurar atendimento na Atenção Primária, em um dos Postos de Saúde do Município.

    Após consulta e exames iniciais, o encaminhamento é realizado para a rede especializada, para que seja possível diagnosticar o quadro e definir o tratamento mais adequado. Em Fortaleza, de janeiro a outubro deste ano, 9.863 pacientes foram atendidos e passaram a ser acompanhados periodicamente por médico especialista em endocrinologia em uma das quatro Policlínicas do município: Dr.

    • José Eloy da Costa Filho, no bairro Bonsucesso, Policlínica Dr.
    • Lusmar Veras Rodrigues, no bairro Jóquei Clube, Policlínica Dr.
    • João Pompeu Lopes Randal e Policlínica Dr.
    • Luiz Carlos Fontenele, ambas no bairro Passaré.
    • Hipertireoidismo x Hipotireoidismo Existem dois tipos de problemas relacionados à tireoide: o hipertireoidismo, quando há um excesso de produção do hormônio no organismo; e o hipotireoidismo, quando a produção do hormônio é insuficiente.

    Na maioria dos casos, a condição se dá a uma resposta inflamatória chamada de Tireoide de Hashimoto, uma doença autoimune, em que o organismo produz anticorpos contra a glândula e diminui a sua capacidade de produção. Para detectar a alteração na glândula, é necessário realizar consulta com um médico endocrinologista, que solicitará exames de sangue, físicos e ultrassonografia da região do pescoço para um diagnóstico mais preciso.

    • No hipertireoidismo, os principais sintomas são alterações no ritmo cardíaco (arritmia, taquicardia ou palpitações), insônia, sensação de cansaço, ansiedade, perda de peso, dentre outros.
    • Já nos casos de hipotireoidismo, o paciente apresenta alguns sintomas como sonolência, dores nas articulações, lapsos de memória, depressão, palidez, baixa libido e aumento de peso sem motivo aparente.

    As causas são relacionadas a uso de medicamentos, transtornos autoimunes ou de ordem congênita, porém alguns maus hábitos podem prejudicar o equilíbrio da glândula, como sedentarismo, baixa ingestão de iodo, estilo de vida estressante, consumo exagerado de cafeína, tabagismo e baixa ingestão de gorduras saudáveis.

    Câncer na tireoide A primeira suspeita para o câncer de tireoide é através do aparecimento de um bócio na região do pescoço, formando um caroço visível na região e que pode vir acompanhado de nódulos, causando desconforto, tosse e rouquidão em alguns casos. O diagnóstico do bócio é feito primeiramente com a avaliação de histórico familiar, seguido de exame de toque e de sangue.

    Para detalhes mais específicos, recomenda-se a cintilografia, a ultrassonografia e a biópsia do nódulo. Tratamento No caso do hipotireoidismo, o tratamento envolve a reposição do hormônio T4 (tiroxina) de forma sintética. Já no hipertireoidismo, costuma-se usar medicamentos para interromper os efeitos ou a produção dos hormônios tireoidianos ou a remoção cirúrgica da glândula (total ou parcial).

    1. Em ambos os casos é necessário o acompanhamento a longo prazo.
    2. Quando se trata de um câncer da tireoide, o tratamento varia conforme o tipo e estágio do tumor.
    3. Pode ainda ser necessária a extração total da glândula, em caso positivo para câncer, e o acompanhamento semestral ou anual, de acordo com a gravidade, durante toda a vida do paciente, com exames regulares e medicação.

    «Atualmente, cerca de 30% dos pacientes encaminhados ao endocrinologista têm algum distúrbio da tireoide. Quando o paciente é encaminhado para o especialista, ele é avaliado de acordo com os exames realizados anteriormente e histórico familiar, pois são fatores importantes para o diagnóstico.

    1. Caso haja necessidade, realizamos também exames laboratoriais complementares e de imagem, como a ultrassonografia, na própria Policlínica, sendo assim mais preciso o tratamento indicado para cada um.
    2. O paciente também já sai da sua consulta com o retorno agendado e a receita médica.
    3. Tudo para que ele se sinta mais seguro e amparado durante o tratamento», reforça Mirella Vasconcelos.

