Moulin Rouge | Temuco

Consejos | Trucos | Comentarios

Quando Enedina Alves Marques Morreu?

Quando Enedina Alves Marques morreu jovem?

Morte – Enedina morreu em agosto de 1981, aos 68 anos. Ela foi encontrada morta em seu apartamento na Rua Ermelino de Leão, no, vítima de um no dia 27. Pelo estado de decomposição do corpo, acredita-se que ela tenha morrido pelo menos uma semana antes, no dia 20.

No atestado de óbito consta a data de 27 de agosto, mas a estimativa é dia 20. O jornal Diário Popular, tabloide da época, a retratou como uma idosa excêntrica, como se não fosse uma pessoa de importância, o que causou a indignação de membros do Instituto de Engenharia do Paraná. Após o caso, vários artigos ressaltando seus feitos foram publicados pela imprensa.

Enedina não tinha parentes próximos quando morreu. No que se tem registro, nunca se casou e não teve filhos.

Que foi Enedina Alves Marques?

Enedina Marques desafia padrões e revoluciona a engenharia no País 08/03/2023 Primeira mulher a concluir o curso de Engenharia Civil no Paraná e na Região Sul do País e primeira engenheira negra do Brasil, a curitibana Enedina Alves Marques (1913- 1981) desafiou os padrões acadêmicos e sociais da década de 1940 e saiu do anonimato ao escolher uma profissão ocupada preponderantemente por homens.

  • Compartilhando sua história, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) inaugura a editoria Personagens da Construção,
  • O objetivo é mostrar a jornada de alguns heróis da comunidade da construção que executaram e executam ações excepcionais para o setor, com atitudes altruístas para o bem-estar de profissionais da construção civil e a sociedade como um todo.

Sendo assim, a CBIC convida você a entrar no túnel do tempo para revisitar neste 8 de março, Dia Internacional da Mulher, a vida da pioneira Enedina Marques e dar a ela o reconhecimento e a visibilidade necessária por sua representatividade para a Engenharia nacional. Formatura de Enedina, tirada em 1945. Fonte: noticias.plu7.com Com a separação dos seus pais, Paulo Marques e Virgília Alves Marques, Enedina e seus irmãos foram criados na casa da família do delegado e major do Exército, Domingos Nascimento Sobrinho, para quem sua mãe trabalhava como doméstica.

  1. Sua vida educacional foi impactada sócio e economicamente por essa família.
  2. Estudou nos mesmos colégios da filha do militar, por ter a mesma idade da menina.
  3. Ainda criança, no entanto, trabalhou como babá em casas de famílias.
  4. Foi alfabetizada na Escola Particular da Professora Luiza Dorfmund e posteriormente ingressou na Escola Normal.

Trabalhou como professora no interior do estado do Paraná. Quando retornou a Curitiba, para fazer um curso intermediário exigido para o magistério, fixou residência com a família do mestre de obras e empresário da construção civil Mathias Caron. Nessa fase, para complementar seus rendimentos e pagar estudos complementares, Enedina instalou uma escolinha, onde dava aula particular para crianças.

Onde nasceu Enedina Alves Marques?

Quando Enedina Alves Marques Morreu? Enedina Alves Enedina Alves Marques nasceu em Curitiba-PR, em 13 de janeiro de 1913, filha de Paulo Marques e Virgília Alves Marques. Formou-se em Engenharia Civil em 1945 pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), entrando para a história como a primeira mulher a se formar em engenharia no Paraná e a primeira engenheira negra do Brasil.

Filha de doméstica, foi criada na casa da família do delegado e major Domingos Nascimento Sobrinho, para quem sua mãe trabalhava. Enedina tinha a mesma idade da filha de Domingos e, para que pudessem fazer companhia uma a outra, ele a matriculou nos mesmos colégios da filha. Assim, Enedina Alves foi alfabetizada na Escola Particular da Professora Luiza Dorfmund, entre 1925 e 1926.

No ano seguinte, ingressou na Escola Normal, onde permaneceu até 1931. Entre 1932 e 1935, passou a trabalhar como professora no interior do estado. Entre 1935 e 1937, voltou a Curitiba para fazer o curso intermediário (equivalente a um supletivo ginasial, exigido para o magistério).

  1. Em 1938, fez curso complementar em pré-Engenharia e, em 1940, ingressa na Faculdade de Engenharia da Universidade do Paraná, graduando-se em Engenharia Civil no ano de 1945.
  2. Em 1946, tornou-se auxiliar de engenharia na Secretaria de Estado de Viação e Obras Públicas.
  3. No ano seguinte, foi descoberta pelo governador Moisés Lupion, que a transferiu para o Departamento Estadual de Águas e Energia Elétrica.

Trabalhou no Plano Hidrelétrico do Paraná e atuou no aproveitamento das águas dos rios Capivari, Cachoeira e Iguaçu. Para muitos, a Usina Capivari-Cachoeira foi seu maior feito como engenheira. Dentre outras obras, destacam-se o Colégio Estadual do Paraná e a Casa do Estudante Universitário de Curitiba (CEU).

Apesar de vaidosa em sua vida pessoal, durante a obra na Usina ficou conhecida por usar macacão e portar uma arma na cintura para se fazer respeitada. Enérgica e rigorosa, impunha-se sempre, pois, além de ser mulher trabalhando num ambiente majoritariamente ocupado por homens, era negra. Estabelecida no governo e com carreira estruturada, entre os anos 1950 e 1960, Enedina dedicou-se a conhecer o mundo e outras culturas.

Nesse mesmo período, em 1958, o major Domingos faleceu, deixando-a como uma de suas beneficiárias no seu testamento. Sua casa, onde Enedina viveu com a mãe durante a infância, foi desmontada e abriga o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

  1. Em 1962, Enedina se aposentou e recebeu o reconhecimento do governador Ney Braga, que, por decreto, admitiu os feitos da engenheira e lhe garantiu proventos equivalentes ao salário de um juiz.
  2. Enedina faleceu em 1981.
  3. Em 1988, uma importante rua no bairro Cajuru em Curitiba recebeu o seu nome.
  4. No ano de 2000, foi imortalizada no Memorial à Mulher, localizado na capital do Paraná, ao lado de outras 53 mulheres pioneiras do Brasil.

Em 2006, é fundado o Instituto de Mulheres Negras Enedina Alves Marques, em Maringá-PR. Referência: https://pt.wikipedia.org/wiki/Enedina_Alves_Marques https://revistas.ufpr.br

Quem foi a primeira engenheira mulher do mundo?

1. Emily Roebling. Emily Roebling (1843 – 1903) foi uma das primeiras mulheres a se destacar no campo da engenharia.

Quem foi a primeira engenheira negra da NASA?

Publicações – Jackson trabalhando em um painel de controle em 1980

  • Czarnecki, K.R.; Jackson, Mary W. (1958), Effects of Nose Angle and Mach Number on Transition on Cones at Supersonic Speeds (NACA TN 4388), National Advisory Committee for Aeronautics
  • Jackson, Mary W.; Czarnecki, K.R. (1960), Investigation by Schlieren Technique of Methods of Fixing Fully Turbulent Flow on Models at Supersonic Speeds, 242, National Aeronautics and Space Administration
  • Czarnecki, K.R.; Jackson, Mary W. (1961), Effects of Cone Angle, Mach Number, and Nose Blunting on Transition at Supersonic Speeds (NASA TN D-634), NASA Langley Research Center
  • Jackson, Mary W.; Czarnecki, K.R. (1961), Boundary-Layer Transition on a Group of Blunt Nose Shapes at a Mach Number of 2.20 (NASA TN D-932), NASA Langley Research Center
  • Czarnecki, K.R.; Jackson, Mary W.; Monta, William J. (1963), Studies of Skin Friction at Supersonic Speeds (Turbulent Boundary Layer and Skin Friction Data for Supersonic Transports)
  • Jackson, Mary W.; Czarnecki, K.R.; Monta, William J. (1965), Turbulent Skin Friction at High Reynolds Numbers and Low Supersonic Velocities, National Aeronautics and Space Administration
  • Czarnecki, K.R.; Jackson, M.W.; Sorrells, R.B. III (1966), Measurement by wake momentum surveys at Mach 1.61 and 2.01 of turbulent boundary-layer skin friction on five swept wings, National Aeronautics and Space Administration
  • Czarnecki, K.R.; Allen, J.M.; Jackson, M.W. (1967), «Boundary-layer transition on hypersonic-cruise aircraft», National Aeronautics and Space Administration, Conf. On Hypersonic Aircraft Technol
  • Czarnecki, K.R.; Jackson, M.W. (1970), Theoretical pressure distributions over arbitrarily shaped periodic waves in subsonic compressible flow and comparison with experiment, National Aeronautics and Space Administration
  • Czarnecki, K.R.; Jackson, Mary W. (1975). «Turbulent Boundary-Layer Separation due to a Forward-Facing Step». AIAA Journal,13 (12): 1585–1591. Bibcode : 1975AIAAJ.13.1585C, doi : 10.2514/3.60582

Qual foi a primeira engenheira do Brasil?

