Moulin Rouge | Temuco

Consejos | Trucos | Comentarios

Quem Criou Deus?

Quem Criou Deus

Quem foi quem criou Deus?

Photo by Tom Wilson on Unsplash «E se eles me disserem: ‘Qual é o seu nome?’ Que lhes direi? E disse Deus a Moisés: ‘EU SOU O QUE SOU’. Disse mais: ‘Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vocês» (Êxodo 3.13–14). Quando eu era pequeno, fui ensinado que Deus é o criador de todo o universo.

  • Isso fazia todo o sentido, pois eu notava claramente que algo só poderia existir se fosse criado por alguém.
  • Eu olhava para uma casa e sabia que havia um construtor; eu olhava para um quadro e sabia que havia um pintor; eu olhava para um livro e sabia que havia um escritor; eu olhava para cães e sabia que eram cria de outros cães.

Assim, quando eu olhava para a natureza, eu concluía que ela também apontava para um Criador. E um Criador poderoso. Era bem razoável, portanto, acreditar que Deus é o Criador do universo. Mas essa conclusão me fez perguntar: «Se tudo que existe foi criado por Deus, então quem criou Deus?».

  • Essa é uma pergunta sincera.
  • A resposta a essa pergunta, porém, é simples: Ninguém criou Deus.
  • Deus existe sem uma causa.
  • Ele sempre existiu e não há como Ele não existir.
  • Só faz sentido a gente perguntar quem criou o universo e as coisas que existem dentro dele.
  • Não faz sentido perguntar quem criou Deus, pois Deus vive em um mundo diferente do nosso.

As leis da natureza que existem em nosso universo não se aplicam a Deus, pois Deus está fora do universo, fora do tempo e do espaço. E, fora do tempo e do espaço, as coisas são diferentes. Isso é um pouco difícil de entender, eu sei, mas, pense no seguinte: ou o universo sempre existiu e é eterno, ou Deus sempre existiu e é eterno.

Só temos essas duas opções. Agora, pense. Qual das duas opções é mais razoável? Você conhece alguma coisa física, material, que seja eterna, que sempre tenha existido? As estrelas sempre existiram? A lua sempre existiu? Sua bicicleta sempre existiu? Não, isso não existe! Na verdade, de acordo com a ciência, hoje sabemos que o universo teve um início, teve um começo.

Isso significa que o universo não é eterno. Ele tem um começo e um fim. Então, se o universo não é eterno, isso significa que é mais razoável acreditar que Deus é eterno, não tem começo nem fim. Foi por isso que Deus disse a Moisés que Seu nome era: «Eu Sou o que Sou».

Quem criou Deus de acordo com a Bíblia?

1 No princípio criou Deus os céus e a terra.2 A terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo, mas o Espírito de Deus pairava sobre a face das águas.3 Disse Deus: haja luz. E houve luz.

Como foi a criação de Deus?

Depois das primeiras criações, Deus fica maravilhado com a beleza da Terra. –

Gênesis 19/01/2021 – 22h46 (Atualizado em 20/05/2022 – 15h56)

Para ver este vídeo, ative o JavaScript e considere atualizar para um navegador da Web que suporta vídeo HTML5 Após a escuridão, Deus começa a criação da Terra. Ele inicia dizendo «Haja luz», diferenciando o dia da noite. No segundo dia, Ele segue com a criação do céu, o dividindo das águas.

O que é o pai de Deus?

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Deus, o Pai (representado por um velho patriarca com cabelos brancos) de Cima da Conegliano, c.1515

Parte da série sobre o
Cristianismo
Jesus Cristo
Bíblia
Teologia cristã
Tradição
História
Denominação cristã
Tópicos
Portal do Cristianismo

v d e

table>

Parte de uma série sobre Deus Conceitos gerais Concepções específicas Em religiões particulares Atributos

ExperiênciasPráticas

Tópicos relacionados

v d e

Em muitas religiões, dá-se o título e as atribuições de Pai ao Deus supremo. No judaísmo, Deus é chamado Pai porque é o criador, o governador e o protetor. O cristianismo herdou esta concepção, dando ênfase à relação Pai-Filho revelada em Jesus Cristo,

Deus, como Primeira Pessoa da Trindade, é agente responsável pela Criação do Universo, mas a Bíblia diz que Ele não é o único, também tiveram parte o Divino Espírito Santo (Gênesis 1,2) e Cristo Jesus (João 1,1), os Três criando assim, por dizer, os reinos vegetal e animal, O segundo, tanto racional como irracional,

Por ser o Primeiro, Ele é o Detentor de toda a Criação, e atualmente reina sobre toda ela, tendo participação (principalmente) na criação humana : «Façamos o homem à Nossa imagem, conforme a Nossa semelhança» (Gn 1,26).

Como surgiu Deus segundo a Bíblia?

1 No princípio criou Deus os céus e a terra.2 A terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo, mas o Espírito de Deus pairava sobre a face das águas.3 Disse Deus: haja luz. E houve luz.

Quando surgiu a ideia de um Deus?

Quem Criou Deus Uma menina às portas do santuário de Chak Chak, no Irã, lugar de peregrinação para os zoroastristas. Kaveh Kazemi (Getty Images) Mais informações A ideia de um deus todo-poderoso que vigia os humanos a partir de cima e pune os que se desviam da norma surgiu depois que estes trocaram a tribo pela sociedade.

Essa é a principal conclusão de um amplo estudo que revê o surgimento das sociedades complexas e a ideia do deus moral. Dos antigos egípcios até o Império Romano, passando pelos hititas, os deuses morais só entram em cena quando as sociedades se tornam realmente grandes. A crença no sobrenatural é tão antiga como os humanos.

Mas a ideia de um ser onisciente vigilante da moral é mais recente. Antes das revoluções neolíticas, do surgimento da agricultura e das primeiras sociedades, os humanos viviam em grupos relativamente pequenos, baseados no parentesco. Na tribo, todos se conheciam e devia ser difícil ter uma conduta antissocial sem ser flagrado.

O risco de ser apontado, castigado ou expulso do grupo bastava para controlar o indivíduo. Mas, à medida que as sociedades foram se tornando mais complexas, as relações com estranhos ao clã cresciam e, ao mesmo tempo, as possibilidades de escapar à sanção. Para muitos estudiosos das religiões, a aparição de um deus moral que tudo vê serviu como cola para a coesão social, facilitando a emergência de sociedades cada vez maiores.

«Mas o que vimos é que os deuses moralizantes não são nada necessários para que se estabeleçam sociedades em grande escala», diz Harvey Whitehouse, diretor do Centro para o Estudo da Coesão Social da Universidade de Oxford ( Reino Unido ) e coautor do estudo.

  • De fato, só aparecem depois do forte aumento inicial da complexidade social, uma vez que as sociedades alcançam uma população de aproximadamente um milhão de pessoas», acrescenta.
  • O estudo usa 55 variáveis para medir a complexidade social de 414 entidades políticas Junto a um amplo grupo de cientistas, o antropólogo britânico analisou 414 entidades políticas surgidas do Neolítico.

Na base de dados, reunida no projeto Seshat, há desde cidades-Estado como Ur até a confederação viking da Islândia e impérios como o inca e o aquemênida. Para medir sua complexidade, usaram até 55 variáveis diferentes, como a existência de uma estratificação e hierarquia social, se existiam a propriedade privada e a capacidade de transferi-la, e o desenvolvimento da agricultura e de exércitos.

Seus resultados, publicados na revista Nature, mostram que, quando os deuses morais apareceram, as sociedades já eram na sua maioria muito complexas. Na verdade, as entidades políticas estudadas apresentavam um aumento médio da sua complexidade social até cinco vezes maior antes da chegada desses deuses do que depois.