    A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) estima que 60% da população brasileira venha a desenvolver algum nódulo na tireoide durante a vida, seja criança, adulto ou idoso e sem os cuidados e acompanhamento adequados, as disfunções da tireoide podem agravar o quadro de saúde do paciente, desde o aparecimento de doenças como osteoporose, insuficiência cardíaca, até o acidente vascular cerebral (AVC), no caso do hipertireoidismo, e aumento do colesterol, anemia, dificuldade para engravidar e depressão, para pacientes com hipotireoidismo.

    Quais são os alimentos que prejudicam a tireoide?

    Alimentos recomendados para o hipertireoidismo Hipertireoidismo é uma doença endócrina caracterizada pelo excesso de produção de hormônio pela glândula tireoide. Possui sintomas como tremor, palpitações, nervosismo, perda de peso involuntária e variações de humor.

    Uma dieta adequada pode fornecer os nutrientes necessários e reduzir os sintomas incômodos do hipertireoidismo. Que alimentos ingerir? Essa dieta deve incluir grãos integrais, proteínas magras e gorduras saldáveis. Frutas, verduras e legumes devem ser os ricos em antioxidantes, tais como morango, kiwi, ameixa vermelha, tomate, espinafre, couve e abóbora.

    Também é recomendada uma dieta que contenha ômega 3, presente em alguns peixes, sementes e frutos secos, que pode melhorar a função imunológica e minimizar a inflamação, e alimentos ricos em proteínas tanto animais quanto vegetais. Que alimentos evitar? Deve-se evitar alimentos ricos em sal, gorduras saturadas e carboidratos simples e limitar o consumo de soja e seus derivados, uma vez que estes interferem na atividade hormonal da tireoide.

    O que fazer para tratar a tireoide?

    Hipotireoidismo | Biblioteca Virtual em Saúde MS O hipotireoidismo é um problema na tireoide (glândula que regula a função de órgãos importantes como o coração, o cérebro, o fígado e os rins), que se caracteriza pela queda na produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina). É mais comum em mulheres, mas pode acometer qualquer pessoa, independente de gênero ou idade, até mesmo recém-nascidos – o chamado hipotireoidismo congênito.

    Em recém-nascidos, o hipotireoidismo pode ser diagnosticado através da triagem neonatal, pelo «Teste do Pezinho» que deve ser feito, preferencialmente, entre o terceiro e o sétimo dias de vida do bebê. Em caso de resposta positiva ao hipotireoidismo congênito, o tratamento precisa ser iniciado imediatamente, sob rigoroso controle médico, para evitar suas consequências, entre elas o retardo mental.

    Assim, o bebê poderá ficar curado e ter uma vida normal.

    Em adultos, na maioria das vezes, o hipotireoidismo é causado por uma inflamação denominada Tireoidite de Hashimoto, podendo, também, ser provocada pela falta ou pelo excesso de iodo na dieta. Sintomas: Depressão, desaceleração dos batimentos cardíacos, intestino preso, menstruação irregular, falhas de memória, cansaço excessivo, dores musculares, pele seca, queda de cabelo, ganho de peso e aumento de colesterol no sangue estão entre os sintomas do hipotieroidismo. Complicações: Se o hipotireoidismo não for corretamente tratado, pode acarretar redução da performance física e mental do adulto, além de elevar os níveis de colesterol, que aumentam as chances de problemas cardíacos. Tratamento:

    O tratamento do hipotireoidismo é feito com o uso diário de levotiroxina, na quantidade prescrita pelo médico. Para reproduzir o funcionamento normal da tireoide, a levotiroxina deve ser tomada todos os dias, em jejum (no mínimo meia hora antes do café da manhã), para que a ingestão de alimentos não diminua a sua absorção pelo intestino.

    Outros medicamentos devem ser ingeriodos pelo menos uma hora após a levotiroxina para não atrapalhar a absorção da mesma. Se estiver usando a medicação regularmente, e dessa forma mantendo os níveis do hormônio dentro dos valores normais, quem tem hipotireoidismo pode levar uma vida saudável, feliz e completamente normal.

    IMPORTANTE: Somente médicos e cirurgiões-dentistas devidamente habilitados podem diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo. Dica elaborada em outubro de 2.006 e revisada em janeiro de 2.016.