Quando Enedina Alves Marques Morreu? Enedina Alves Enedina Alves Marques nasceu em Curitiba-PR, em 13 de janeiro de 1913, filha de Paulo Marques e Virgília Alves Marques. Formou-se em Engenharia Civil em 1945 pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), entrando para a história como a primeira mulher a se formar em engenharia no Paraná e a primeira engenheira negra do Brasil.

  1. Filha de doméstica, foi criada na casa da família do delegado e major Domingos Nascimento Sobrinho, para quem sua mãe trabalhava.
  2. Enedina tinha a mesma idade da filha de Domingos e, para que pudessem fazer companhia uma a outra, ele a matriculou nos mesmos colégios da filha.
  3. Assim, Enedina Alves foi alfabetizada na Escola Particular da Professora Luiza Dorfmund, entre 1925 e 1926.

No ano seguinte, ingressou na Escola Normal, onde permaneceu até 1931. Entre 1932 e 1935, passou a trabalhar como professora no interior do estado. Entre 1935 e 1937, voltou a Curitiba para fazer o curso intermediário (equivalente a um supletivo ginasial, exigido para o magistério).

  1. Em 1938, fez curso complementar em pré-Engenharia e, em 1940, ingressa na Faculdade de Engenharia da Universidade do Paraná, graduando-se em Engenharia Civil no ano de 1945.
  2. Em 1946, tornou-se auxiliar de engenharia na Secretaria de Estado de Viação e Obras Públicas.
  3. No ano seguinte, foi descoberta pelo governador Moisés Lupion, que a transferiu para o Departamento Estadual de Águas e Energia Elétrica.

Trabalhou no Plano Hidrelétrico do Paraná e atuou no aproveitamento das águas dos rios Capivari, Cachoeira e Iguaçu. Para muitos, a Usina Capivari-Cachoeira foi seu maior feito como engenheira. Dentre outras obras, destacam-se o Colégio Estadual do Paraná e a Casa do Estudante Universitário de Curitiba (CEU).

  1. Apesar de vaidosa em sua vida pessoal, durante a obra na Usina ficou conhecida por usar macacão e portar uma arma na cintura para se fazer respeitada.
  2. Enérgica e rigorosa, impunha-se sempre, pois, além de ser mulher trabalhando num ambiente majoritariamente ocupado por homens, era negra.
  3. Estabelecida no governo e com carreira estruturada, entre os anos 1950 e 1960, Enedina dedicou-se a conhecer o mundo e outras culturas.

Nesse mesmo período, em 1958, o major Domingos faleceu, deixando-a como uma de suas beneficiárias no seu testamento. Sua casa, onde Enedina viveu com a mãe durante a infância, foi desmontada e abriga o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

  • Em 1962, Enedina se aposentou e recebeu o reconhecimento do governador Ney Braga, que, por decreto, admitiu os feitos da engenheira e lhe garantiu proventos equivalentes ao salário de um juiz.
  • Enedina faleceu em 1981.
  • Em 1988, uma importante rua no bairro Cajuru em Curitiba recebeu o seu nome.
  • No ano de 2000, foi imortalizada no Memorial à Mulher, localizado na capital do Paraná, ao lado de outras 53 mulheres pioneiras do Brasil.

Em 2006, é fundado o Instituto de Mulheres Negras Enedina Alves Marques, em Maringá-PR. Referência: https://pt.wikipedia.org/wiki/Enedina_Alves_Marques https://revistas.ufpr.br

Quem foi Edna Alves?

Formou-se em Engenharia Civil em 1945 pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), entrando para a história como a primeira mulher a se formar em engenharia no Paraná e a primeira engenheira negra do Brasil.

Quem são os engenheiros?

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Engenheiro é um profissional de engenharia, preocupado com a aplicação do conhecimento científico, matemático e da criatividade para desenvolver soluções para problemas técnicos. Engenheiros projetam materiais, estruturas e sistemas, considerando as limitações impostas pela praticidade, regulamentação, segurança e custo.

  1. É uma pessoa com formação técnico-científica que o torna capaz de resolver problemas tecnológicos, práticos e muitas vezes complexos, ligados à concepção, realização e implementação de produtos, sistemas ou serviços.
  2. A palavra «engenheiro» possui raízes no latim e é derivada de ingeniare («inventar») e ingenium («inteligência»).

O engenheiro pode atuar dentro de várias especialidades, dentre elas: Aeronáutica, Agrimensura, Agronomia, Alimentar, Ambiente, Civil, Computação, Software, Controle e Automação, Elétrica, Mecânica, Mineração, Produção, Química, Telecomunicações, Naval, entre outras.

O que tem no curso de Engenharia Civil?

Durante a faculdade de Engenharia Civil, os estudantes serão submetidos a conteúdos teóricos, aulas práticas, provas, além de realização de projetos. Os alunos aprenderão assuntos gerais da área de ciências exatas como: Álgebra Linear, Cálculo, Física, Química Aplicada e outras relacionadas.

Qual foi a primeira engenheira negra do Brasil?

Enedina Alves Marques, a primeira mulher a se formar em engenharia no Paraná e a primeira engenheira negra do Brasil, completaria hoje (13) 110 anos. Enedina nasceu em Curitiba, no dia 13 de janeiro de 1913. Formou-se em Engenharia Civil em 1945, pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). «O pioneirismo de Enedina inspira até hoje a presença de mulheres negras em profissões ligadas à tecnologia», disse a UFPR. De acordo com a universidade, a dedicação aos estudos e «a coragem para romper barreiras são características presentes na história da engenheira».

A biografia de Enedina, que em 1940 buscou inserir-se em uma área profissional ocupada majoritariamente por homens, foi tema do trabalho de conclusão do curso de história na UFPR do estudante Jorge Luiz Santana. O estudante diz, em artigo, que escolheu escrever sobre ela porque havia poucos registros até então.

«O silenciamento do seu nome incentivou a pesquisa a problematizar o porquê do desinteresse em dar visibilidade a uma pessoa que desafiou os padrões acadêmicos e sociais escolhendo uma profissão pouco usual para as mulheres, naquele momento. O fato de ser negra e originária de uma família pobre teria sido relevante para que ela permanecesse no anonimato?», questiona.

  1. Enedina é filha de um lavrador e uma empregada doméstica.
  2. Na pesquisa, Santana conversou com várias pessoas ligadas de alguma forma à Enedina.
  3. Um dos primeiros relatos é o da formatura de Enedina.
  4. Sua formatura foi marcada, essencialmente, como um feito de grande curiosidade para a sociedade curitibana, pelo fato de ter conseguido transpor um espaço hegemonicamente masculino e branco».

Ela graduou-se aos 32 anos de idade, após persistir nos estudos, geralmente em classes noturnas, para conciliá-los com o trabalho. Santana lembra que ela sofreu preconceito e perseguições na universidade. Havia professores que insistiam em reprová-la. Em um dos episódios em que recebeu nota baixa em avaliação, ela precisou mostrar ao professor o trecho que usou na resposta, tirada do livro do próprio professor.