Só então o deus moral cumpre uma função social: «Talvez se deva a que, chegados a este ponto, as sociedades fiquem tão grandes que se tornam vulneráveis às tensões internas e ao conflito. Os deuses moralizantes poderiam oferecer uma via para que as sociedades continuassem prosperando apesar de tais tensões, fazendo que todos cooperassem para evitar ofender um poder superior atento ao nosso comportamento com relação aos demais, e sobre o qual se pensava que castigava os transgressores», diz Whitehouse como possível explicação. Quem Criou Deus A deusa egípcia Maat. Universal History Archive (Getty Images) As primeiras ideias de um deus moral surgem no antigo Egito, com a figura de Maat, a filha do deus Rá. Isso foi por volta de 2800 antes da era atual, vários séculos depois da unificação das primeiras cidades do vale do Nilo.

  • Segue-a na lista cronológica Shamash, o deus-sol que tudo vê, do Império Acádio, meio milênio posterior ao surgimento das civilizações mesopotâmicas.
  • O mesmo padrão se observa com a deidade chinesa Tian e os diversos deuses do Império Hitita, na Anatólia (atual Turquia ).
  • Já no primeiro milênio antes da era atual apareceram o masdaísmo (ou zoroastrismo), o judaísmo e, já na era atual, o cristianismo e o islamismo.

Todas são religiões com deuses morais surgidas ou evoluídas em sociedades já consolidadas. Os primeiros deuses morais aparecem no antigo Egito, na Mesopotâmia, na Anatólia e na China O estudo mostra, entretanto, que pode haver sociedades altamente complexas sem um deus moral.

Isso não significa que não castigassem os humanos, mas o faziam mais por faltar às obrigações com as divindades do que por ofender outros humanos. A maioria dessas sociedades é das Américas e Sudeste Asiático. «Os sacrifícios e as normas de gênero dos astecas parecem centradas mais na manutenção universal e na melhora individual que no estabelecimento de costumes religiosamente controlados no qual alguns deuses moralizantes ameaçam punir as ações interpessoais impróprias», comenta o arqueólogo Alan Covey, da Universidade do Texas, coautor do estudo.

«Os textos maias parecem mostrar, ao menos no âmbito dos reis, que as razias e os sacrifícios humanos eram eventos memoráveis, e não atos pelos quais se pudesse temer uma desaprovação moral sobrenatural», acrescenta esse arqueólogo especialista nos impérios pré-colombianos, em particular o inca.

Isto se encaixa com os traços gerais da visão do mundo andina e as práticas de sacrifícios locais e estatais do Império inca», conclui. O estudo vai inclusive além e julga encontrar uma conexão entre aparição da escrita e a emergência dos deuses morais. Em 9 das 12 regiões do planeta analisadas, os primeiros registros escritos aparecem em média 400 anos antes das primeiras referências aos deuses morais.

Isto, junto com a ausência da ideia de um deus moral na maioria das culturas orais, «sugere que estas crenças não estavam muito difundidas antes da invenção da escrita», opina Whitehouse. Os deuses de astecas, maias ou incas não intervêm na moral das relações humanas Mas nem todos opinam o mesmo.

  1. O diretor do Instituto para a Ciência da História Humana (em Jena, Alemanha ), o biólogo evolutivo Russell Gray, argumenta que «as provas de deuses moralizantes são difíceis de encontrar antes da invenção da escrita, mas isso não significa que não haja nenhuma.
  2. Os primeiros escritos eram principalmente documentos sobre transações financeiras, não sobre crenças religiosas», acrescenta.

Gray, que não participou do estudo, é um dos maiores defensores de que o castigo divino entendido em um sentido amplo é um precursor da complexidade política e social. Entretanto, reconhece que «os deuses morais são uma criação relativamente recente».

Quem foi o primeiro homem a ser criado por Deus?

Criado à imagem de Deus – Primeiro ser humano a habitar na Terra, Adão foi concebido no sexto dia da criação, com os demais animais terrestres. Porém, ele foi feito por Deus de maneira especial: à sua imagem e semelhança (Gênesis 1.26,27). Essa característica o diferenciaria de todo o resto.

Quem viu o rosto de Deus?

ALGUNS PRINCÍPIOS, DOUTRINAS E EVENTOS IMPORTANTES –

  • • Moisés viu Deus face a face, no alto de uma montanha desconhecida, pouco tempo depois de ter conversado com o Senhor na sarça ardente, mas antes de ir libertar os filhos de Israel do Egito. (Ver Moisés 1:1–2; 17, 25–26, 42; ver também Êxodo 3:1–10.)
  • • Ninguém consegue suportar a presença de Deus, a menos que a glória de Deus esteja sobre ele. (Ver Moisés 1:2, 11; ver também D&C 67:11; 84:21–22.)
  • • Moisés era um filho de Deus e era à «semelhança» de Jesus Cristo. (Moisés 1:4, 6–7; ver também D&C 25:1.) Em seu chamado e ministério, Moisés também foi um «protótipo» ou semelhança de Jesus Cristo. (Ver Moisés 1:25–26; ver também Deuteronômio 18:15; 3 Néfi 20:23; compare também com Êxodo 2:1–10 e Mateus 2:11–23.)
  • • Todas as outras crenças, objetos ou pessoas que os homens colocarem acima de Deus em sua vida são deuses falsos. (Ver Moisés 1:6; ver também Êxodo 20:1–6; Romanos 1:25; D&C 93:19.)
  • • Deus conhece todas as coisas. (Ver Moisés 1:6; ver também 2 Néfi 9:20; Jacó 2:5; D&C 38:2.)
  • • O homem e suas obras não se comparam à majestade e grandiosidade de Deus. (Ver Moisés 1:9–10; ver também Mosias 2:23–25; Helamã 12:7–8.)

Quem criou o mundo foi Deus ou Jesus?

Jesus Criou a Terra – Jesus Cristo criou este mundo e tudo o que há nele. Criou também muitos outros mundos. Ele agiu por intermédio do poder do sacerdócio, sob a direção do Pai Celestial. Deus, o Pai, disse: «E mundos incontáveis criei () e criei-os por meio do Filho, o qual é meu Unigênito» ( Moisés 1:33 ).

Quem veio antes de Deus?

Ninguém veio antes de Deus, Ele sempre existiu e é único. Deus criou o universo, e junto com o universo, a matéria, o tempo, o espaço e as Leis Físicas passaram a existir.

O que comprova a existência de Deus?

Resposta para um ateu: Deus existe? Preciso de provas! Não podemos provar a existência de Deus em um laboratório. Um ser transcendente não pode ser compreendido pela ciência. Entretanto, nosso Pai celeste fornece evidências de Sua existência de diversas formas.

  1. Prof. Leandro S.
  2. Quadros «É verdade que existe um ser superior? Ou a humanidade apenas o inventou para não ficar sem explicação sobre sua existência? Se existe, preciso de provas.» Tenho convicção de que o Criador lhe dará muitas evidências de Sua existência.
  3. Existem diversos relatos de ateus que passaram a acreditar em Deus após uma acurada pesquisa, e principalmente, através do trabalho de Deus efetuado em seus corações.

Não podemos provar a existência de Deus em um laboratório. Um ser transcendente não pode ser compreendido pela ciência. Alguém disse: «Para compreender um gênio, somente um gênio; para compreender a Deus, somente um Deus». Devemos aceitá-lo pela fé e pelas evidências que temos.

Nosso Pai Celeste fornece evidências de Sua existência de diversas formas: através da Criação, astronomia, leis científicas, arqueologia, história, por Sua ação na vida das pessoas, pela vida de Jesus Cristo, etc. Analisemos algumas delas: Evidências na Criação Quando analisamos as coisas criadas, todas elas nos ensinam que há um Deus Criador, Onipotente e Onisciente: «Mas pergunta agora às alimárias, e cada uma delas to ensinará; e às aves dos céus, e elas to farão saber.

See also:  Qual Melhor Remedio Para Ansiedade?

Ou fala com a terra, e ela te instruirá; até os peixes do mar to contarão. Qual entre todos estes não sabe que a mão do Senhor fez isto?» (Jó 12:7-9). «Porventura, não está Deus nas alturas do céu? Olha para as estrelas mais altas. Que altura!» (Jó 22:12).

Quando contemplo os teus céus, obra dos teus dedos, e a lua e as estrelas que estabeleceste» Salmos 8:3. «Levantai ao alto os olhos e vede. Quem criou estas coisas? Aquele que faz sair o seu exército de estrelas, todas bem contadas, as quais ele chama pelo nome; por ser ele grande em força e forte em poder, nem uma só vem a faltar» (Isaías 40:26).

Além da natureza nos convidar a contemplar a Deus nas obras criadas, as estrelas também o fazem. O estudo da astronomia nos auxilia nessa investigação. Em Isaías 40:18 e 26, Deus faz estas perguntas a todos os ateus (não é o seu caso), que apesar das evidências, não querem crer: «Com quem comparareis a Deus? Ou que cousa semelhante confrontareis com ele? Levantai os olhos e vede.

  • Quem criou estas coisas?» Ele continua: «Lembrai-vos das coisas passadas da antigüidade: eu sou Deus, e não há outro, eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim» (Isaías 46:9).
  • Vejamos mais de perto a criação: o universo com suas bilhões de Galáxias (imagine quantos planetas existem nelas!); os instintos dos animais, que sabem a hora certa de hibernar, de adquirir alimentos, de desovar no período correto (peixes); o corpo humano, cuja complexidade é estarrecedora (o cérebro continua sendo um mistério aos cientistas): como explicar evolutivamente as mamas? Até que se desenvolvessem, os filhos morreriam de fome (o mesmo em relação aos demais mamíferos).

E, se eles se alimentam de outra maneira, para que iriam necessitar do leite? E o olho humano? (até Darwin ficava intrigado com isso). Esse contém muitos músculos que trabalham harmoniosamente; a retina humana faz inveja aos cientistas especializados em computadores.

Seus 100 milhões de bastonetes e de cones, e sua camadas de neurônios, realizam pelo menos 10 bilhões de cálculos por segundo! Seria possível a visão humana ter surgido por acaso? Darwin admitiu que isso era um problema quando escreveu: «Parece impossível ou absurdo, reconheço-o, supor que a pudesse formar a visão».

E assim, poderiam ser numerados muitos outros exemplos. Como disse o Biólogo Edwin Conklin: «A probabilidade de a vida originar-se por acaso é comparável à probabilidade de um dicionário completo surgir como resultado da explosão de uma tipografia». Pode-se formar um dicionário através da explosão de uma tipografia? Claro que não! Imagine o universo com todas as suas criaturas, que é muito mais complexo! Abrindo um parêntese, alguns cientistas afirmam ter descoberto que os homens descendem de primatas.

  • Entretanto, precisamos aceitar o fato de que nem sempre a ciência está correta em suas conclusões.
  • Anos atrás, os cientistas diziam ter descoberto o ancestral do homem: o Homem de Nebraska.
  • Após grande publicidade, por ter sido considerado como ancestral do homem, revelou-se mais tarde ser apenas um porco extinto.

Toda «evidência» provinha originalmente de um único dente e, no entanto, reconstruções completas foram realizadas na época e circularam como capa de várias revistas científicas. Atitude bem pouco científica essa, não?» Devemos aceitar o que está na Bíblia (Gênesis 1 e 2) no que diz respeito à criação do mundo.

Evidências através astronomia «Levantai ao alto os olhos e vede. Quem criou estas coisas? Aquele que faz sair o seu exército de estrelas, todas bem contadas, as quais ele chama pelo nome; por ser ele grande em força e forte em poder, nem uma só vem a faltar» (Isaías 40:26). Vejamos algo mais sobre as estrelas – o que elas nos mostram sobre a existência de Deus.

Cada estrela, para manter-se em ignição e fornecer o calor e a energia sem os quais a vida seria impossível, gasta dezenas de toneladas de sua própria massa em cada segundo. Isso é lógico no sentido de que tudo que queima consome combustível (a única exceção que conhecemos é o milagre da sarça ardente que só Deus é capaz de realizar).

De acordo com análises feitas por astrônomos e cientistas, se as estrelas consomem energia de si mesmas, elas não são eternas, pois a quantidade de massa que elas consomem – sua própria massa – (mais especificamente o sol) faria com que elas durassem apenas duzentos ou trezentos anos! Além de nos mostrar que as estrelas não são eternas – foram «criadas», essa evidência nos mostra que «alguém está fornecendo esta massa para as estrelas consumirem», pois se isto não acontecesse, elas não mais existiriam, pois elas consomem massa de si mesmas.

E esse alguém é Deus! Veja o quanto as estrelas nos falam sobre Deus! Como disse o grande astrônomo William Herschell: «Louco é o astrônomo que não crê em Deus». Evidências Científicas A Lei da causa e efeito também nos dá evidências da existência de um Criador.

  1. Estudando as estrelas e o espaço, vemos que toda essa organização não pode existir por acaso.
  2. Onde há um plano perfeito, há um projetista perfeito».
  3. A lei das causas e efeitos é uma realidade universal.
  4. Não importa quão inédita e criativa seja uma obra.
  5. Aquele que a planejou, estará num plano superior a ela.

Os efeitos, são manifestações condicionais de uma causa; e a causa, sempre, em quaisquer escalas, supera em níveis de importância, aos efeitos – sejam eles quais forem. Isto quer dizer que, se há o universo (efeito), tem de haver um Criador (a causa) superior a tudo isto.

  1. Evidências biológicas A teoria conhecida como biogênese é uma evidência fortíssima em favor da existência de Deus.
  2. O cientista francês Louis Pasteur a propôs em meados do século XX.
  3. Que seria esta teoria? A doutrina de que toda a vida provém de vida.
  4. Ele provou isso em laboratório.
  5. Refutou a teoria conhecida como Abiogênese, que prega a «geração espontânea», ou seja, a vida pode surgir de algo morto.

Após a descoberta de Louis Pasteur, a Abiogênese caiu ainda mais no ridículo. Evidências através de Jesus Cristo Essa é a maior das provas acerca da existência de Deus. Além da Bíblia, a história e a arqueologia comprovam que Jesus existiu; enquanto Ele esteve na Terra, realizou muitos milagres, e inclusive ressuscitou mortos.

Pergunto: Pelo poder de quem Ele fez isso? A única explicação é aquela dada por Ele mesmo: «Respondeu-lhes Jesus: Já vo-lo disse, e não credes. As obras que eu faço em nome de meu Pai testificam a meu respeito» (João 10:25). Sendo que Cristo passou por nosso mundo, devemos acreditar nEle quando afirma existir Deus.

A fim de crer em Deus, não basta apenas ter essas e outras evidências: devemos exercitar nossa fé através de um íntimo relacionamento com Ele por meio da oração, estudo da Bíblia e pela percepção de Sua atuação em nossa vida. Dependerá muito também de nossa busca: «Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração» (Jeremias 29:13).