Eu disse, que o que o senhor escreveu no seu livro, é o mesmo que eu vejo aqui. E aí ele não gostou. Ela mostrou no livro o que eu deduzi lá no quadro, e a conclusão que eu cheguei estão escritos aqui no seu livro», revelou em depoimento o que Enedina disse ao professor o colega de faculdade Adelino Alves da Silva, que foi a quarta pessoa negra a se diplomar no curso de engenharia da Escola de Engenharia do Paraná, em 1947.

Em artigo, Conradine Taggesell, a sexta mulher diplomada em engenheira civil, em 1956, descreve o cenário para as mulheres na época. «Éramos uns 80 alunos e apenas três mulheres. Apenas eu de mulher me formei naquela turma, as outras duas colegas infelizmente desistiram.

See also:  Onde Comprar Criptomoedas?

Qual o valor de um salário de um engenheiro?

Você sabia que existem no Brasil mais de 600 mil engenheiros atualmente e, todos os anos, 40 mil pessoas se formam na área? Essas são estimativas do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea) que demonstram como essa é uma profissão que cresce no país.

Qual é a mãe de todas as engenharias?

Engenharia Civil – Podemos chamar a engenharia civil como a mãe de todas as engenharias, a primeira e certamente uma das que mais de destacam. A profissão de engenheiro civil se adaptou ao tempo e ganhou novas atribuições com o passar do tempo. Agora, além de ser responsável pelo projeto e gestão de prédios, pontes, casas, viadutos, estradas e todo tipo de construções, o engenheiro civil também é responsável por estudos específicos na área de obras, como a sustentabilidade da obra, as condições do solo, projetos de ventilação e até mesmo pensar na contribuição das grandes obras para as cidades e as pessoas.

Se você gosta de obras e todos o tipo de projeto relacionado a elas, a engenharia civil é a sua praia! Existem muitas outras áreas da engenharia, todas interessantes e focadas sempre no desenvolvimento e gestão de projetos. Por isso, se você gosta de exatas e principalmente de colocar a mão na massa, pesquise sobre as opções disponíveis no mercado relacionadas às áreas que tem mais afinidade.

Se ainda estiver na dúvida, venha conhecer os cursos de engenharia da UCDB ! Aqui você vai encontrar professores e alunos sempre dispostos a ajudar, que podem dar as respostas que você precisa para entrar de cabeça na engenharia!

Qual é o valor do salário de um engenheiro?

O salário médio de um Engenheiro Civil no Brasil é de R$ 6.815,10.

Quem foram as três cientistas negras da NASA?

O nome de Mary Jackson, a primeira engenheira negra da Nasa e uma das inspirações do livro «Estrelas Além do Tempo» adornará oficialmente a sede da agência em Washington nesta sexta (26). A Nasa anunciou a decisão de nomear o prédio em homenagem a ela no ano passado. Receba, em primeira mão, as principais notícias da CNN Brasil no seu WhatsApp! Inscrever-se O evento está marcado para as 15h no horário de Brasília e será transmitido ao vivo no site, aplicativo e redes sociais da Nasa. Jackson foi funcionária da Nasa por 34 anos, começando como matemática de pesquisas e, eventualmente, se tornou a primeira mulher engenheira da agência.

Depois, ela migrou para a parte administrativa e trabalhou no Gabinete por Oportunidades Iguais, liderando programas que influenciaram na contratação e promoção de mulheres matemáticas, engenheiras e cientistas. Em 2019, Jackson foi condecorada postumamente com a Medalha de Ouro Congressional, a maior honra civil do país.

As colegas negras dela no Centro de Pesquisa Langley da Nasa, em Virgínia —Christine Darden, Katherine Johnson e Dorothy Vaughan— também receberam a honraria. Sede da Nasa em Washington, que receberá o nome de Mary W. Jackson Foto: Divulgação/Nasa A carreira dela foi retratada no livro «Estrelas Além do Tempo», que foi adaptado em 2016 para um filme com o mesmo nome, estrelando Janelle Monaé no papel de Jackson e detalhando as contribuições de mulheres negras para o início dos voos espaciais.

As mulheres eram chamadas de «computadores humanos», que faziam os cálculos complexos que possibilitaram as viagens espaciais. Elas tiveram papéis principais nos testes de aeronaves da 2ª Guerra Mundial, na pesquisa de voos supersônicos e no envio das sondas Voyager para exploração do Sistema Solar. Elas também ajudaram na aterrissagem do primeiro homem na Lua, em 1969.

«As instalações da Nasa em todo o país recebem os nomes de pessoas que dedicaram suas vidas para expandir as fronteiras da indústria aerosespacial. A nação está começando a perceber a necessidade crescente de honrar toda a diversidade de pessoas que tornaram nossa grande nação pioneira», disse o ex-administrador da Nasa Jim Bridenstine num comunicado à imprensa no ano passado, anunciando os planos de renomeação.

Qual foi a luta de Mary Jackson para ser respeitada pela NASA?

8 de março de 2018 Quando Enedina Alves Marques Morreu? Em homenagem ao dia Internacional da Mulher, a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) vai mostrar, ao longo do mês de março, algumas mulheres que fizeram e continuam a fazer parte do desenvolvimento científico, social e tecnológico. Estas grandes pensadoras mostradas na campanha são exemplos de como a mulher, mesmo com possibilidades limitadas por sociedades opressoras, foram fundamentais para evolução da humanidade.

Na mitologia grega, a sabedoria e as artes eram os domínios de Palas Atena, a imponente deusa nascida da cabeça de Zeus e cultuada do Mediterrâneo à África. Curiosamente, na cidade batizada em sua homenagem, suas filhas não podiam frequentar a ágora ou participar dos debates públicos: desde muito cedo, a ciência era terreno dos homens, e mantida assim com muito apego.

Desde o tempo das mulheres de Atenas, pensadoras e cientistas enfrentaram diversas oposições para ocupar seu espaço nos laboratórios e nas Universidades. Nesta campanha, vamos lembrar algumas das mulheres que fizeram história — com seus feitos na Ciência e com suas próprias trajetórias — e homenagear aquelas que, na UFJF, continuam a fazer. Quando Enedina Alves Marques Morreu? «Meu trabalho está só começando, ainda tenho muita luta pela frente». Zélia é física, colabora com a Nasa e desenvolve novos materiais, especialmente vidros. (Fotos: Gabriel Kern) Luta histórica Desafiando a segregação racial nos EUA e a desconsideração de seus colegas homens — durante sua época, era incomum que pesquisadoras assinassem artigos em periódicos, por exemplo –, Mary Jackson (1921 – 2005) foi a primeira engenheira negra a trabalhar na NASA.

Uma das cientistas representadas no filme Estrelas Além do Tempo (2016), Mary atuou como ativista, incentivando outras mulheres negras a adentrar a carreira científica. Quase uma década após o falecimento da pesquisadora, Zélia Ludwig — física, professora do Instituto de Ciências Exatas da UFJF, e colaboradora da NASA na construção de uma plataforma lunar — fundou a página » Mulher, Ciência e Sociedade «, buscando divulgar estatísticas da presença feminina na Academia.

Mulher negra, Zélia passou a pesquisar mais intensamente a trajetória das mulheres na carreira científica. Visitando escolas e ministrando palestras, a professora busca incentivar mais meninas a seguirem no campo das Ciências Exatas, além de oferecer ferramentas «para lidar com o machismo na Academia, para lutar contra a desigualdade, o assédio e o preconceito de todo tipo».

  • Mesmo vislumbrando os avanços da presença feminina na ciência, Zélia aponta que ainda existe um caminho longo a ser trilhado.
  • Cansada das injustiças pelas quais vinha passando e vendo outras meninas enfrentando situações similares, decidi investir no estudo da temática do feminismo científico, lutar contra a desigualdade, o assédio e o preconceito de todo tipo dentro da academia».