  • Tenha certeza de que Deus ouvirá o clamor de seu coração e com certeza sua vida se tornará cheia de sentido e significado ao crer nEle.
  • Finalizo com as Palavras do grande físico, matemático e astrônomo inglês Isaac Newton: «Este universo existe, e por esse único fato impossível, constitui-se em um milagre.

Confirma um poder infinito, bem maior do que qualquer parte; uma unidade sustendo tudo, incluindo todos os outros mundos num só! É um mistério, o único indiscutível que conhecemos, implicando nele todos os atributos de Deus» (Citado em Mundos Maravilhosos de Philip L.

Como é Deus de acordo com a Bíblia?

Quem Criou Deus Igreja Episcopal St. Paul’s, em Tustin, nos Estados Unidos (Foto: Flickr/Orange County Archives/CreativeCommons) A Igreja Episcopal dos Estados Unidos decidiu revisar seu livro de orações de 1979, para que Deus não seja mais referido pelos pronomes masculinos.

O livro de orações, publicado pela primeira vez em 1549 e agora em sua quarta edição, é o símbolo da unidade da Comunhão Anglicana. A Comunhão Anglicana é a terceira maior comunhão cristã fundada em 1867. Embora não haja um cronograma claro para as mudanças, os líderes religiosos na recente conferência trienal da denominação em Austin, no Texas (EUA), concordaram com uma exigência de substituir os termos masculinos por Deus como «Ele», «Rei» e «Pai».

De fato, os escritos e textos cristãos primitivos, todos se referem a Deus em termos femininos. Deus da Bíblia hebraica Como estudioso de origens cristãs e teoria de gênero, estudei as primeiras referências a Deus. Em Gênesis, por exemplo, mulheres e homens são criados na imagem «Imago Dei», que sugere que Deus transcende noções de gênero socialmente construídas.

  • Além disso, Deuteronômio, o quinto livro da Bíblia hebraica escrito no século VII a.C., afirma que Deus deu à luz a Israel.
  • Nos oráculos do profeta do século VIII, Isaías, Deus é descrito como uma mulher em trabalho de parto e uma mãe consolando seus filhos.
  • E o Livro dos Provérbios sustenta que a figura feminina da Santa Sabedoria, Sofia, auxiliou Deus durante a criação do mundo.

De fato, os Pais e Mães da Igreja entendiam que Sofia era o «Logos», ou Palavra de Deus. Além disso, os rabinos judeus equacionaram a Torá, a lei de Deus, com Sofia, o que significa que a sabedoria feminina estava com Deus desde o início dos tempos. Quem Criou Deus Bíblia (Foto: Pixabay/Pexels/Creative Commons) Talvez uma das coisas mais notáveis ​​já ditas sobre Deus na Bíblia hebraica ocorra em Êxodo 3, quando Moisés encontra pela primeira vez a divindade e pede seu nome. No versículo 14, Deus responde: «Eu sou quem eu sou», que é simplesmente uma mistura de verbos «a ser» em hebraico, sem qualquer referência específica ao gênero.

  1. Se alguma coisa, o livro de Êxodo é claro que Deus é simplesmente «ser», que ecoa mais tarde a doutrina cristã de que Deus é espírito.
  2. De fato, o nome pessoal de Deus, Yahweh, que é revelado a Moisés em Êxodo 3, é uma notável combinação de terminações gramaticais femininas e masculinas.
  3. A primeira parte do nome de Deus em hebraico, «Yah», é feminina, e a última parte, «weh», é masculina.

À luz de Êxodo 3, a teóloga feminista Mary Daly pergunta: «Por que ‘Deus deve ser um substantivo? Por que não um verbo – o mais ativo e dinâmico de todos». No Novo Testamento, Jesus também se apresenta na linguagem feminina. No Evangelho de Mateus, Jesus está sobre Jerusalém e chora, dizendo: «Jerusalém, Jerusalém, você que mata os profetas e apedrejam aqueles que foram enviados a você, quantas vezes eu anseio reunir seus filhos, como uma galinha reúne seus filhotes sob suas asas, e você não estava disposto».

Além disso, o autor de Mateus iguala Jesus com o feminino Sofiia (sabedoria), quando ele escreve: «No entanto, a sabedoria é justificada por seus atos». Na mente de Mateus, parece que Jesus é a Sabedoria feminina de Provérbios, que estava com Deus o começo da criação. Na minha opinião, acho que é muito provável que Mateus esteja sugerindo que há uma centelha do feminino na natureza de Jesus.

Além disso, em sua carta aos Gálatas, escrita por volta de 54 ou 55 d.C., Paulo diz que continuará «na dor do parto até que Cristo seja formado em você». Claramente, a imagem feminina era aceitável entre os primeiros seguidores de Jesus. Leia também: + DNA de 3,7 mil anos questiona relato de extermínio da Bíblia hebraica + Mosaico de 1,6 mil anos retrata a busca por Canaã, a terra prometida Os pais da igreja Essa tendência continua com os escritos dos pais da Igreja.

Em seu livro «Salvação ao Homem Rico», Clemente, o bispo de Alexandria que viveu por volta de 150-215 d.C., afirma: «Em sua essência inefável, ele é pai; em sua compaixão para conosco, ele se tornou mãe. O pai, amando, torna-se feminino». É importante lembrar que Alexandria foi uma das cidades cristãs mais importantes do segundo e terceiro séculos, juntamente com Roma e Jerusalém.

Foi também o centro da atividade intelectual cristã. Além disso, em outro livro, «Cristo, o Educador», ele escreve: «A Palavra é tudo para seus pequeninos, pai e mãe». Agostinho, o bispo de Hipona no norte do continente, usa a imagem de Deus como mãe para demonstrar que Deus cuida e cuida dos fiéis.

Ele escreve: «Aquele que nos prometeu comida celestial nos alimentou de leite, recorrendo à ternura de uma mãe». E, Gregory, o bispo de Nissa, um dos primeiros pais da igreja grega que viveu de 335 a 395 d.C., fala da essência incognoscível de Deus – a transcendência de Deus – em termos femininos. Ele diz: «O poder divino, embora exaltado muito acima de nossa natureza e inacessível a toda a abordagem, como uma mãe carinhosa que se une às expressões inarticulas de seu bebê, dá à nossa natureza humana o que é capaz de receber».

Qual é o gênero de Deus? Os seguidores modernos de Jesus vivem em um mundo onde as imagens correm o risco de tornar-se social, política ou moralmente inadequadas. Quando isso acontece, como observa a teóloga feminista Judith Plaskow, «em vez de apontar e evocar a realidade de Deus, bloqueiam a possibilidade da experiência religiosa».

Em outras palavras, limitar Deus a pronomes masculinos e imagens limita as inúmeras experiências religiosas de bilhões de cristãos em todo o mundo. É provavelmente melhor, portanto, que os cristãos modernos escutem as palavras e advertências do bispo Agostinho, que uma vez disse: «compreende bem o Deus não-verdadeiro».

Se você entendeu, então o que você entendeu não é Deus. Este artigo foi escrito por David Wheeler-Reed, professor na Albertus Magnus College, nos Estados Unidos, e originalmente publicado no The Conversation, Curte o conteúdo da GALILEU? Tem mais de onde ele veio: baixe o app Globo Mais para ver reportagens exclusivas e ficar por dentro de todas as publicações da Editora Globo.

Quem é o pai dos espíritos?

Quem o Senhor ama, Ele castiga — Deus é o Pai dos espíritos — Para ver Deus, devemos seguir a paz e a santidade — Os santos exaltados pertencem à Igreja do Primogênito.

Como Jesus chamava a Deus?

Gálatas 4,6: E porque sois filhos, enviou Deus aos nossos corações o Espírito do seu Filno, que clama: Abbá, Pai! Respeitando a intenção do autor sagrado, normalmente os tradutores conservam o termo hebraico ‘Abbá’, transliterado em português, e se traduz o termo grego que o acompanha (Πατήρ), pai.

O que é o Espírito Santo?

O Espírito Santo é o terceiro membro da Trindade. Ele é um personagem de espírito, sem um corpo de carne e ossos. Frequentemente nos referimos a Ele como o Espírito, o Santo Espírito, o Espírito de Deus, o Espírito do Senhor ou o Consolador.

See also:  Quanto Tempo De Estabilidade Tem O FuncionRio ApóS Retorno De Afastamento?

Quem foi que viu Deus?

ALGUNS PRINCÍPIOS, DOUTRINAS E EVENTOS IMPORTANTES –

  • • Moisés viu Deus face a face, no alto de uma montanha desconhecida, pouco tempo depois de ter conversado com o Senhor na sarça ardente, mas antes de ir libertar os filhos de Israel do Egito. (Ver Moisés 1:1–2; 17, 25–26, 42; ver também Êxodo 3:1–10.)
  • • Ninguém consegue suportar a presença de Deus, a menos que a glória de Deus esteja sobre ele. (Ver Moisés 1:2, 11; ver também D&C 67:11; 84:21–22.)
  • • Moisés era um filho de Deus e era à «semelhança» de Jesus Cristo. (Moisés 1:4, 6–7; ver também D&C 25:1.) Em seu chamado e ministério, Moisés também foi um «protótipo» ou semelhança de Jesus Cristo. (Ver Moisés 1:25–26; ver também Deuteronômio 18:15; 3 Néfi 20:23; compare também com Êxodo 2:1–10 e Mateus 2:11–23.)
  • • Todas as outras crenças, objetos ou pessoas que os homens colocarem acima de Deus em sua vida são deuses falsos. (Ver Moisés 1:6; ver também Êxodo 20:1–6; Romanos 1:25; D&C 93:19.)
  • • Deus conhece todas as coisas. (Ver Moisés 1:6; ver também 2 Néfi 9:20; Jacó 2:5; D&C 38:2.)
  • • O homem e suas obras não se comparam à majestade e grandiosidade de Deus. (Ver Moisés 1:9–10; ver também Mosias 2:23–25; Helamã 12:7–8.)

Qual é a diferença entre Deus e Jesus?

Por que Jesus é Deus relativo e não absoluto igual a Deus pai? | O TEMPO Jesus é um ser humano tão especial, que os primeiros teólogos cristãos até o consideraram um homem-Deus. Aliás, na região Atlântico-Mediterrânea, na Antiguidade e no início do cristianismo, era comum pessoas muito famosas e personalidades mitológicas ganharem o título de deuses.

  1. Mas entendamos esses deuses (João 10: 34 e 35), que não podem ser confundidos com o Deus Pai único e absoluto do monoteísmo bíblico-islâmico.
  2. Respeitamos o dogma da Santíssima Trindade criado pelos teólogos, mas somente consideramos o Deus Pai da Primeira Pessoa Trinitária como o único Deus absoluto verdadeiro, Criador incriado, e que é também chamado na Bíblia de Espírito Santo de Deus ou Santo Espírito.

Os teólogos dizem que as Pessoas é que são três, mas Deus é um só. Na prática, porém, eles se contradizem e dizem que se trata de mistério de Deus, quando é deles! O Espírito Santo da Terceira Pessoa Trinitária, pelo ensino de são Paulo é o espírito santo de cada um de nós que é chamado também de centelha divina e que habita nosso corpo nas nossas vidas terrenas (1 Coríntios 6: 19) e que quando não está encarnado, está na dimensão espiritual.

Deixemos que a Bíblia fale por nós, mostrando-nos que Jesus, realmente, não é todo-poderoso ou onipotente como o é o Deus Pai, absoluto e único, enquanto que Jesus é também Deus, mas relativo. E isso não o diminui em nada, pois, como Ele mesmo ensinou, Ele é Deus Filho, enquanto que o Deus mesmo é o Deus Pai.

E Jesus é também Filho do Homem, exatamente porque Ele é um ser da espécie humana. E todos nós somos também deuses relativos (João 10: 34 e 35). E vamos, agora, como foi prometido, ver que a própria Bíblia nos fala sobre o fato de que Jesus não é mesmo Deus absoluto, único e onipotente como o é o Deus Pai.

«Mas a respeito daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, senão somente o Pai» (são Mateus 24: 36). Se Jesus fosse também Deus absoluto, onipotente e onisciente tal qual o Pai, Ele saberia também quando ocorrerá aquele dia e qual a hora. «Certo homem de posição perguntou-lhe: Bom Mestre, que eu farei para herdar a vida eterna? Respondeu Jesus: Por que me chamas bom? Ninguém é bom senão um só, que é Deus» (são Lucas 18: 18 e 19).

Jesus, com sua resposta, foi taxativo dizendo que Deus é um só mostrando-nos que Ele é realmente um homem, ou seja, o Filho do Homem. Mais tarde, no Concílio Ecumênico de Niceia em 325, os teólogos é que declararam que Jesus Cristo é também Deus tão todo-poderoso como o é o Deus Pai.

E aqui perguntamos: ao ensino de quem devemos dar crédito, ao de Jesus Cristo ou ao dos teólogos? É claro que aceitamos o ensino evangélico de Jesus como sendo o verdadeiro e não o dos teólogos, apesar de respeitarmos os que consideram que os teólogos sabem mais do que o maior de todos os Mestres que surgiram no nosso planeta Terra! «Porque há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem» (1 Timóteo 2: 5).

São Paulo não é infalível. Somente Deus o é. Mas diz grandes verdades. E nessa acertou de cheio, mostrando-nos, com uma clareza meridiana, que Jesus é um Deus relativo como todos nós o somos (João 10: 34 e 35), mas jamais outro Deus Pai único, absoluto e verdadeiro do monoteísmo bíblico-islâmico! : Por que Jesus é Deus relativo e não absoluto igual a Deus pai? | O TEMPO

O que existia antes de Deus criar o céu e a Terra?

Celebrando Deus – As Atividades de Deus Antes da Criação do Mundo «No Princípio Criou Deus No Princípio era o Verbo» Na Bíblia temos duas descrições de » princípio «; uma este em Gênesis 1.1 e a outra está em João 1.1, Esse princípio de Gênesis 1 é após o » princípio » de João 1.1,

1ª proposição – DEUS é espírito; é único em sentido eterno e absoluto; sendo a espiritualidade, a unidade e a eternidade essência do Seu ser.

2ª proposição – DEUS é a suma da vida em sua expressão mais elevada e perfeita. Contudo, essa vida divina não é uma mera abstração, e sim, que Ele é ao mesmo tempo, a mais real de todas as realidades do ego que determina a Si mesmo uma Personalidade consciente e eterna, Fonte de toda idéia da personalidade.

3ª proposição – DEUS é amor.

O amor é o elemento mais profundo do ser de DEUS. O amor é a fonte onde emana eternamente Sua natureza, e a fonte criadora que dá existência a toda a Sua obra. Este amor pressupõe uma relação trinitária; pois, se DEUS é amor, tem que haver Nele o Amante, o Amado e o ESPÍRITO de amor.

4ª proposição – DEUS é eterno.

Para Ele não existe limite de tempo, nem sucessão de «antes», «agora» e nem «depois». Para Ele, o passado, o presente e o futuro ocorrem instantaneamente. Ninguém é capaz de formar um conceito adequado da relação orgânica entre a «eternidade» e o «tempo», pois estas coisas estão escondidas no pensamento total de DEUS.