«Meu trabalho está só começando. Ainda tenho muita luta pela frente, para que nossas informações possam ser contadas para essa e para outras gerações. Para que nosso trabalho não se perca, abafado em meio aos espinhos, mas que sirva de incentivo para outras meninas e mulheres,» comenta Zélia. Quando Enedina Alves Marques Morreu? «Conquistar o respeito profissional era uma luta diária». Márcia é Administradora de Empresas deixou a iniciativa privada para se dedicar a pesquisa e transferir o conhecimento por meio da docência. (Foto: Gabriel Kern) Para Ada Lovelace (1815 – 1852), a primeira programadora da história, a pesquisa começou ainda cedo, incentivada por sua mãe (também estudiosa da matemática).

Convidada para trabalhar com o cientista Charles Babbage — inventor da máquina analítica –, aos 28 anos de idade, Ada publicou uma série de notas, descrevendo o funcionamento dessa tecnologia e propondo suas aplicações. Em 1953 — mais de um século após seu falecimento — pesquisadores reconheceram suas publicações, onde encontraram conceitos similares aos softwares e aos cartões perfuráveis (utilizados por programadores nos primórdios da computação do século XX).

A máquina nunca foi construída, porém as ideias para a tecnologia serviram de base para a programação moderna. Já para a professora da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis da UFJF, Márcia Cristina Machado, a paixão pela ciência não aconteceu à primeira vista.

Sem pretensões de seguir a carreira acadêmica, ainda durante a graduação, ela começou a trabalhar como administradora em uma empresa multinacional, ocupando outro espaço tradicionalmente masculino. Esse aprendizado prático, que mais tarde contribuiria para sua atuação como professora e pesquisadora, veio acompanhado de problemas.

«Duas foram as razões que me levaram a desistir da carreira empresarial e buscar novos rumos. Primeira, sentia-me limitada na busca de novos conhecimentos; descobri que gostava mesmo era de estudar.» A segunda, conta a professora, era a dificuldade de ser mulher no ambiente de negócios da década de 1980.

  1. Conquistar o respeito profissional era uma luta diária e as brincadeiras maldosas, comuns.
  2. Enfim, cansei e resolvi voltar a estudar.
  3. Pedi demissão e fui fazer mestrado, o que acabou sendo um marco na minha jornada.
  4. Descobri a paixão pela carreira acadêmica e não deixei mais de estudar.» Docente da UFJF desde 2002, Márcia atualmente pesquisa estratégia em pequenas empresas e gestão de escolas públicas, e aponta que o principal impacto de seu trabalho se dá através dos alunos: «Acho que há uma difusão de conhecimento através deles e procuro sempre compartilhar os resultados atualizados, adquiridos em pesquisa».

«O ambiente da Universidade, particularmente o da UFJF, me permitiu descortinar duas condições fundamentais: a realização profissional através da docência e da pesquisa e ser respeitada pelo que sou e faço. Quando comecei aqui, era talvez a única professora no departamento de ciências administrativas e isso nunca foi um problema.

Quem descobriu a NASA?