5ª proposição – DEUS é comunhão;

Antes da fundação do mundo havia a comunhão eterna entre DEUS e Seu Filho. Antes de haver qualquer obra criada, DEUS possuía a eternidade identificada com Seu Filho. O Filho como Verbo era com DEUS eternamente presente com Ele numa interpenetração de íntima comunhão. Precisamos ler três passagens na Bíblia para compreendermos esse assunto:

Pv 8.22,23 : » O SENHOR me possuía no início de sua obra, antes de suas obras mais antigas. Desde a eternidade fui estabelecida, desde o princípio, antes do começo da terra «. Se você lê o versículo 12 desse capítulo 8 de Provérbio, você vai compreender que é a » Sabedoria » quem está falando nesses versículos 22 e 23,

Jo 17.5 : » glorifica-me, ó Pai, contigo mesmo, com a glória que eu tive junto de ti, antes que houvesse mundo»

Jo 17.24 : » me amaste antes da fundação do mundo «.

Para o Pai, o Filho como Verbo eterno, de Sabedoria – ( Pv 8.22,23 ); eternamente amado – ( Jo 17.24 ), e seu ser eternamente glorioso – ( Jo 17.5 ), vivia na mais profunda relação eterna de amor com o Pai. Ele sempre foi, eternamente amado pelo Pai. Essa era a atividade suprema de DEUS-Pai antes de haver criado qualquer coisa no mundo físico ou espiritual.

6ª proposição – Antes de lançar o fundamento do mundo, DEUS criou aos anjos e as estrelas. Veja no livro de Jó, no capítulo 38 e os versículos 4 a 7, que diz: » Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? Dize-mo, se tens entendimento. Quem lhe pôs as medidas, se é que o sabes? Ou quem estendeu sobre ela o cordel? Sobre que estão fundadas as suas bases ou quem lhe assentou a pedra angular, quando as estrelas da alva, juntas, alegremente cantavam, e rejubilavam todos os filhos de DEUS? Ou quem encerrou o mar com portas, quando irrompeu da madre «. A expressão » filhos de DEUS » pode ser mais bem compreendida lendo Jó 1.6 : » Num dia em que os filhos de DEUS vieram apresentar-se perante o SENHOR, veio também Satanás entre eles «. Está é uma referência aos anjos. Antes de lançar os fundamentos do mundo que conhecemos hoje, DEUS já havia criado as estrelas e os anjos.

7ª proposição – A salvação do homem.

Antes da fundação do mundo DEUS em Si mesmo determinou um desejo de salvação com relação ao homem individual.

Antes de todas as coisas criadas, na eternidade passada, o Pai, o Filho e o ESPÍRITO em toda a existência mental e moral do pensamento e afeto, se moviam eternamente.

Vamos ilustrar isso com a Palavra de DEUS, lendo João 1.1, onde diz: «No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com DEUS, e o Verbo era DEUS»,

Quero que você note a frase » o Verbo estava com DEUS «, no grego essa frase é prov ton yeon. No original grego temos uma preposição que é pros, que significa: «para», «em direção a».

Quando os eruditos estudaram esse texto, analisaram essa preposição, e chegaram a seguinte conclusão: a idéia que tem é de um ser que se dirige ao objeto, sendo regulado em movimento até certo ponto pelo objeto,

O SENHOR JESUS nos falou sobre isso, quando disse em João 5.19 : » Em verdade, em verdade vos digo que o Filho nada pode fazer de si mesmo, senão somente aquilo que vir fazer o Pai; porque tudo o que este fizer, o Filho também semelhantemente o faz «.

Os teólogos chamavam essa relação intima e pessoal entre o Pai e o Filho de pericorese, Essa é uma palavra grega que é formada por dois vocábulos: peri que significa: «em torno de»; e corese, que é «dança». Então, pericorese significa «dançar em torno de»; «dançar em circulo».

O que é mais impressionante, é que esta ação pericorética entre o Pai e o Filho é uma ação inclusiva, e não exclusiva, é uma ação de amor que não está fechada em si, mas é aberta a todos nós. Os teólogos latinos da idade média, no período escolástico, usaram uma palavra para esse relacionamento Trinitário, que é » circunsessão «.

É interessante notar que o SENHOR JESUS disse três vezes » Eu estou no Pai, e o Pai está em mim » – ( Jo 10.38; 14.10,11 ). Quando você estuda o capítulo 17 do Evangelho de João, vemos na oração sumo sacerdotal do SENHOR JESUS, a revelação do mistério da vida interior, e nestas profundezas misteriosas vemos que a obra da salvação foi preparada e realizada em segredo e em silêncio.

Precisamos ler uma sequência de textos para compreendermos melhor como fomos incluídos nessa dança de eterna glória:

Ef 1.4-6 : «assim como nos escolheu Nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de JESUS CRISTO, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor da glória de sua graça, que Ele nos concedeu gratuitamente no Amado».

2 Tm 1.9 : «que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em CRISTO JESUS, antes dos tempos eternos «.

Tt 1.1,2 : «Paulo, servo de DEUS e apóstolo de JESUS CRISTO, para promover a fé que é dos eleitos de DEUS e o pleno conhecimento da verdade segundo a piedade, na esperança da vida eterna que o DEUS que não pode mentir prometeu antes dos tempos eternos «.

Ap 13.8 : «e adora-la-ão todos os que habitam sobre a terra, aqueles cujos nomes não foram escritos no Livro da Vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo «.

Após estudarmos todas estas proposições, inevitavelmente, somos conduzidos ver a grandeza do caráter eterno de Deus e Sua magnifica obra dentro do contexto eterno. Contemplar a vida além do véu da eternidade constitui o maior privilégio para o conhecimento humano.

Qual foi a primeira religião que surgiu no mundo?

De acordo com o IFL Science, quando consideramos as religiões mais comuns, é praticamente consenso entre os historiadores que a mais antiga é o hinduísmo, que surgiu há cerca de 4 mil anos.

Qual a forma física de Deus?

bíblia Podemos ver que as Escrituras são claras em afirmar que o homem foi feito à «imagem e semelhança de Deus». Na Bíblia podemos claramente ver um Deus real e pessoal. Existem diferentes ensinamentos sobre a «forma de Deus». Muitos dizem que Ele é simplesmente uma «energia» (ideia mais espiritualista) que comanda o universo, outros, afirmam que Ele existe «dentro de cada um» (panteísmo).

  • É muito lógico que alguém saiba descrever-se a si mesmo melhor que qualquer um.
  • Portanto, vamos deixar que Deus, através de Sua Palavra, nos diga «como» Ele é: «Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança» (Gênesis 1:26).
  • Podemos ver que as Escrituras são claras em afirmar que o homem foi feito à «imagem e semelhança de Deus».

Se Deus fosse apenas uma «luz», nós também teríamos de ser «luzinhas a pairar» no ar. Tenho certeza que, ao se olhar no espelho, nenhuma pessoa (em perfeito estado de saúde mental ou espiritual) enxerga uma «luz» refletida, mas sim um ser real. Um detalhe importante na afirmação de que somos «à imagem de Deus», também estão subentendidas a capacidade de pensar, amar, ter livre-arbítrio.

Precisamos entender que, mesmo sendo à imagem de Deus, a Bíblia não diz que somos «iguais» a Ele. Deus é espírito (João 4:24), e isto quer dizer que Ele é um Ser espiritual (o que não significa impessoalidade). Certo é que Deus não pode ser examinado em laboratório (se o fosse, não seria Deus) e só O entenderemos melhor na eternidade.