Referências –

  1. ↑ «NASA stands «for the benefit of all. — Interview with NASA’s Dr. Süleyman Gokoglu», The Light Millennium, Consultado em 7 de novembro de 2018
  2. ↑ «US Centennial of Flight Commission – NACA», Centennialofflight.net, Consultado em 7 de novembro de 2018
  3. ↑ «Workforce Profile», NASA, Consultado em 7 de novembro de 2018
  4. ↑ «Trump, Congress approve largest U.S. research spending increase in a decade», Science AAAS.23 de março de 2018, Consultado em 7 de novembro de 2018
  5. ↑ «Vice President Harris Swears in NASA Administrator Sen. Bill Nelson»,3 de maio de 2021, Consultado em 5 de maio de 2021
  6. ↑ Dunbar, Brian (26 de janeiro de 2015). «What’s Next For NASA?», NASA (em inglês), Consultado em 16 de novembro de 2022
  7. ↑ Osbourn, Christopher (24 de junho de 2015). «National Aeronautics and Space Act», NASA, Consultado em 16 de novembro de 2022
  8. ↑ Ir para: a b c d Bilstein, Roger E. (1996). Lucas, William R., ed. FROM NACA TO NASA, Stages to Saturn: A Technological History of the Apollo/Saturn Launch Vehicles, : NASA. pp.32–33. ISBN 0160042593, Consultado em 27 de maio de 2009
  9. ↑ Netting, Ruth. Earth Arquivado em 16 de julho de 2009, no Wayback Machine, NASA Science. June 30, 2009
  10. ↑ Netting, Ruth. Heliophysics Arquivado em 16 de julho de 2009, no Wayback Machine, NASA Science, January 8, 2009
  11. ↑ Netting, Ruth. Planets Arquivado em 20 de junho de 2011, no Wayback Machine, NASA Science, July 15, 2009
  12. ↑ Netting, Ruth. Astrophysics Arquivado em 16 de julho de 2009, no Wayback Machine, NASA Science, July 13, 2009
  13. ↑ Launius, Roger D. (agosto de 2010). «An unintended consequence of the IGY: Eisenhower, Sputnik, the Founding of NASA», ScienceDirect (em inglês), Consultado em 6 de setembro de 2023
  14. ↑ Ir para: a b Erickson, Mark. Into the Unknown Together – The DOD, NASA, and Early Spaceflight, Air University Press, 2005
  15. ↑ Garber, Steve (10 de outubro de 2007). «Explorer-I and Jupiter-C», NASA, Consultado em 15 de julho de 2009
  16. ↑ Ir para: a b c «T. KEITH GLENNAN», NASA.4 de agosto de 2006, Consultado em 15 de julho de 2009
  17. ↑ von Braun, Werner (1963). «Recollections of Childhood: Early Experiences in Rocketry as Told by Werner Von Braun 1963», MSFC History Office, NASA Marshall Space Flight Center, Consultado em 15 de julho de 2009
  18. ↑ Van Atta, Richard (10 de abril de 2008). «50 years of Bridging the Gap» (PDF), Consultado em 15 de julho de 2009, Arquivado do original (PDF) em 24 de fevereiro de 2009
  19. ↑ Verger, Rob (23 de junho de 2023). «NASA kills its electric plane’s flight plan, citing safety concerns», Popular Science (em inglês), Consultado em 6 de setembro de 2023
  20. ↑ Boyle, Alan (17 de junho de 2016). «NASA gets first official X-plane in a decade: Electric craft named X-57 Maxwell», GeekWire (em inglês), Consultado em 6 de setembro de 2023
  21. ↑ Ir para: a b Wilson, Jim (8 de janeiro de 2015). «NASA Missions A-Z», NASA, Consultado em 16 de novembro de 2022
  22. ↑ «X-15 launch from B-52 mothership», Armstrong Flight Research Center.6 de fevereiro de 2002. Photo E-4942, Consultado em 30 de agosto de 2021, Cópia arquivada em 27 de maio de 2021
  23. ↑ Aircraft Museum X-15.» Arquivado em 2011-09-21 no Wayback Machine Aerospaceweb.org, 24 de novembro de 2008.
  24. ↑ Ir para: a b NASA, X-15 Hypersonic Research Program Arquivado em 2018-10-07 no Wayback Machine, acessado em 17 de outubro de 2011
  25. ↑ Aerospaceweb, North American X-15 Arquivado em 2011-09-21 no Wayback Machine, Aerospaceweb.org. acessado em 3 de novembro de 2011.
  26. ↑ «This New Ocean: A History of Project Mercury», www.hq.nasa.gov, Consultado em 16 de novembro de 2022
  27. ↑ Grimwood, James M. (1977). «10-1 The Last Hurdle», In: Woods, David; Gamble, Chris. On the Shoulders of Titans: A History of Project Gemini (url), Published as NASA Special Publication-4203 in the NASA History Series, : NASA. ISBN 0160671574, Consultado em 14 de julho de 2009
  28. ↑ Grimwood, James M. (1977). «12-5 Two Weeks in a Spacecraft», In: Woods, David; Gamble, Chris. On the Shoulders of Titans: A History of Project Gemini (url), Published as NASA Special Publication-4203 in the NASA History Series, : NASA. ISBN 0160671574, Consultado em 14 de julho de 2009
  29. ↑ Grimwood, James M. (1977). «13-3 An Alternative Target», In: Woods, David; Gamble, Chris. On the Shoulders of Titans: A History of Project Gemini (url), Published as NASA Special Publication-4203 in the NASA History Series, : NASA. ISBN 0160671574, Consultado em 14 de julho de 2009
  30. ↑ «The Decision to Go to the Moon: President John F. Kennedy’s May 25, 1961 Speech before Congress», history.nasa.gov, Consultado em 3 de junho de 2020, Cópia arquivada em 23 de maio de 2020
  31. ↑ John F. Kennedy «Landing a man on the Moon» Address to Congress no YouTube, speech
  32. ↑ Butts, Glenn; Linton, Kent (28 de abril de 2009). «The Joint Confidence Level Paradox: A History of Denial, 2009 NASA Cost Symposium» (PDF), pp.25–26, Consultado em 23 de dezembro de 2021, Cópia arquivada (PDF) em 26 de outubro de 2011
  33. ↑ Nichols, Kenneth David (1987). The Road to Trinity: A Personal Account of How America’s Nuclear Policies Were Made, pp 34–35, Nova York: William Morrow and Company. ISBN 978-0-688-06910-0, OCLC 15223648
  34. ↑ «Saturn V», Encyclopedia Astronautica, Consultado em 13 de outubro de 2011, Cópia arquivada em 7 de outubro de 2011
  35. ↑ «Apollo 8: The First Lunar Voyage», NASA, Consultado em 13 de outubro de 2011, Cópia arquivada em 27 de outubro de 2011
  36. ↑ Siddiqi, Asif A. (2003). The Soviet Space Race with Apollo, : Gainesville: University Press of Florida. pp.654–656. ISBN 978-0-8130-2628-2
  37. ↑ «Apollo 9: Earth Orbital trials», NASA, Consultado em 13 de outubro de 2011, Cópia arquivada em 27 de outubro de 2011
  38. ↑ «Apollo 10: The Dress Rehearsal», NASA, Consultado em 13 de outubro de 2011, Cópia arquivada em 27 de outubro de 2011
  39. ↑ «The First Landing», NASA, Consultado em 13 de outubro de 2011, Cópia arquivada em 27 de outubro de 2011
  40. ↑ Chaikin, Andrew (16 de março de 1998). A Man on the Moon, Nova York: Penguin Books. ISBN 978-0-14-027201-7, Consultado em 28 de setembro de 2020, Cópia arquivada em 16 de dezembro de 2019
  41. ↑ The Phrase Finder: Arquivado em 2011-09-24 no Wayback Machine, a giant leap for mankind, acessado em 1 de outubro de 2011
  42. ↑ Ir para: a b c Belew, Leland F., ed. (1977). Skylab Our First Space Station—NASA report (PDF), : NASA. NASA-SP-400, Consultado em 15 de julho de 2009, Cópia arquivada (PDF) em 17 de março de 2010
  43. ↑ Ir para: a b Benson, Charles Dunlap and William David Compton. Living and Working in Space: A History of Skylab Arquivado em 2015-11-05 no Wayback Machine, NASA publication SP-4208.
  44. ↑ Gatland, Kenneth (1976). Manned Spacecraft, Second Revision, Nova York: Macmillan Publishing Co., Inc.p.247. ISBN 978-0-02-542820-1
  45. ↑ Ir para: a b Hollingham, Richard (8 de setembro de 2013). «Why the United States needs to work with China in space», BBC Future (em inglês), Consultado em 17 de julho de 2022
  46. ↑ Grinter, Kay (23 de abril de 2003). «The Apollo Soyuz Test Project», Consultado em 15 de julho de 2009, Cópia arquivada em 25 de julho de 2009
  47. ↑ NASA, Shuttle-MIR history Arquivado em 2018-10-07 no Wayback Machine, acessado em 15 de outubro de 2011
  48. ↑ Adam Mann, Callum McKelvie (8 de julho de 2022). «What was the space race? Origins, events and timeline», Space.com (em inglês), Consultado em 17 de julho de 2022
  49. ↑ Encyclopedia Astronautica, Vostok 1 Arquivado em 2011-10-28 no Wayback Machine, acessado em 18 de outubro de 2011
  50. ↑ Ir para: a b NASA, Shuttle Basics Arquivado em 2018-10-07 no Wayback Machine, acessado em 18 de outubro de 2011
  51. ↑ Encyclopedia Astronautica, Shuttle Arquivado em 2004-04-07 no Wayback Machine, acessado em 18 de outubro de 2011
  52. ↑ Encyclopedia Astronautica, Spacelab Arquivado em 2011-10-11 no Wayback Machine, Acessado em 20 de outubro de 2011
  53. ↑ Spaceflight, Kim Ann Zimmermann 2018-01-19T02:02:00Z (19 de janeiro de 2018). «Sally Ride: First American Woman in Space», Space.com (em inglês), Consultado em 8 de março de 2019, Cópia arquivada em 8 de março de 2019
  54. ↑ Encyclopedia Astronautica, HST Arquivado em 2011-08-18 na WebCite, Acessado em 20 de outubro de 2011
  55. ↑ Ir para: a b Watson, Traci (8 de janeiro de 2008). «Shuttle delays endanger space station», USA Today, Consultado em 15 de julho de 2009, Cópia arquivada em 26 de março de 2009
  56. ↑ «NASA’s Last Space Shuttle Flight Lifts Off From Cape Canaveral», KHITS Chicago.8 de julho de 2011. Cópia arquivada em 14 de julho de 2011
  57. ↑ «Human Spaceflight and Exploration—European Participating States», Agência Espacial Europeia,2009, Consultado em 17 de janeiro de 2009, Cópia arquivada em 8 de agosto de 2012
  58. ↑ Gary Kitmacher (2006). Reference Guide to the International Space Station, Apogee Books Space Series, Canada: Apogee Books, pp.71–80. ISBN 978-1-894959-34-6, ISSN 1496-6921
  59. ↑ Catchpole 2008, p.1-2.
  60. ↑ Ir para: a b «ISS Intergovernmental Agreement», Agência Espacial Europeia.19 de abril de 2009, Consultado em 19 de abril de 2009, Cópia arquivada em 10 de junho de 2009
  61. ↑ «Memorandum of Understanding Between the National Aeronautics and Space Administration of the United States of America and the Russian Space Agency Concerning Cooperation on the Civil International Space Station», NASA.29 de janeiro de 1998, Consultado em 19 de abril de 2009, Cópia arquivada em 10 de junho de 2009
  62. ↑ Zak, Anatoly (15 de outubro de 2008). «Russian Segment: Enterprise», RussianSpaceWeb, Consultado em 4 de agosto de 2012, Cópia arquivada em 20 de setembro de 2012
  63. ↑ «ISS Fact sheet: FS-2011-06-009-JSC» (PDF), NASA.2011, Consultado em 2 de setembro de 2012, Cópia arquivada (PDF) em 10 de maio de 2013
  64. ↑ «MCB Joint Statement Representing Common Views on the Future of the ISS» (PDF), International Space Station Multilateral Coordination Board.3 de fevereiro de 2010, Consultado em 16 de agosto de 2012, Cópia arquivada (PDF) em 16 de novembro de 2012
  65. ↑ Leone, Dan (20 de junho de 2012). «Wed, 20 June, 2012 NASA Banking on Commercial Crew To Grow ISS Population», Space News, Consultado em 1 de setembro de 2012, Cópia arquivada em 5 de janeiro de 2013
  66. ↑ «Nations Around the World Mark 10th Anniversary of International Space Station», NASA.17 de novembro de 2008, Consultado em 6 de março de 2009, Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2009
  67. ↑ Boyle, Rebecca (11 de novembro de 2010). «The International Space Station Has Been Continuously Inhabited for Ten Years Today», Popular Science, Consultado em 1 de setembro de 2012, Cópia arquivada em 18 de março de 2013
  68. ↑ International Space Station Arquivado em 2009-02-24 no Wayback Machine, acessado em 20 de outubro de 2011
  69. ↑ Chow, Denise (17 de novembro de 2011). «U.S. Human Spaceflight Program Still Strong, NASA Chief Says», Space.com, Consultado em 2 de julho de 2012, Cópia arquivada em 25 de junho de 2012
  70. ↑ Potter, Ned (17 de julho de 2009). «Space Shuttle, Station Dock: 13 Astronauts Together», ABC News, Consultado em 7 de setembro de 2012, Cópia arquivada em 30 de junho de 2017
  71. ↑ «NASA Astronauts Spacewalk Outside the International Space Station on Oct.18», NASA.18 de outubro de 2019, Consultado em 18 de outubro de 2019, Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2020 – via YouTube
  72. ↑ «Voor het eerst maakt vrouwelijk duo ruimtewandeling bij ISS», nu.nl (em neerlandês).18 de outubro de 2019, Consultado em 18 de janeiro de 2021, Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2019