Na Bíblia podemos claramente ver um Deus real e pessoal: • «Disse Deus» (Gênesis 1:3) – Se Deus disse, é porque Ele Fala, se fala, tem uma boca, se tem uma boca, tem um rosto. • «Quando ouviram a voz de Deus, que andava» (Gênesis 3:8). Se Deus andava, é porque Ele tinha pés; • Deus falava boca a boca com Moisés (Números 12:8); • A Bíblia diz que Moisés viu a forma corpórea de Deus, sendo que o profeta viu Deus pelas «costas (Êxodo 33:18-23); • Isaías viu a forma corpórea do Criador (Isaías 6:1-6) e disse que Ele possuía » vestes compridas» (verso 1); • Ezequiel viu Deus, e disse que Ele era «semelhante a um homem, sentado em um trono» (Ezequiel 1:26-28); Existem muitos outros textos sobre o assunto, mas creio que estes são suficientes para compreendermos que Deus é um ser pessoal que quer se relacionar conosco! (2 Coríntios 13:13).

See also:  O Que Ditongo?

Por que acreditamos em Deus?

Pontuando a vida – Na medida em que estamos constantemente à procura de padrões, estruturas e relações de causa-efeito, a religião pode fornecer uma variedade de estratégias para que essa busca faça sentido As crenças religiosas ajudam os seres humanos a se organizar e dar sentido a suas vidas.

E em todas as culturas, e até mesmo entre ateus, os rituais podem ajudar a pontuar eventos importantes da vida. Embora nem a neurociência, nem a antropologia e nem filosofia tenham uma resposta definitiva para a questão «Deus existe?», todas essas disciplinas dão pistas sobre como nós respondemos às nossas mais profundas necessidades humanas.

Talvez não sejamos programados para acreditar em Deus ou em um poder sobrenatural, mas somos animais sociais com uma necessidade evolutiva de ficar conectado com o mundo e com os outros. De repente, as religiões são apenas canais para permitir essas conexões.

Quem foi o primeiro homem criado por Deus?

O umbigo de Adão e a origem do homem. A origem do homem A origem do ser humano dentro da teologia judaico-cristã radica no momento da criação, quando Deus criou Adão como sua imagem e semelhança. Esta forma de entender a origem do homem se colocou como predominante desde que o cristianismo se tornou a principal religião do Ocidente.

  1. Entretanto, desde o fortalecimento do racionalismo, a partir do Iluminismo no século XVIII, as doutrinas religiosas passaram a ser questionadas e novas teorias explicativas sobre os mais variados assuntos foram desenvolvidas.
  2. No caso da origem do ser humano, a influência da análise racional sobre o mundo natural levou Charles Darwin, principalmente, a elaborar a teoria evolucionista, colocando a origem do ser humano como decorrente da evolução das espécies, frente à sua adaptação ao meio em que estavam inseridas.

O dilema sobre as duas teorias explicativas pode manter vivo um questionamento que vem sendo feito há séculos: Adão tinha ou não tinha umbigo? Esta questão pairou sobre a cabeça dos teólogos durante a Idade Média e o Renascimento, no Ocidente, levando inclusive a intensos debates entre os bizantinos.

No âmbito do criacionismo há duas possíveis versões. Deus tendo criado Adão já adulto não seria necessário a ele ter um umbigo, pois ele não havia sido gerado a partir do útero de uma mulher. Porém, como Deus criou um ser perfeito, mesmo sendo já adulto, Adão foi feito com umbigo, igual aos demais homens e mulheres que ele teria deixado como descendentes.

Pelo lado da visão do evolucionismo é certo que Adão tinha um umbigo, pois mesmo que seja tratado como o primeiro homem propriamente dito, decorrente da evolução dos hominídeos, ele teria sido gerado dentro do útero de uma progenitora, sendo necessária para a sua gestação a alimentação através do cordão umbilical.

  • Com o corte deste cordão após o nascimento, resultaria o umbigo.
  • Não pare agora.
  • Tem mais depois da publicidade 😉 Apesar da existência ou não do umbigo de Adão ser uma discussão cujo resultado é estéril, ela gerou algumas controvérsias, durante a Idade Média e o Renascimento, principalmente no que se refere à produção artística.

Os pintores que retratavam as cenas do Éden se viam frente a esta questão: representar Adão com ou sem umbigo? Alguns pintores usavam como recurso para fugir da resposta insolúvel a pintura de folhas grandes na região pélvica de Adão, que além de esconder seus órgãos genitais, tapava também o local onde presumivelmente se localizava o umbigo.

  1. O teólogo John MacArthur afirma que Michelangelo ao pintar seu mais famoso afresco na capela Sistina, A Criação de Adão, teria dado um umbigo enorme a Adão, o que lhe valeu observações repressivas por parte de alguns teólogos da época.
  2. Esta questão da existência ou não do umbigo de Adão serve em nossos dias para mostrar o quanto é também conflituosa a explicação da origem do homem frente às duas principais teses explicativas sobre este fato, o criacionismo e o evolucionismo.

O debate confrontando fé e ciência pode não gerar respostas absolutas, mas pode ampliar a reflexão e aprofundar nossos conhecimentos sobre a vida e a forma que a desenvolvemos no mundo.

* Créditos da imagem: e Por Tales Pinto graduado em História

: O umbigo de Adão e a origem do homem. A origem do homem

O que comprova a existência de Deus?

Resposta para um ateu: Deus existe? Preciso de provas! Não podemos provar a existência de Deus em um laboratório. Um ser transcendente não pode ser compreendido pela ciência. Entretanto, nosso Pai celeste fornece evidências de Sua existência de diversas formas.

  • Prof. Leandro S.
  • Quadros «É verdade que existe um ser superior? Ou a humanidade apenas o inventou para não ficar sem explicação sobre sua existência? Se existe, preciso de provas.» Tenho convicção de que o Criador lhe dará muitas evidências de Sua existência.
  • Existem diversos relatos de ateus que passaram a acreditar em Deus após uma acurada pesquisa, e principalmente, através do trabalho de Deus efetuado em seus corações.

Não podemos provar a existência de Deus em um laboratório. Um ser transcendente não pode ser compreendido pela ciência. Alguém disse: «Para compreender um gênio, somente um gênio; para compreender a Deus, somente um Deus». Devemos aceitá-lo pela fé e pelas evidências que temos.

Nosso Pai Celeste fornece evidências de Sua existência de diversas formas: através da Criação, astronomia, leis científicas, arqueologia, história, por Sua ação na vida das pessoas, pela vida de Jesus Cristo, etc. Analisemos algumas delas: Evidências na Criação Quando analisamos as coisas criadas, todas elas nos ensinam que há um Deus Criador, Onipotente e Onisciente: «Mas pergunta agora às alimárias, e cada uma delas to ensinará; e às aves dos céus, e elas to farão saber.

Ou fala com a terra, e ela te instruirá; até os peixes do mar to contarão. Qual entre todos estes não sabe que a mão do Senhor fez isto?» (Jó 12:7-9). «Porventura, não está Deus nas alturas do céu? Olha para as estrelas mais altas. Que altura!» (Jó 22:12).

  1. Quando contemplo os teus céus, obra dos teus dedos, e a lua e as estrelas que estabeleceste» Salmos 8:3.
  2. Levantai ao alto os olhos e vede.
  3. Quem criou estas coisas? Aquele que faz sair o seu exército de estrelas, todas bem contadas, as quais ele chama pelo nome; por ser ele grande em força e forte em poder, nem uma só vem a faltar» (Isaías 40:26).