  73. ↑ Garcia, Mark (18 de outubro de 2019). «NASA TV is Live Now Broadcasting First All-Woman Spacewalk», NASA Blogs, NASA, Consultado em 18 de outubro de 2019, Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2019
  74. ↑ @SenBillNelson (20 de dezembro de 2018). «Commercial Space Company Bill Announcement» (Tweet) – via Twitter
  75. ↑ Connolly, John F. (Outubro de 2006). «Constellation Program Overview» (PDF), Constellation Program Office, Consultado em 6 de julho de 2009, Cópia arquivada (PDF) em 10 de julho de 2007
  76. ↑ NASA Office of Public Affairs (4 de dezembro de 2006). «Global Exploration Strategy and Lunar Architecture» (PDF), NASA, Consultado em 15 de julho de 2009, Cópia arquivada (PDF) em 24 de junho de 2009
  77. ↑ «Review of United States Human Space Flight Plans Committee» (PDF), Office of Science and Technology Policy.22 de outubro de 2009, Consultado em 13 de dezembro de 2011, Cópia arquivada (PDF) em 13 de dezembro de 2011
  78. ↑ Achenbach, Joel (1 de fevereiro de 2010). «NASA budget for 2011 eliminates funds for manned lunar missions», Washington Post, Consultado em 1 de fevereiro de 2010, Cópia arquivada em 21 de março de 2010
  79. ↑ Ir para: a b c NASA (ed.). «Commercial Crew Program Overview», Consultado em 31 de dezembro de 2021
  80. ↑ Ir para: a b «NASA: Moon to Mars», NASA, Consultado em 19 de maio de 2019, Cópia arquivada em 5 de agosto de 2019
  81. ↑ «Hopeful for launch next year, NASA aims to resume SLS operations within weeks»,1 de maio de 2020, Consultado em 2 de setembro de 2020, Cópia arquivada em 13 de setembro de 2020
  82. ↑ Whitwam, Ryan. NASA Sets New Roadmap for Moon Base, Crewed Missions to Mars Arquivado em 2018-11-27 no Wayback Machine Extreme Tech, 27 de setembro de 2018. Acessado em 26 de novembro de 2018.
  83. ↑ Bergin, Chris (23 de fevereiro de 2012). «Acronyms to Ascent – SLS managers create development milestone roadmap», NASA, Consultado em 29 de abril de 2012, Cópia arquivada em 30 de abril de 2012
  84. ↑ «NASA builds deep space habitats on Earth», Consultado em 30 de dezembro de 2016, Cópia arquivada em 24 de fevereiro de 2017
  85. ↑ «US Government Issues NASA Demand, ‘Get Humans to Mars By 2033 ‘ »,9 de março de 2017, Consultado em 16 de fevereiro de 2018, Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2018
  86. ↑ «Trump Signs NASA Authorization act of 2017», Spaceflight Insider.21 de março de 2017, Consultado em 2 de dezembro de 2018, Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2018
  87. ↑ «As Artemis Moves Forward, NASA Picks SpaceX to Land Next Americans on Moon», NASA,16 de abril de 2021, Consultado em 16 de novembro de 2021
  88. ↑ «Launch History (Cumulative)» (PDF), NASA, Consultado em 30 de setembro de 2011, Cópia arquivada (PDF) em 19 de outubro de 2011
  89. ↑ «NASA Experimental Communications Satellites, 1958–1995», NASA, Consultado em 30 de setembro de 2011, Cópia arquivada em 4 de agosto de 2011
  90. ↑ «NASA, Explorers program», NASA, Consultado em 20 de setembro de 2011, Cópia arquivada em 27 de setembro de 2011
  91. ↑ NASA mission STS-31 (35) Arquivado em 2011-08-18 na WebCite
  92. ↑ Berger, Eric (1 de junho de 2021). «Webb telescope launch date slips again», Ars Technica, Consultado em 2 de junho de 2021, Cópia arquivada em 1 de junho de 2021
  93. ↑ «About – Webb Orbit», NASA, Consultado em 2 de junho de 2021, Cópia arquivada em 20 de maio de 2021
  94. ↑ «JPL, Chapter 4. Interplanetary Trajectories», NASA, Consultado em 30 de setembro de 2011, Cópia arquivada em 3 de setembro de 2011
  95. ↑ «Missions to Mars», The Planet Society, Consultado em 30 de setembro de 2011, Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2012
  96. ↑ NASA Staff (26 de novembro de 2011). «Mars Science Laboratory», NASA, Consultado em 26 de novembro de 2011, Cópia arquivada em 27 de novembro de 2011
  97. ↑ «NASA Launches Super-Size Rover to Mars: ‘Go, Go! ‘ », The New York Times, Associated Press.26 de novembro de 2011, Consultado em 26 de novembro de 2011
  98. ↑ Kenneth Chang (6 de agosto de 2012). «Curiosity Rover Lands Safely on Mars», The New York Times, Consultado em 6 de agosto de 2012, Cópia arquivada em 6 de agosto de 2012
  99. ↑ Wilson, Jim (15 de setembro de 2008). «NASA Selects ‘MAVEN’ Mission to Study Mars Atmosphere», NASA, Consultado em 15 de julho de 2009, Cópia arquivada em 19 de junho de 2009
  100. ↑ «Missions to Jupiter», The Planet Society, Consultado em 30 de setembro de 2011, Cópia arquivada em 6 de outubro de 2011
  101. ↑ «JPL Voyager», JPL, Consultado em 30 de setembro de 2011, Cópia arquivada em 8 de outubro de 2011
  102. ↑ «Pioneer 10 spacecraft send last signal», NASA, Consultado em 30 de setembro de 2011, Cópia arquivada em 9 de novembro de 2016
  103. ↑ «The golden record», JPL, Consultado em 30 de setembro de 2011, Cópia arquivada em 27 de setembro de 2011
  104. ↑ «New Horizon», JHU/APL, Consultado em 30 de setembro de 2011, Cópia arquivada em 9 de maio de 2010
  105. ↑ «Voyages Beyond the Solar System: The Voyager Interstellar Mission», NASA, Consultado em 30 de setembro de 2011, Cópia arquivada em 27 de setembro de 2011
  106. ↑ 85º Congresso dos Estados Unidos, ed. (29 de julho de 1958). « National Aeronautics and Space Act » 🔗, Consultado em 11 de setembro de 2020, Cópia arquivada em 17 de setembro de 2020 Arquivado em 2020-09-17 no Wayback Machine
  107. ↑ Heppenheimer, T.A. (1999). «3. Mars and Other Dream Worlds», SP-4221 The Space Shuttle Decision, Washington DC: NASA.p.115, Consultado em 22 de agosto de 2018, Cópia arquivada em 7 de outubro de 2018
  108. ↑ Administrator, NASA Content (30 de janeiro de 2017). «Robert M. Lightfoot Jr., Acting Administrator», Consultado em 1 de fevereiro de 2017, Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2017
  109. ↑ «President Biden Announces His Intent to Nominate Bill Nelson for the National Aeronautics and Space Administration», The White House,19 de março de 2021, Consultado em 19 de março de 2021, Cópia arquivada em 19 de março de 2021
  110. ↑ «T. Keith Glennan biography», NASA.4 de agosto de 2006, Consultado em 5 de julho de 2008, Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2017
  111. ↑ Shouse, Mary (9 de julho de 2009). «Welcome to NASA Headquarters», Consultado em 15 de julho de 2009, Cópia arquivada em 13 de julho de 2009
  112. ↑ Information for Non U.S. Citizens Arquivado em 2018-10-07 no Wayback Machine, NASA (download de 16 de setembro de 2013)
  113. ↑ Fouriezos, Nick (30 de maio de 2016). «Your Presidential Candidates, For the Milky Way», OZY, Consultado em 30 de maio de 2016, Cópia arquivada em 30 de maio de 2016
  114. ↑ Rogers, Simon. (February 1, 2010) Nasa budgets: US spending on space travel since 1958 Arquivado em 2017-01-31 no Wayback Machine, theguardian.com. Acessado em 26 de agosto de 2013.
  115. ↑ «Fiscal Year 2013 Budget Estimates» (PDF), NASA, Consultado em 13 de fevereiro de 2013, Cópia arquivada (PDF) em 23 de outubro de 2012
  116. ↑ «Past, Present, and Future of NASA — U.S. Senate Testimony», Hayden Planetarium.7 de março de 2012, Consultado em 4 de dezembro de 2012, Cópia arquivada em 29 de outubro de 2012
  117. ↑ «Past, Present, and Future of NASA — U.S. Senate Testimony (Video)», Hayden Planetarium.7 de março de 2012, Consultado em 4 de dezembro de 2012, Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2013
  118. ↑ Launius, Roger D. (2003). «Public opinion polls and perceptions of US human spaceflight», Division of Space History, National Air and Space Museum, Smithsonian Institution. Space Policy,19 (3): 163–175. Bibcode : 2003SpPol.19.163L, doi : 10.1016/S0265-9646(03)00039-0, Consultado em 3 de novembro de 2017, Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2021
  119. ↑ Clark, Stephen (14 de dezembro de 2014). «NASA gets budget hike in spending bill passed by Congress», Spaceflight Now, Consultado em 15 de dezembro de 2014, Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2014
  120. ↑ Ir para: a b «Trump just signed a law that maps out NASA’s long-term future — but a critical element is missing», Business Insider, Consultado em 16 de fevereiro de 2018, Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2018
  121. ↑ Staff, Science News (23 de março de 2018). «Updated: Congress approves largest U.S. research spending increase in a decade», Science, American Association for the Advancement of Science, Consultado em 23 de março de 2018, Cópia arquivada em 23 de março de 2018
  122. ↑ Foust, Jeff (22 de março de 2018). «NASA receives $20.7 billion in omnibus appropriations bill», Space News, Consultado em 23 de março de 2018, Cópia arquivada em 25 de março de 2018
  123. ↑ «NASA Facilities and Centers» (PDF), NASA, Consultado em 30 de julho de 2020, Cópia arquivada (PDF) em 25 de outubro de 2020
  124. ↑ Swenson Jr., Lloyd S.; Grimwood, James M.; Alexander, Charles C. «Space Task Group Gets a New Home and Name», This New Ocean, SP-4201, : NASA, Consultado em 24 de julho de 2019, Cópia arquivada em 14 de julho de 2019
  125. ↑ NASA (18 de agosto de 2006). «NASA Ames Research Center History», Consultado em 13 de fevereiro de 2018
  126. ↑ Showstack, Randy (3 de fevereiro de 2004). «New exploration focus will not diminish Earth science agenda, NASA says». Eos,85 (5): 46. Bibcode : 2004EOSTr.85S.46S, doi : 10.1029/2004EO050003
  127. ↑ «Office of Human Capital Management – Current Vacancies», Glenn Research Center, Consultado em 3 de outubro de 2013
  128. ↑ «House passes bill to rename NASA facility for Armstrong», Spaceflight Now.31 de dezembro de 2012, Consultado em 1 de janeiro de 2013, Cópia arquivada em 12 de novembro de 2020
  129. ↑ Baccus, Jaimie (9 de março de 2015). «Center Redesignated for Neil Armstrong; Test Range for Hugh Dryden», NASA, Consultado em 23 de setembro de 2020, Cópia arquivada em 27 de junho de 2017
  130. ↑ «Why does everyone say NASA’s JPL is in Pasadena when this other city is its real home?»,14 de julho de 2016, Consultado em 23 de setembro de 2020, Cópia arquivada em 2 de agosto de 2017
  131. ↑ «Directions», www.jpl.nasa.gov, Consultado em 23 de setembro de 2020, Cópia arquivada em 23 de setembro de 2020
  132. ↑ «MSFC_Fact_sheet» (PDF), NASA, Consultado em 1 de outubro de 2011, Cópia arquivada (PDF) em 25 de outubro de 2011
  133. ↑ «Planetary Magnetospheres Laboratory Overview», Consultado em 3 de janeiro de 2009, Cópia arquivada em 21 de março de 2009
  134. ↑ Dubuisson, Rebecca (19 de julho de 2007). «NASA Shared Services Center Background», Consultado em 15 de julho de 2009, Cópia arquivada em 16 de julho de 2009
  135. ↑ Ir para: a b NASA. «Lyndon B. Johnson Space Center», Consultado em 27 de agosto de 2008, Cópia arquivada em 10 de abril de 2012
  136. ↑ «Houston Space Center Is Named for Johnson», The New York Times,20 de fevereiro de 1973.p.19, Consultado em 23 de setembro de 2020, Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2021
  137. ↑ Nixon, Richard M. (19 de fevereiro de 1973). «50 – Statement About Signing a Bill Designating the Manned Spacecraft Center in Houston, Texas, as the Lyndon B. Johnson Space Center», Consultado em 9 de julho de 2011, Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2019
  138. ↑ «The National Archives, Lyndon B. Johnson Executive Order 11129», Consultado em 26 de abril de 2010, Cópia arquivada em 19 de julho de 2019
  139. ↑ «Kennedy Space Center Story», NASA.1991, Consultado em 5 de novembro de 2015, Cópia arquivada em 20 de maio de 2017
  140. ↑ Beattie, Rich (20 de dezembro de 2011). «World’s Biggest Buildings», Consultado em 6 de dezembro de 2015, Cópia arquivada em 3 de novembro de 2016
  141. ↑ «Senate». Congressional Record : 17598.8 de setembro de 2004
  142. ↑ Dean, James (17 de março de 2011). «NASA budget woes leads to layoffs», Federal Times, Consultado em 21 de agosto de 2011, Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2013
See also:  Quanto Custa 18 NMeros Na LotofáCil?