Além da natureza nos convidar a contemplar a Deus nas obras criadas, as estrelas também o fazem. O estudo da astronomia nos auxilia nessa investigação. Em Isaías 40:18 e 26, Deus faz estas perguntas a todos os ateus (não é o seu caso), que apesar das evidências, não querem crer: «Com quem comparareis a Deus? Ou que cousa semelhante confrontareis com ele? Levantai os olhos e vede.

  • Quem criou estas coisas?» Ele continua: «Lembrai-vos das coisas passadas da antigüidade: eu sou Deus, e não há outro, eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim» (Isaías 46:9).
  • Vejamos mais de perto a criação: o universo com suas bilhões de Galáxias (imagine quantos planetas existem nelas!); os instintos dos animais, que sabem a hora certa de hibernar, de adquirir alimentos, de desovar no período correto (peixes); o corpo humano, cuja complexidade é estarrecedora (o cérebro continua sendo um mistério aos cientistas): como explicar evolutivamente as mamas? Até que se desenvolvessem, os filhos morreriam de fome (o mesmo em relação aos demais mamíferos).

E, se eles se alimentam de outra maneira, para que iriam necessitar do leite? E o olho humano? (até Darwin ficava intrigado com isso). Esse contém muitos músculos que trabalham harmoniosamente; a retina humana faz inveja aos cientistas especializados em computadores.

Seus 100 milhões de bastonetes e de cones, e sua camadas de neurônios, realizam pelo menos 10 bilhões de cálculos por segundo! Seria possível a visão humana ter surgido por acaso? Darwin admitiu que isso era um problema quando escreveu: «Parece impossível ou absurdo, reconheço-o, supor que a pudesse formar a visão».

E assim, poderiam ser numerados muitos outros exemplos. Como disse o Biólogo Edwin Conklin: «A probabilidade de a vida originar-se por acaso é comparável à probabilidade de um dicionário completo surgir como resultado da explosão de uma tipografia». Pode-se formar um dicionário através da explosão de uma tipografia? Claro que não! Imagine o universo com todas as suas criaturas, que é muito mais complexo! Abrindo um parêntese, alguns cientistas afirmam ter descoberto que os homens descendem de primatas.

Entretanto, precisamos aceitar o fato de que nem sempre a ciência está correta em suas conclusões. Anos atrás, os cientistas diziam ter descoberto o ancestral do homem: o Homem de Nebraska. «Após grande publicidade, por ter sido considerado como ancestral do homem, revelou-se mais tarde ser apenas um porco extinto.

Toda «evidência» provinha originalmente de um único dente e, no entanto, reconstruções completas foram realizadas na época e circularam como capa de várias revistas científicas. Atitude bem pouco científica essa, não?» Devemos aceitar o que está na Bíblia (Gênesis 1 e 2) no que diz respeito à criação do mundo.

  1. Evidências através astronomia «Levantai ao alto os olhos e vede.
  2. Quem criou estas coisas? Aquele que faz sair o seu exército de estrelas, todas bem contadas, as quais ele chama pelo nome; por ser ele grande em força e forte em poder, nem uma só vem a faltar» (Isaías 40:26).
  3. Vejamos algo mais sobre as estrelas – o que elas nos mostram sobre a existência de Deus.

Cada estrela, para manter-se em ignição e fornecer o calor e a energia sem os quais a vida seria impossível, gasta dezenas de toneladas de sua própria massa em cada segundo. Isso é lógico no sentido de que tudo que queima consome combustível (a única exceção que conhecemos é o milagre da sarça ardente que só Deus é capaz de realizar).

De acordo com análises feitas por astrônomos e cientistas, se as estrelas consomem energia de si mesmas, elas não são eternas, pois a quantidade de massa que elas consomem – sua própria massa – (mais especificamente o sol) faria com que elas durassem apenas duzentos ou trezentos anos! Além de nos mostrar que as estrelas não são eternas – foram «criadas», essa evidência nos mostra que «alguém está fornecendo esta massa para as estrelas consumirem», pois se isto não acontecesse, elas não mais existiriam, pois elas consomem massa de si mesmas.

E esse alguém é Deus! Veja o quanto as estrelas nos falam sobre Deus! Como disse o grande astrônomo William Herschell: «Louco é o astrônomo que não crê em Deus». Evidências Científicas A Lei da causa e efeito também nos dá evidências da existência de um Criador.

  • Estudando as estrelas e o espaço, vemos que toda essa organização não pode existir por acaso.
  • Onde há um plano perfeito, há um projetista perfeito».
  • A lei das causas e efeitos é uma realidade universal.
  • Não importa quão inédita e criativa seja uma obra.
  • Aquele que a planejou, estará num plano superior a ela.

Os efeitos, são manifestações condicionais de uma causa; e a causa, sempre, em quaisquer escalas, supera em níveis de importância, aos efeitos – sejam eles quais forem. Isto quer dizer que, se há o universo (efeito), tem de haver um Criador (a causa) superior a tudo isto.

  1. Evidências biológicas A teoria conhecida como biogênese é uma evidência fortíssima em favor da existência de Deus.
  2. O cientista francês Louis Pasteur a propôs em meados do século XX.
  3. Que seria esta teoria? A doutrina de que toda a vida provém de vida.
  4. Ele provou isso em laboratório.
  5. Refutou a teoria conhecida como Abiogênese, que prega a «geração espontânea», ou seja, a vida pode surgir de algo morto.

Após a descoberta de Louis Pasteur, a Abiogênese caiu ainda mais no ridículo. Evidências através de Jesus Cristo Essa é a maior das provas acerca da existência de Deus. Além da Bíblia, a história e a arqueologia comprovam que Jesus existiu; enquanto Ele esteve na Terra, realizou muitos milagres, e inclusive ressuscitou mortos.

  1. Pergunto: Pelo poder de quem Ele fez isso? A única explicação é aquela dada por Ele mesmo: «Respondeu-lhes Jesus: Já vo-lo disse, e não credes.
  2. As obras que eu faço em nome de meu Pai testificam a meu respeito» (João 10:25).
  3. Sendo que Cristo passou por nosso mundo, devemos acreditar nEle quando afirma existir Deus.

A fim de crer em Deus, não basta apenas ter essas e outras evidências: devemos exercitar nossa fé através de um íntimo relacionamento com Ele por meio da oração, estudo da Bíblia e pela percepção de Sua atuação em nossa vida. Dependerá muito também de nossa busca: «Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração» (Jeremias 29:13).

  1. Tenha certeza de que Deus ouvirá o clamor de seu coração e com certeza sua vida se tornará cheia de sentido e significado ao crer nEle.
  2. Finalizo com as Palavras do grande físico, matemático e astrônomo inglês Isaac Newton: «Este universo existe, e por esse único fato impossível, constitui-se em um milagre.

Confirma um poder infinito, bem maior do que qualquer parte; uma unidade sustendo tudo, incluindo todos os outros mundos num só! É um mistério, o único indiscutível que conhecemos, implicando nele todos os atributos de Deus» (Citado em Mundos Maravilhosos de Philip L.

Quem participou da criação de Deus?

E, dessa forma, o primeiro homem, Adão, e a primeira mulher, Eva, foram criados e receberam corpos que se assemelhavam àqueles de nossos pais celestiais. ‘À imagem de Deus os criou: homem e mulher os criou’ (Gênesis 1:27).

Quem criou o mundo foi Deus ou Jesus?

Jesus Criou a Terra – Jesus Cristo criou este mundo e tudo o que há nele. Criou também muitos outros mundos. Ele agiu por intermédio do poder do sacerdócio, sob a direção do Pai Celestial. Deus, o Pai, disse: «E mundos incontáveis criei () e criei-os por meio do Filho, o qual é meu Unigênito» ( Moisés 1:33 ).