Quantas engenheiras existem no Brasil?

Apenas 20% dos profissionais de engenharia no Brasil são mulheres – Dados do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (CONFEA), mostram que as mulheres representam apenas 20% do total de engenheiros cadastrados nos 27 Conselhos Regionais de Engenharia e Agronomia (CREAs). Do total de 1 milhão e 100 mil profissionais, apenas 200 mil são engenheiras, agrônomas, meteorologistas, geógrafas, geólogas, enfim, todas as mulheres representadas nas profissões que compõem o Sistema.

  • Em 2019, apenas 12% de mulheres compunham o plenário dos 27 CREAS, e em 2020 este número subiu para 14%.
  • A baixa presença feminina na profissão reflete também no ingresso de mulheres na universidade, segundo dados da Universidade Católica de Brasília (UCB) elas representam 34% do total de alunos matriculados nas graduações de engenharia, presencial ou à distância.

Graduada em engenharia civil em 1978, Fátima Có é uma destas mulheres que enfrentou ao longo de sua trajetória uma série de desafios, preconceitos e estereótipos para se tornar a primeira mulher presidente do Crea do Distrito Federal. Apesar de representar o órgão de fiscalização mais importante da classe na capital do Brasil, ela reconhece que a luta continua e ainda é preciso avançar muito para tornar o campo da engenharia igualitário para homens e mulheres.

  1. É claro que quando eu me formei e comecei a atuar na profissão, o mundo era outro.
  2. Porém, é preocupante perceber e ter que admitir que ainda existe um certo sub-condicionamento que afeta as mulheres de optarem por nossa profissão», afirma Fátima.
  3. Atualmente, existem poucas políticas que incentivam a entrada de mulheres no campo da engenharia.

«É fundamental que sejam criados mais programas que incentivem a participação feminina na área da engenharia, e que sejam criados espaços de cooperação e união entre as mulheres», diz Fátima. Além de enfatizar a necessidade de mais políticas públicas, Fátima faz questão de destacar a importância do apoio mútuo entre as mulheres.

No mês que vem, em 23 de junho, é comemorado o Dia Internacional das Mulheres na Engenharia, e Fátima Có ressalta o termo «sororidade». Segundo ela, a união das mulheres envolve um sentimento de irmandade, solidariedade e companheirismo em busca de alcançar objetivos comuns. Sobre Fátima Có Engenheira Civil, formada pela Universidade Federal do Espírito Santo (1978), pós-graduada em Engenharia de Segurança do Trabalho (1980), Gerência Empresarial (1984) e Gerência de Projetos (2000), Fátima Có vive em Brasília desde 1978.

Capixaba de origem, mas brasiliense de coração, a engenheira tem uma história muito atuante na engenharia, tendo sido inclusive a primeira mulher presidente do CREA da capital do Brasil. Fonte: Gazeta24h

See also:  Para Que Serve O AAfrãO?

Quem trouxe a Engenharia para o Brasil?

No entanto, a formação da Engenharia no Brasil tem início e firma-se com a fundação da Academia Real Militar, concebida por D. Rodrigo de Souza Coutinho, e que começou a funcionar em abril de 1811.

Quem foi o primeiro engenheiro no mundo?

1. Imhotep – Nascido no Egito, há mais de 4600 anos, Imhotep foi o primeiro engenheiro civil da história. Ele é conhecido por ter projetado e supervisionado a construção da a famosa Pirâmide de Djoser. Além disso, Imhotep foi o primeiro a introduzir o uso de colunas na arquitetura.

A Pirâmide de Djoser foi a primeira do Egito e ainda é a estrutura de alvenaria mais antiga do mundo. Ela consiste em seis mastabas de tamanho decrescente, empilhadas uma sobre a outra para formar uma série de etapas. Quando concluída, possuía 62 metros de altura, uma base de 109 x 125 m e era revestida de calcário branco polido.

Foi edificada em blocos de pedra, cortados e revestidos com técnicas concebidas por Imhotep. Por isso, vamos agora para o próximo grande engenheiro civil!

Como surgiu a engenheira?

Como surgiu a Engenharia no Brasil? – O Brasil é um país relativamente recente se comparado aos mais antigos da Europa. Porém, quando foi descoberto, a Engenharia ainda não estava tão consolidada, embora muitos engenheiros já existissem e a praticassem (mesmo sem o título).

  • Acredita-se que a Engenharia começou mesmo no Brasil com a fundação da cidade de Salvador, em 1549, quando as construções eram mais parecidas com construções de verdade que com abrigos temporários.
  • Já no século XVII, com a construção de fortificações e a Engenharia mais voltada para a área militar, começou-se a exigir profissionais habilitados para planejar e executar as obras.

O progresso de Engenharia e ciências afins em Portugal só eclodiu no século seguinte, por iniciativa do rei D. João V. Foi então que alguns engenheiros vieram para o Brasil Colônia colocar seus conhecimentos em prática (o típico «quando eu cheguei aqui, era tudo mato» ).

  1. Alguns brasileiros foram estudar Engenharia no exterior, enquanto outros aprenderam o ofício por aqui mesmo.
  2. Em terras tupiniquins, os engenheiros portugueses começaram a construir fortificações, igrejas, palácios, conventos, aquedutos e mais obras.
  3. O termo «engenheiro» já existia em português para rotular quem fazia fortificações e engenhos bélicos, sendo também comum no exército.

Não havia muita distinção, por exemplo, de quem projetava o design de uma construção (como uma igreja, por exemplo). Ou seja, Arquitetura e Engenharia se misturavam. Ainda, o termo engenheiro servia para quem era dono (ou capataz) de engenho, as instalações onde eram fabricados açúcar, cachaça e outros produtos.

Qual foi a primeira engenharia do mundo?

1. Imhotep – Nascido no Egito, há mais de 4600 anos, Imhotep foi o primeiro engenheiro civil da história. Ele é conhecido por ter projetado e supervisionado a construção da a famosa Pirâmide de Djoser. Além disso, Imhotep foi o primeiro a introduzir o uso de colunas na arquitetura.

A Pirâmide de Djoser foi a primeira do Egito e ainda é a estrutura de alvenaria mais antiga do mundo. Ela consiste em seis mastabas de tamanho decrescente, empilhadas uma sobre a outra para formar uma série de etapas. Quando concluída, possuía 62 metros de altura, uma base de 109 x 125 m e era revestida de calcário branco polido.

Foi edificada em blocos de pedra, cortados e revestidos com técnicas concebidas por Imhotep. Por isso, vamos agora para o próximo grande engenheiro civil!

Quem criou a engenharia?

Afinal, como surgiu a Engenharia? A engenharia está presente em todas as tarefas do nosso dia a dia, Desde quando acordamos até a hora de deitar. Logo pela manhã desligamos o despertador, escovamos os dentes, aquecemos o leite em um micro-ondas ou mesmo no fogão.

  • Saímos de casa descendo pelo elevador, ou pelas escadas apoiando no corrimão.
  • Assim, entramos no carro, dirigimos e paramos no semáforo, atravessamos avenidas, viadutos antes de chegar.
  • Tudo isso só para começar.
  • O projeto do despertador, da escova de dentes, do micro-ondas, até mesmo na produção do pão, da casa, do elevador, das escadas, do corrimão, do carro e do semáforo.

Dessa forma, todos esses produtos foram criados, produzidos, melhorados, por engenheiros mecânicos, eletricistas, civis, de alimentos, de produção, de materiais, agrônomos, e diversos outros engenheiros. Hoje a engenharia está tão presente na sociedade que é difícil imaginar quando ela começou.

  • Por definição do dicionário Oxford, a engenharia é a aplicação de métodos científicos ou empíricos à utilização dos recursos da natureza em benefício do ser humano.
  • Se levarmos ao pé da letra, a utilização do fogo como um instrumento para a sobrevivência, a criação de lanças a partir de pedra e madeira, a invenção da roda ou qualquer recurso ancestral, poderemos considerar como o surgimento da engenharia.

Levando em consideração a origem do profissional de engenharia, com certeza estaremos nos referindo a pensadores antigos que não se definiam como engenheiros. Suas funções se misturavam com a arquitetura, filosofia e até com a medicina. Mas, a engenharia está nas pirâmides do Egito, no Farol de Alexandria, nos Jardins Suspensos da Babilônia e no Parténon.

Assim também está presente em Teotihuacan, nos inacreditáveis sistemas de irrigação dos Incas e nas pirâmides Maias. O primeiro engenheiro que se tem registro foi Imhotep, funcionário do faraó Djoser que projetou sua pirâmide por volta de 2630 a.C., fazendo uso do que chamamos de colunas na arquitetura.

A engenharia propriamente dita, se distanciou das práticas dos antigos artesões no século XV proveniente da necessidade das empresas de construção naval, do transporte terrestre e desenvolvimento de equipamentos. Instituições que estavam abertas às inovações científicas diferentes das anteriores que estavam sempre à sombra da igreja.

A engenharia civil desenvolveu-se primeiramente na França. Já a engenharia naval em Portugal e as engenharias mecânica e, posteriormente, elétrica, surgiram na Inglaterra com a revolução industrial. No decorrer dos anos, e com o avanço da tecnologia, computação e eletrônica, dezenas de novas engenharias surgiram.

Assim elas se dedicaram a áreas específicas do conhecimento. A engenharia de produção surgiu há aproximadamente 100 anos com a necessidade das indústrias de reduzir o custo de produção e maximizar os lucros, Só um engenheiro seria capaz de deter o conhecimento técnico de todas as máquinas e tirar o maior desempenho.

Quem foi a primeira engenheira civil no Brasil?

Foi a primeira mulher e a primeira negra a se diplomar em Engenheira Civil do Brasil, desafiou os padrões acadêmicos e sociais. Palavras-Chave: Enedina; engenharia civil; exatas. Abstract: Enedina Alves Marques was born on January 13, 1913. Only girl among 10 brothers.